Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Grandes revelações de Bono para 'Songs Of Experience' do U2


Bono deu uma entrevista para o 'Written In My Soul' de Bill Flanagan na rádio Sirius XM, e o ATU2 e o U2 Songs divulgaram em seu Twitter algumas das revelações para 'Songs Of Experience', o novo disco do U2. Flanagan já ouviu o álbum inteiro, e compara-o para uma jornada, e diz que é melhor do que 'Achtung Baby'.



'Songs Of Innocence' é da perspectiva de um filho, e 'Songs Of Experience' é da perspectiva de um pai.

O álbum é muito direto e puro. É um disco romântico. É um disco desafiador.

"Book Of Your Heart" é o título de uma nova canção que estará na Deluxe Version de 'Songs Of Experience'. A letra é sobre o conhecimento que você precisa para ajudar sua parceira durante sua vida e vice-versa. Bono escreve sobre a paixão fria dos relacionamentos. "Grandes relacionamentos precisam ser gerenciados. Em um ótimo relacionamento que a parte de administrar é compartilhada", e Bono sente que ele foi administrado por Ali em períodos difíceis.

"Landlady" é uma canção sobre Ali e como ela ajudou Bono com dinheiro durante os primeiros anos do U2. "A landlady (senhoria) é a pessoa que o amparou e pagou o seu sustento. Eu gosto bastante desta música".

"Summer Of Love" - Bono chama ela de música sexy. Começa com um casal em uma posição de privilégio falando sobre se mudar para a Califórnia e seguir em frente na vida, mas, à medida que a música muda, torna-se uma música sobre os refugiados se afogando, tentando chegar a uma vida melhor. "É uma audição tão leve, você perde a escuridão que se encontrava nela". Bono fala sobre o Mediterrâneo em sua casa na França e percebeu que era a mesma água que os refugiados estão morrendo, arriscando tudo para fugir da guerra. Letra: "I’ve been thinking of the west coast, but not the one everyone knows" (uma referência à Síria).

Há um "pregador lunático" que está "reinventando a atitude" no final de "Get Out Of Your Own Way" indo para o início de "American Soul": "Blessed are the superstars, in their luminescence we discover our own inadequacy. Blessed are the filthy rich, for you can only truly own what you give away, like your pain. Blessed are the arrogant, for theirs is the kingdom of their own company. Blessed are the bullies, for one day they will have to stand up to themselves. Bom bob."
"American Soul": Blessed are the liars. Bom bom. Because the truth can be awkward."

Uma declaração de Bono: "Se você persegue sua própria felicidade, isso o deixará infeliz. As pessoas se encontram em servir os outros".

"O amor é maior do que qualquer coisa em seu caminho" - é o que Bono diria aos seus filhos se fosse a última coisa que ele pudesse dizer a eles. É o título de uma canção do disco: "Love Is Bigger Than Anything In It's Way". Bono diz que é difícil de ouvir. Primeira música onde ele faz referência a sua casa na Baía de Killiney.

"The Showman" leva à "The Little Things That Give You Away" que é a última canção do disco. É uma conversa onde sua inocência desafia a pessoa que você se tornou.

"You look more better" é uma linha da canção "The Showman", e provavelmente era a canção chamada "Much More Better".

Bono aprecia os Salmos onde Davi argumenta com Deus. Em "Lights Of Home", Bono argumenta com Deus.

A letra de "Kite" é um precursor para 'Songs Of Experience', sendo uma carta de Bono para suas filhas. "Eu fui influenciado pelo falecimento do meu pai" - e sobre ele levar suas filhas para empinar pipa em Killiney Hill. "Ser um pai não é natural para mim".

"I saw a statue of a gold guitar" é uma linha de "The Lights Of Home".

Rede Globo divulga pequeno vídeo da preparação do terraço da emissora para apresentação exclusiva do U2


Ontem, em suas redes sociais, o Fantástico da Rede Globo avisou que o U2 gravou nos estúdios da emissora em São Paulo, para uma exibição no programa de domingo.
Hoje, a Globo divulgou um pequeno vídeo, e sabemos que o U2 realizou uma apresentação acústica exclusiva no terraço do prédio da emissora! O trailer mostra a preparação para a performance da banda:

Ian Astbury do The Cult cita o U2 em entrevista no Brasil


Recentemente, o The Cult, formado nos anos 80, fez um show em São Paulo no Festival São Paulo TRIP, e o vocalista Ian Astbury, de 55 anos de idade e um dos dois únicos remanescentes da formação original da banda, deu uma entrevista por telefone ao G1.

