Anúncios

sábado, 30 de junho de 2012

"October": uma melodia pura, sustentada com acordes simples

Bono sempre esteve pronto com uma teoria. “A música do U2 não é música urbana”, ele disse em 1980. “Tem mais a ver com colinas, montanhas e rios, e por isso realmente nos convém estar em um espaço aberto, ao invés de ser contidos em um clube”.
Ele poderia ter falado sobre "Tomorrow" ou a primeira metade disso. Mas mesmo com mais precisão, ele poderia estar descrevendo o contexto que deu origem para a faixa, título do imensamente problemático e ainda profundamente comovente álbum de número dois ‘October’.
Claramente esse foi um dos momentos mais brilhantes de inspiração de The Edge até hoje.
O guitarrista lembra essa como uma canção que poderia ter decolado, mas Bono estava destituído de inspiração lírica e não tinham o tempo necessário para espremer para fora o que poderia ter sido faíscas cintilantes. Eles decidiram pô-la pra fora como estava. Sua memória faz o poder controlado e a beleza da música terminada uma grave injustiça. O U2 alegremente admite que canções freqüentemente nascem juntas por acidente: este foi um exemplo desse processo. Que não é uma metáfora apropriada no contexto. Na verdade, "October" está impregnada com um outro mundo de tristeza e resignação, que sem dúvida escoa as emoções emaranhadas que estavam conduzindo a banda então, e que arriscaram conduzi-los à parte. Sobre a preparação para a gravação de ‘October’, Bono, The Edge e Larry viviam fora em Portrane, junto a praia, na costa norte de Dublin, com o grupo Shalom. Bono foi batizado no mar em Portrane, e eles estavam morando em um trailer em um campo por lá. Eles oravam muito e jejuavam. The Edge descreve-o como um momento incrivelmente intenso espiritualmente, durante o qual ele lutou longamente com a sua consciência sobre a existência ou não, como um cristão, se ele poderia continuar a tocar numa banda de rock and roll.
Os três membros cristãos da banda estavam sob grande pressão dos outros membros do grupo Shalom para sairem, que eles teriam que escolher ou um ou outro. Foi na praia em Portrane que The Edge deu a notícia a Bono que ele deixaria a banda. Se The Edge estava indo, Bono decidiu que iria também, que eles acabariam com a banda. The Edge pediu duas semanas, para dar-lhe tempo para ir embora e considerar sua posição. Quando ele voltou, ele havia decidido que ser um cristão em uma banda de rock envolvia uma certa contradição, mas que ele podia conviver.
“‘October’...é uma imagem”, Bono falou ao entrevistador holandês, Kees Baar, em 1981. “Nós já passamos os anos 60, época em que as coisas estavam em plena floração. Nós tínhamos geladeiras e automóveis e enviamos pessoas à Lua e todos pensavam em como a humanidade era grande. E agora, como passamos os anos 70 e 80, esta é uma época mais fria do ano. É após a colheita. As árvores estão despidas. Você pode ver coisas e nós finalmente percebemos que talvez não fossemos tão inteligentes depois de tudo, agora que há milhões de desempregados, agora que temos utilizado a tecnologia com a qual temos sido abençoados com a construção de bombas para máquinas de guerra, para construir foguetes, que seja. Então, "October" é uma palavra sinistra, mas também é muito lírica.
Como as extrapolações, vai fazer algum sentido. O título veio em primeiro lugar: Foi como Bono quis chamar o álbum. The Edge não tocava piano há anos, mas ele teve um sensação real disso, e começou a escolher essa melodia pura, sustentada com acordes simples. O grupo queria que ele encontrasse o que eles chamaram de notas de gelo: claras, cintilantes, cristalinas coisas que poderiam ser difíceis, mas bonitas. ‘October’ foi o resultado, e enquanto Bono pode tê-la visto como uma grande declaração sobre verdades eternas, sua nudez, de fato, como disse muito sobre a crise que a banda vinha atravessando, tanto pessoal quanto criativa.
‘October’ captura o U2 num momento de suprema vulnerabilidade, e é cada vez mais premente como resultado. De fato, pode ter sido uma grande canção, mais completa que a escrita. Mas algumas vezes, como o U2 iria encontrar uma vida própria. E um significado.