G1 – Você já declarou que não acha que os integrantes de bandas não devem ficar juntos para sempre, já que mesmo os casamentos mal chegam a tanto. É por isso que o Cult teve tantas mudanças de formação ao longo dos anos e só sobraram você e o guitarrista Billy Duffy?

Ian Astbury – (Risos) Acho que é como a natureza: você não pode ter 25 anos para sempre, sabe? Você não pode ficar sempre na mesma localização geográfica, o clima não continua o mesmo... Tudo no universo está mudando constantemente, e nós, como indivíduos, também. Então, quando tentamos construir estruturas que se baseiam em quatro individualidades, é muito difícil para manter a energia daquilo, sabe?
E depois aquilo evolui, torna-se uma outra coisa, e você tem de mudar os membros. Alguns membros se incineram. São como fusíveis: eles queimam. As pessoas se esgotam, especialmente trabalhando com gente como eu e o Billy [Duffy, guitarrista e outro membro original do Cult]. Nós demandamos muito das pessoas que trabalham conosco. Então, o ambiente no estúdio, ao vivo, se a nossa energia não bate, a coisa se desestrutura, sabe?
Poucas bandas continuam. A maioria termina ou fica separada por um período de tempo ou muda os membros ou eles morrem, muitos se vão ao longo dos anos. E continuam evoluindo. O U2 é único, nesse sentido.
É por isso que sinto que, de muitas maneiras, hoje vemos a ascensão de figuras individuais na música, muito mais como ícones, tipo no hip hop.

'Songs Of Experience': "o amor é maior do que qualquer coisa em seu caminho"


Bono compartilhou o que ele aprendeu ao longo dos anos. Em uma entrevista para Written In My Soul de Bill Flanagan, foi perguntado para Bono sobre transmitir sabedoria a seus quatro filhos com base no aprendizado de sua própria vida.
'Songs Of Experience', o novo disco do U2, é uma coleção de cartas escritas por Bono para pessoas próximas à ele. Bono explicou que seu processo de escrita para o disco começou como uma pergunta a si mesmo sobre o que ele diria a seus filhos se ele pudesse dizer apenas uma última coisa.
"Eu vim com a frase: 'o amor é maior do que qualquer coisa em seu caminho'. E eu quero dizer isso. E não é um amor que flutua no ar, com flores no cabelo. Quero dizer que a maioria das músicas do álbum são detalhes de paisagens emocionais ao invés de paisagens físicas. Eu quero contar que a coisa que a experiência me ensinou, acima de tudo, é a primazia de diversão e brincadeiras e maldade e travessuras e alegria como um ato desafiador contra a nossa mortalidade, e que nos traz de volta ao rock'n'roll. Foi de onde o U2 veio."
Em outra parte na entrevista, Bono fala sobre o processo de escrita por trás de 'Songs Of Experience', as pessoas e eventos em sua vida que inspirou essas canções, bem como discussões sinceras sobre sua família e seu trabalho de caridade.



Do site: Sirius XM

terça-feira, 17 de outubro de 2017

U2 grava entrevista e performances para exibição no Fantástico da Rede Globo


Em suas redes sociais, o Fantástico da Rede Globo avisa: U2 no programa do próximo domingo! 
O que se sabe é que a banda gravou hoje nos estúdios da emissora em São Paulo, uma entrevista e performances para o programa! 
A entrevista será com Bono e Adam Clayton, e as performances com a banda completa, e com ao menos uma versão acústica!