Agradecimento: Rosa - Achtung Zoo

sexta-feira, 29 de junho de 2012

The Edge encontra uma mala de turistas americanos e devolve com CD do U2 autografado

Uma família americana em férias na Irlanda sofreu recentemente um grande susto ao perceber que tinha perdido uma bolsa contendo seus passaportes. Não tardou muito para que ficassem felizes ao descobrir que os pertences haviam sido encontrados por ninguém menos que The Edge, guitarrista do U2. Não satisfeito em apenas entregar a bolsa, ainda mandou um CD 'No Line On The Horizon' autografado.
Os viajantes – um pai e seus dois filhos – deixaram a bolsa em uma estação de trem em Killarney, e rapidamente perceberam o estrago que seria a viagem caso não achassem a tal bolsa perdida, principalmente por conta dos passaportes. The Edge, em pessoa, andava pela estação e reparou o objeto perdido, que por sorte, tinha o endereço do hotel onde os californianos estavam hospedados.
"Definitivamente, não foi o The Edge que entregou pessoalmente no saguão do hotel, mas foi ele que providenciou a entrega em seu nome", disse um porta-voz citado pelo jornal Independent. "Foi muito gentil da parte dele. Não sei se foi ele mesmo quem achou ou o quê. Mas ele certamente organizou a devolução."
O gerente da recepção do hotel disse ao jornal que a bolsa foi devolvida com o CD autografado do U2, além de um bilhete dizendo: "Espero que a sua jornada termine bem" disse. Um dos filhos disse ter sido inacreditável. "Meu pai é fã do U2 desde os anos 80 e foi ver alguns shows nessa época."




Do site: http://rockline.mtv.uol.com.br

Nostalgia pura: 'U22' traz Bono cantando um trecho da canção "Party Girl"

A performance de "Moment Of Surrender' incluida em 'U22' foi gravada em um show na Australia em 2010, na turnê 360°.
Quando o U2 estava pronto pra tocar a música, alguns fãs mais saudosistas na frente do palco pediram pela canção "Party Girl", e isso é bem audível no CD. Bono então atendeu o pedido dos fãs e cantou duas linhas do início de "Party Girl".
'U22' não traz apenas 22 canções do U2 ao vivo, pois "Love Rescue Me" e "MLK" também estão presentes no álbum, além das duas citações à outras duas canções do U2: "Pride (In The Name Of Love)" e "Party Girl"; sem contar a faixa bonus track só disponibilizada digitalmente para os associados do site U2.COM: "Unknown Caller". 
Podemos então considerar o álbum como 'U27'!

O video "bobo, com qualidade Charlie Chaplin", utilizado nas turnês ZooTV e 360°

"Where The Streets Have No Name" foi tocada em todos os shows na turnê Zoo TV 1992-1993.
Os concertos desta turnê foram elaborados como espetáculos multimídia em que Bono realizava performances com uma variedade de personagens, mas no último ato do show, a banda tocava os grandes clássicos, incluindo "Where the Streets Have No Name".
Algumas dessas performances da canção foram acompanhadas por um vídeo nos telões com imagens do grupo no deserto, nas sessões de foto para 'The Joshua Tree'. O vídeo foi acelerado para dar um efeito bem humorado, e o NME descreveu como dando-lhe um efeito "bobo, com qualidade Charlie Chaplin" e Bono frequentemente reconhecia e acenava para seu eu mais jovem que aparecia nos telões.