Entrevista de Adam Clayton e The Edge para Marianna Santiago da Alfa Radio 913 do México


Adam Clayton e The Edge concederam uma entrevista para Marianna Santiago da Alfa Radio 913 do México!
A entrevistadora comenta que se passaram 30 anos desde o lançamento de 'The Joshua Tree', e pergunta como mudou a maneira de se escrever canções hoje. Edge respondeu: "Houve algumas pequenas mudanças. Eu gosto de uma frase de John Lennon sobre escrever canções, em que ele diz: 'Sente-se, se decida sobre o que escrever, pegue sua guitarra e abra uma veia', se referindo que fazer uma grande canção requer tudo, requer 'tirar sangue' de sua vida ao fazer uma grande canção. Nós, como banda, estamos amaldiçoados ou abençoados com isso, dependendo de como você vê o que é uma grande canção. Assim, quando tentamos fazer uma grande canção, damos tudo. As grandes canções são as que te trazem segurança na noite de um show, que funciona no final, mas nunca é algo fácil de se fazer."
Adam Clayton completa: "Noel Gallagher, que têm nos acompanhado na turnê, me disse em uma noite: 'o que é grandioso em 'The Joshua Tree' é que tem canções espetaculares e simples'. Ele tem razão, eram canções simples naquele momento em que tocávamos e tentávamos ampliar nossas habilidades musicais, e tudo foi um conjunto de fatores. Agora há muita tecnologia, e levam estas canções para onde antes não era possível. 'The Joshua Tree' foi mágico para a banda, e foi um grande período para nós."
Marianna Santiago então pergunta qual o segredo do U2 transcender através dos anos. Edge: "Para nós é estar em contato com a cultura musical, porque tudo que é criado tem um contexto. Para nós, esse contexto é a atual cultura da música. Em nossa música, nossos álbuns, sempre há um fundo do sentido de onde a música está indo. Tratamos de não ser "seguidores", e sim interpretar as coisas de uma nova maneira e tratamos de levar essa cultura musical de momento para um lugar diferente."
Marianna Santiago pergunta qual a coisa que mais se recordam das gravações do disco 'The Joshua Tree', algum momento em particular. Edge responde: "Para este disco, foi em não gravar em um estúdio, que é um lugar muito estéril. Decidimos fazer as gravações em uma grande casa, uma linda casa fora de Dublin. Assim, quando penso neste álbum, penso em como divertido foi fazer música fora de um lugar tão formal que é um estúdio. Um lugar mais natural, orgânico, onde as canções e ideias surgiam. Realmente desfrutamos do processo. E para tornar as coisas melhores, Adam comprou esta casa. Ele vive lá, e assim podemos revisitar este local onde escrevemos muitas das canções."
Adam diz: "Não era uma casa tão grande não, era pequena! Eu me lembro de momentos de grande generosidade porque tínhamos uma grande equipe. Brian Eno, Daniel Lanois, Flood, Steve Lillwhite que chegou no final para nos ajudar a mixar. Toda essa gente se entregou. Quando escutamos essas canções, podemos ouvir todas essas contribuições e isso significa muito para nós, escutar Brian Eno e todos estes grandes produtores e saber que são parte de nosso álbum."
Sobre tocar nos dias de hoje, as canções do disco de 30 anos atrás, Edge diz: "Parece que as canções do disco hoje são particularmente relevantes. Há 5 anos atrás não eram. Isso se deve aos acontecimentos no mundo, política e problemas que estão em foco. Tocamos elas agora, e ressoam como eram há 30 anos atrás. Poderiam ter sido escritas na semana passada. Pode ser só uma coincidência, pelas circunstâncias, mas foi isso que nos motivou a estender esta turnê. Eram poucos shows que faríamos, quando começamos a pensar no que estava acontecendo no mundo. Nos demos conta de que era muito mais importante o que poderíamos fazer com essa turnê. Assim se tornou algo maior."
Marianna Santiago diz que no mundo atual onde os atos terroristas ocorrem em vários lugares, inclusive em shows, e pergunta o que deveria ser feito para combater a violência. Edge fala: "É um problema bastante difícil. Pessoalmente, acredito sempre que quando existe este conflito, todos devem se sentar e conversar. Vimos isto na Irlanda, tivemos décadas de terrorismo onde morreram muitos inocentes. Mas apenas quando as pessoas se sentaram e começaram a conversar, uma solução foi encontrada. Acredito que esta seja uma solução."
Adam diz: "Acredito que se continuar este acesso fácil à armas, estas atrocidades continuarão acontecendo. Sobre o terrorismo, é muito triste que as pessoas se reúnam em locais para apreciar música, e isso se torne um atentado à democracia. Então, sem um controle de armas, isso continuará acontecendo, com estas armas nas mãos de terroristas e nas mãos de qualquer outra pessoa."
Edge termina a entrevista dizendo que tocar ao vivo hoje em dia é algo que está se perdendo devido à cultura dos DJ'S, e que ele acredita que uma banda em cima do palco, com seus instrumentos, tocando juntos ao vivo, voltarão e todos irão presenciar isto, porque hoje isto é raro de se ver, e é isto que o U2 está buscando. Edge diz que tocar ao vivo é crucial.

U2 lançará single em vinil de "You’re The Best Thing About Me" no Black Friday 2017


O site The Future Heart divulgou uma lista preliminar dos lançamentos em vinil que acontecerão no Black Friday 2017, no dia 24 de Novembro. Será um evento junto com a organização do Record Store Day.
Nesta lista preliminar, o U2 aparece com um single em vinil de "You’re The Best Thing About Me". Ainda não se sabe qual será o Lado B do single, e há rumores que pode ser a canção "Get Out Of Your Own Way", o segundo single do disco 'Songs Of Experience'.

U2 e Noel Gallagher assistiram em cima do palco ao show de Paul McCartney no Allianz Park em São Paulo


U2 e Noel Gallagher desembarcaram no Aeroporto De Guarulhos neste domingo, para os quatro últimos shows da 'The Joshua Tree Tour 2017' que acontecem em São Paulo!

A Folha De São Paulo confirma que todos os integrantes do U2, junto com Noel Gallagher, foram para o Allianz Park em São Paulo, e assistiram de cima do palco ao show de Paul McCartney em sua turnê 'One On One'!
Bono e The Edge estão hospedados no Palácio Tangará, enquanto Adam Clayton e Larry Mullen estão no Fasano.

Em cumprimento à Lei 12.933/13 e Decreto 8.537/15, a carga de ingressos de meia entrada disponíveis até 72 horas que antecedem cada show do U2 no Brasil, não foi totalmente utilizada. Assim, há ingressos de inteira liberados e disponíveis para venda a partir de R$260,00, no site ticketsforfun.com.br e pontos de venda oficiais.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

A edição sofrida no curta de "You’re The Best Thing About Me"


Do site U2 Songs (antigo U2 Wanderer):

Recentemente, o U2 lançou um curta para divulgar o single de "You’re The Best Thing About Me". Foi filmado em um estilo documentário pela cineasta de origem georgiana Tatia Pilieva, segue quatro casais ao longo de 24 horas enquanto se despedem um do outro.
O primeiro upload do vídeo foi feita na conta do U2 Vevo em 05 de outubro, e ficou no ar por 24 horas. O vídeo então foi removido desse serviço, e uma pequena edição foi feita e então o upload foi feito novamente. Foram feitas alterações nos créditos do vídeo.
No vídeo original que foi disponibilizado, os produtores executivos foram listados como U2, Guy Oseary, Seth Friedman, Jesse Peters, Casey Engelhardt, Thomas Benski. Quando a edição foi feita, a segunda versão disponibilizada Seth Friedman, Jesse Peters, Casey Engelhardt, Thomas Benski.



Na segunda tela de créditos um erro estava presente no upload original com um espaço reservado que se lia "Copyright text", e isso foi corrigido na segunda versão, e agora pode ser lido "Published by Universal Music Publishing International B.V." e foi acrescentado "Copyright: U2 Limited" na parte inferior.


Mas a maior mudança foi uma edição do próprio vídeo. O vídeo inicial mostrava um endereço completo de uma das pessoas no vídeo. No vídeo revisado este endereço foi editado, sendo removido.


The Edge no projeto Eye-D, de Anna Gabriel


Anna Gabriel é fotógrafa, cineasta e editora que trabalhou com celebridades como Run DMC, EmmyLou Harris, Joan Baez, Robert Plant, Iggy Pop. Anna dirigiu videoclipes musicais para Peter Gabriel, Joseph Arthur, Jesca Hoop e Emmanuel Jal. Ela dirigiu e editou o filme documentárioGrowing Up on Tour: A Family Portrait, lançado pela Seventh Art em 2004, Still Growing Up: Live and Unwrapped em 2006 e Taking The Pulse: Live in Verona em 2012. Anna também filmou e dirigiu trabalho documental para inúmeras organizações sem fins lucrativos, como The Voice Project, Happy Hearts Fund e Delete Blood Cancer.

Olhar para os olhos de alguém por um período prolongado pode simultaneamente desestressar e trazer proximidade. A ocitocina é liberada e os limites pessoais que mantemos são desafiados. Conexões, emoções, sublinguagem, cura, todos fluem entre nós através dos olhos.
Os temas desta série são todos rostos famosos que são regularmente mantidos no olhar público. Cada fotografia no entanto, nos obriga a olhá-los de uma forma diferente, e ver um lado que revela uma verdade diferente. Cada uma dessas pessoas fez uma marca neste mundo e tentaram, em certo modo ou outra, escolher o que mostrar de si mesmos. O que você raramente vê são as lutas, felicidade, raiva, tristeza, alegria e emoções vivenciadas em particular.
A edição limitada do box set Eye-D traz Sting, Peter Gabriel, Susan Sarandon, Kevin Bacon, Rufus Wainwright, Pussy Riot e muito mais.
O livro Eye-D estará sendo lançado em 2018 apresentando muitos mais temas, como Johnny Depp, Paul Simon, Robert Plant, Lou Reed, David Byrne, Annie Lennox, Michael Stipe, Randy Newman, Tom Petty, The Edge, BonIver, e muito mais.

domingo, 15 de outubro de 2017

Conhecer os corações daqueles que amamos é o fogo que alimenta a vida: o show do U2 no Chile pela 'The Joshua Tree Tour 2017'


O U2 realizou ontem no Estadio Nacional no Chile um show pela 'The Joshua Tree Tour 2017'. Bono, na frente de 58 mil pessoas presentes, cantou um trecho de "Gracias A La Vida". "Feliz aniversário, Violeta Parra", disse ele no final da música.
Houve também uma oportunidade para prestar homenagem à alma poética do Chile simbolizada em seus poetas Gabriela Mistral, Pablo Neruda e Nicanor Parra. Bono agradeceu por retornar ao "país dos poetas" e disse: "conhecer os corações daqueles que amamos é o fogo que alimenta a vida".
Para Victor Jara, cantor e compositor assassinado, foi dedicada a canção "One Tree Hill", que lembrou aqueles que lutaram pela liberdade e os direitos humanos no Chile, embora a música fosse também para "todas as pessoas que permaneceram fortes em tempos difíceis, mesmo neste local", disse Bono, em clara referência à forma como o Coliseu de Ñuñoín foi utilizado como centro de detenção e tortura, após o golpe de 1973.
Durante "Ultraviolet (Light My Way)", no telão as imagens de Michelle Bachelet, Violeta Parra, Isabel Allende e Gabriela Mistral. Todas as "mulheres que se ergueram ou fizeram valer seus direitos, mulheres que insistiram, resistiram e persistiram", disse Bono.
Rene Castro estava presente no concerto. Ele é um amigo artista chileno de Bono que lhe mostrou o trabalho de Victor Jara, morto pela ditadura.

sábado, 14 de outubro de 2017

Informações: 'The Joshua Tree Tour 2017' no Brasil


Do site Diorama:

O U2 está prestes a desembarcar no Brasil com a mega turnê 'The Joshua Tree Tour 2017'. Comemorando os trinta anos do histórico álbum 'The Joshua Tree', a banda traz uma turnê grandiosa, com uma superprodução digna.



O palco em que o U2 se apresentará possui 80m de comprimento e 20m de altura, totalizando 1.600m² de área. O telão, por sua vez, também impressiona com suas medidas exacerbadas: os mesmos 80m de comprimento e 18m de altura, o equivalente a uma TV de 2418 polegadas!
Ainda existem alguns ingressos disponíveis para os shows da banda no Brasil no site ticketsforfun.com.br

Confira informações sobre estacionamento para os shows em São Paulo:

Estacionamento:

Vagas disponibilizadas no World Trade Center (Av das Nações Unidas, 12.551), sistema sem manobristas, nos pisos G2 e G3, e fazendo a logística de traslado para o Morumbi.
O valor do estacionamento será de R$40,00 (quarenta reais), por veículo, preço único especial para o evento e será cobrado de cada cliente.
O estacionamento pode ser pago com qualquer cartão de crédito.

Translado:

Haverá uma lista de reserva para elaborar uma projeção do número de pessoas a serem embarcadas. O embarque será feito somente mediante reserva, com até 1 dia antes de cada show. O atendimento para reservas funcionará em sistema 24 horas pelos seguintes telefones: (11) 3043-7132 / (11) 3043-7133 / (11)3043-7134. O estacionamento oficial no WTC também funcionará em sistema 24 horas. Para o traslado, será cobrado o valor – somente em dinheiro – de R$50,00 por pessoa contemplando a ida ao Estádio do Morumbi e o retorno ao WTC.
Haverá uma equipe de promotores no piso G2, próximo ao elevador azul, com caixas exclusivos, para venda antecipada do estacionamento e da pulseira, que será utilizada na identificação do traslado.
Haverá no piso térreo, uma equipe que fará toda a logística de embarque e desembarque e controle de quantidade das pessoas;
Haverá outra equipe no Morumbi que fará o desembarque e embarque das pessoas.

Confira as informações sobre o acesso ao estádio para os diversos tipos de ingressos nos dias de show:

Superior 1 – Portão 5
Superior 2 – Portão 5
Superior 3 – Portão 16
Superior 4 – Portão 16
Inferior A – Portão 3
Inferior B – Portão 17
Pista A – Portão 2
Pista B – Portão 4
Pista C – Portão 18
Arquibancada 1 – Portão 6
Arquibancada 2 – Portão 6
Arquibancada 3 – Portão 15
Arquibancada 4 – Portão 15
PNE Pista – Portão 17
PCD Inferior – Portão 17



Objetos proibidos:

Rolo de papel, jornal, revista, bandeiras e/ou faixas com mastro.
Alimentos: apenas permitido alimentos industrializados, com a embalagem lacrada originalmente, como salgadinhos e bolachas. Frutas, apenas cortadas.
Vasilhames, copos de vidro ou qualquer outro tipo de embalagem contendo bebidas ou refrigerantes de qualquer natureza que, direta ou indiretamente possa provocar ferimentos.
Máquinas fotográficas profissionais com lente intercambiável e filmadoras.
Capacetes de moto ou similares, correntes, cinturões e pingentes, ou qualquer tipo de acessório que possa causar ferimento.
Guarda-chuva e pau-de-selfie.

A 'The Joshua Tree Tour 2017' do U2, é produzida pela Live Nation Global Touring com a DC SET Promoções e a Move Concerts como co-produtoras no Brasil. A UPS é a provedora de logística oficial da turnê.

Download do volume 13 da coleção ao vivo U2 & 22 # The Joshua Tree Tour 2017


Nas comemorações da vinda do U2 ao Brasil com shows da 'The Joshua Tree Tour 2017', o último volume de uma série de bootlegs com canções ao vivo de shows da banda intitulados U2 & 22, criados pelo extinto grupo 'Sem Limites No Horizonte', que receberam denúncias por pirataria e tiveram o grupo excluído pelo Facebook. Uma injustiça, logicamente, pois o grupo nunca comercializou nada, e gravações de shows (bootlegs) compartilhados não se caracteriza isto, pois não é material oficial (este sim comercializado pela banda).

Segue o último volume da coleção para download, com textos de introdução criados pelo grupo 'Sem Limites No Horizonte'!

CLIQUE PARA O DOWNLOAD DO VOLUME 13




The Joshua Tree Tour 2017: A mais improvável de todas as turnês, celebrando a turnê das turnês.
Aqui temos uma seleção com as melhores performances em gravações IEM´s e Soudboards, que foram lançados extra-oficiais no Japão. São os shows de Vancouver, Seattle, Roma, Berlin e Bruxelas pertencentes a primeira e segunda pernas da turnê, que depois voltaria aos EUA passando pela América Latina e culminará aqui no Brasil na próxima semana.
E assim encerramos esta série de postagens com o melhor de todas as turnês do U2 até aqui, em uma celebração dos 30 anos da turnê mais emblemática do grupo. Todas as seleções anteriores foram feitas por Antonio Mancino, que nos deixou no dia 20/09/2017 e é a ele quem dedico estas postagens. Esta última edição foi feita por mim, Anselmo e espero que esteja à altura das anteriores tão bem elaboradas por ele.

U22 – TJT TOUR 2017 

00-Intro_The Whole Of The Moon - Brussels, BEL - 2017.08.01
01-Sunday Bloody Sunday - Berlin, GER - 2017.07.12
02-New Year´s Day - Seattle, USA – 2017
03-A Sort Of Homecoming - Vancouver, CAN - 2017.05.12
04-Bad - Berlin, GER - 2017.07.12
05-Pride - Rome, ITA - 2017.07.15
06-Where The Streets Have No Name - Rome, ITA - 2017.07.15
07-I Still Haven't Found What I'm Looking For - Brussels, BEL - 2017.08.01
08-With Or Without You - Rome, ITA - 2017.07.15
09-Bullet The Blue Sky - Berlin, GER - 2017.07.12
10-Running To Stand Still - Brussels, BEL - 2017.08.01
11-Red Hill Mining Town - Vancouver, CAN - 2017.05.12
12-In God's Country - Vancouver, CAN - 2017.05.12
13-Trip Through Your Wires - Seattle, USA - 2017.05.14
14-One Tree Hill - Brussels, BEL - 2017.08.01
15-Exit - Rome, ITA - 2017.07.15
16-Mothers Of The Disappeared - Berlin, GER - 2017.07.12
17-Miss Sarajevo - Berlin, GER - 2017.07.12
18-Beautiful Day - Berlin, GER - 2017.07.12
19-Elevation - Berlin, GER - 2017.07.12
20-Vertigo - Rome, ITA - 2017.07.15
21-Ultraviolet (Light My Way) - Vancouver, CAN - 2017.05.12
22-One - Brussels, BEL - 2017.08.01
23-The Little Things That Give You, Seattle 2017.05.14 - Bonus Track I
24-I Will Follow, Seattle 2017.05.14 - Bonus Track II
25-You're The Best Thing About Me (Live on NBC 2017.09.07) - Bonus Track III

As lembranças de Bono sobre Michael Hutchence


Vai estrear em breve um documentário sobre a vida de Michael Hutchence, vocalista do INXS, que cometeu suicídio no ano de 1997, há 20 anos.
Com o título de 'Michael Hutchence: The Last Rockstar', o filme será exibido pelo canal australiano Seven e contará com músicas inéditas, vídeos e fotografias pessoais, bem como as últimas letras que Hutchence escreveu.
Bono gravou depoimentos para o filme, e recorda noites passadas em férias de verão no sul da França com Michael. "Michael tirava toda a roupa e ia para piscina... e depois lhe serviria o café da manhã", recorda com um sorriso, admirando a capacidade australiana de se recuperar pela manhã depois de uma noite de festa.
Bono diz que as festas eram especiais, pois muitas vezes Michael chegava sem aviso prévio no refúgio francês de Bono: "Ele escalaria os portões à meia-noite e apenas dizia: "alguma coisa acontecendo?"
Ele encontra um forte significado na lembrança da reação de Michael à morte de Kurt Cobain, quando ambos discutiam o suicídio do líder do Nirvana. "Ele estava falando sobre Kurt Cobain, e disse que se Kurt tivesse tido a chance de ficar acordado até tarde e ficar com companheiros como nós e nadar no mar, ele ainda estaria aqui".
Michael disse que estar sem amigos, como Bono, "é quando você perde seu senso de humor".
Bono se recorda de dizer para Michael que ele realmente não conhecia Kurt, mas "o que eu sei é que você é engraçado pra caralho".
Sobre o suicídio de Michael em 1997, Bono diz: "Quando ele acabou com aquele lado amável e divertido da vida. Quando ele perdeu a alegria. Foi quando o perdemos".

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

A Entrevista: The Edge e Adam Clayton falam para o Clarín da Argentina - Parte 02


─ Vocês tocam juntos por quase 40 anos, sem pausas na carreira, brigas ou impasses, algo incomum em uma banda de rock. Como você explicaria isso?

The Edge: Não existe uma razão única. Eu acho que o principal é que somos completamente ineficazes. Tocamos no U2: o que mais podemos fazer?

Adam Clayton: Quando começamos estudando juntos aos 16 anos, o compromisso não foi: "Vamos fazer isso até que nos convenha". Era: "Vamos fazer isso e ver onde nos conduz". E isso nos levou a conhecer todo mundo, conhecer pessoas incríveis e criar excelentes músicas que fazem parte do nosso legado. E bem, melhor que isso, impossível. Não há nada mais excitante e fortalecedor do que o que o U2 fez conosco. E acho que é isso que nos manteve juntos. Eu acho que todos nós temos um respeito muito saudável também. Somos um grupo de pessoas inteligentes e cuidadosas. E nunca caímos em coisas triviais. Discutimos as coisas importantes.

─ Você se lembra de algum episódio em que essa amizade ou comunhão esteve em perigo?

The Edge: Eu acho que sempre há momentos desafiadores. Cada turnê, cada álbum traz pontos de estresse. Mas a pergunta que eu faço é: alguém já questionou alguma vez as amizades verdadeiras na banda? Eu creio que nunca. Elas são mais fortes do que qualquer coisa. É a pedra fundamental e provavelmente a amizade excede no U2.

─ Adam, você agradeceu recentemente a Bono, The Edge e Larry por se juntarem e apoiá-lo na sua luta contra o vício do álcool. Quão difícil foi essa luta para todos?

Adam Clayton: Bem, a parte difícil é aceitar o problema. O vício é tão inteligente que ele engana você e leva você a pensar que vai cuidar de você, que irá protegê-lo. E esse não era o caso. Eu estava me afundando e também a banda; não estava dando todo o meu potencial. A banda me apoiou em todos os momentos, eles viram minha deterioração na minha qualidade de vida e nas minhas habilidades. E no momento certo nós confrontamos isso e eles me disseram para não me preocupar, que a banda continuaria, que meu lugar na banda estava garantido, mas que eu tinha que resolver isso. Foi difícil, mas é o que formou a pessoa que sou hoje, por isso estou muito grato por isso.

"O próximo disco poderia lutar contra 'The Joshua Tree' em termos de qualidade da música", disse The Edge.
Ele fala sobre 'Songs Of Experience', o novo álbum do U2 que será lançado antes do final do ano. Um material muito aguardado, já que a banda tinha ele pronto para o final do ano passado, mas alguns eventos importantes como o Brexit e a presidência de Trump nos Estados Unidos motivaram a banda a reescrever algumas músicas.
"O álbum estava quase finalizado no final do ano passado, e nós poderíamos ter nos apressado e lançado em fevereiro deste ano, mas quando nos aproximamos desse prazo, muito aconteceu: a escolha de Trump e algumas questões desafiadoras que Bono estava enfrentando", diz ele.
E ele acrescenta: "Então nós decidimos nos dar a chance de interromper a gravação e reconsiderar o material. Além disso, nesse período, fizemos algo que sempre prometemos fazer, mas nunca tínhamos conseguido, e é ter as músicas prontas, tocá-lasao vivo em uma turnê de seis meses, e depois lançar o disco. Nós não fizemos isso totalmente, mas nós voltamos para o estúdio para ensaiar e mudar os arranjos, ritmos, alguns dos sons, e então nós combinamos isso com o que nós já tínhamos gravado com produções mais do século 21."

─ Então, como vocês definiriam 'Songs Of Experience'?

The Edge: É uma ótima síntese da qualidade orgânica de uma banda de rock and roll, mas com a disciplina, foco e clareza de uma gravação do século 21, muitas das quais criadas usando a tecnologia atual: baterias programadas, bases de teclados, muito poucas guitarras, muitos sintetizadores. Então, é uma produção muito focada no vocal e com poucos elementos. Eu acho que queríamos fazer parte do movimento e cultura dance e eletrônica, mas também colocar o que apenas as bandas de rock têm e ninguém mais pode fazer. E em algumas músicas, você pode literalmente ouvir as duas coisas: o baixo ao vivo e a bateria muito estruturadas, e vice-versa, loops muito focados. Em resumo, para nós a música é quem manda: queremos que as músicas brilhem. Seja qual for o som do álbum, ele tem que servir as músicas, tem que servir as vozes, as melodias e as letras. É muito fresco para nós, muito diferente.

─ O título do álbum se conecta diretamente com o anterior, 'Songs Of Innocence'.

The Edge: Sim, mas raramente, alguns aspectos do novo álbum são mais apropriados para 'Songs Of Innocence'. Existem músicas de 'Songs Of Experience' que são uma grande reminiscência do U2 no início e há músicas de 'Songs Of Innocence' que deveriam estar no novo álbum. Então é uma mistura de ambos.

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...