Em 1987, foi lançado um video de promoção para o álbum, em que mostrava um trecho deste making of das sessões de foto no deserto para o álbum, trechos de faixas do disco e uma versão alternativa do videoclipe de "With Or Without You":

Celebrando os 20 anos das gravações de 'Achtung Baby' e da turnê 'ZooTV', o U2 ressuscitou este vídeo durante as apresentações nas pernas de 2010 e 2011 da turnê U2360°.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

O nascimento de 'The Fly'

O videoclipe de "The Fly" marcou a primeira aparição de Bono vestido de 'Fly'.Richie Smyth, o diretor do clipe, disse: "Começou com uma antiga jaqueta de couro sintético OXFAM. Bono à vestiu, passou os braços em torno dela e ela começou a descascar pedaços do couro. Ele disse: 'Olha, eu sou uma mosca."
Só quando os óculos de sol foram combinados com a jaqueta de couro preta, que a transformação foi completada.
Bono não foi o único à experimentar um novo tipo de moda. The Edge ali adotou o icônico gorro preto. Smyth também descreveu o novo visual do Edge: "Com The Edge foi uma vibe diferente, pois seus chapéus de vaqueiro simplesmente não iam combinar com o novo tipo de som do U2, e o gorro era mais fácil. Edge é um guerreiro - ele precisava de algo simples. Ele colocou o gorro e disse, 'OK, isso me classifica'. Eu acho que estavam apenas acontecendo para eles. Era tudo uma progressão natural à partir da música que haviam passado vários anos escrevendo e gravando."
A nova direção que o U2 estava tomando com sua aparência e som, ajudou Smyth à obter o desempenho que eles estavam procurando com o vídeo. Smyth foi capaz de captar o machismo agressivo da banda, misturado com confiança e astúcia que parecia vir naturalmente até eles. Ele disse: "A música está mais suja, mais rock n roll, ao contrário da vibe anterior rock, e seu desempenho foi uma expressão natural da música."
O video de "The Fly" também foi um prenúncio da turnê ZooTV, e Smyth estava lá para o nascimento da ZooTV. Ele explicou como tudo aconteceu: "tinha havido versões dela feitas anteriormente em uma escala muito menor na forma de Buzz TV. Havia toneladas de grandes idéias. Trabalhei com algumas pessoas no início da mixagem visual para o show. Outro diretor, Mark Pellington, veio até Dublin. Ele era a força criativa por trás da Buzz TV. Ele trouxe um monte de recursos visuais que ele chamou de Shash. Eu gravei um monte de merdas, como cruzes pegando fogo, etc.
Tivemos performances da banda e tudo, até bebês caindo de prédios. Houve uma grande noite no Windmill Lane Studios, onde, sob a direção de Mark, um grupo de pessoas colocou todas as filmagens para rodar em aparelhos BETA e sentamos em uma mesa analógica chamada Ace. Cada um de nós pegou uma máquina de loop de imagens específicas, como uma espécie de pré- cortes e um mixer na mesa. Então executamos as faixas para o show como VJs. Ficou muito legal, uma vez que todos tinhamos uma zona. Nós organizamos todas essas mixagens visuais. Ficamos a noite toda. Foi uma explosão. Eu acredito que este foi o momento em que a Zoo nasceu e a banda concebeu, mas naquela noite de ediçoes no Windmill Lane, nós demos a luz à Mark".
Smyth sente que o vídeo de "The Fly" video cresceu muito nas duas últimas décadas, e que não parece datado, mesmo com a banda sendo vista 20 anos mais jovem. Como acontece com qualquer gravação, ele disse que algumas grandiosas cenas foram deixadas no chão da sala de edição.

Platéia inclui 15 segundos de "Pride (In The Name Of Love)" em 'U22'

Depois de mais de trinta anos de carreira, o U2 finalmente lançou seu aguardado álbum duplo ao vivo ('Rattle And Hum', de 1988, não pode ser enquadrado nessa categoria por ser uma compilação de gravações de estúdio e performances ao vivo, e 'Under A Blood Red Sky' é um EP de 8 faixas).'U22' foi gravado durante a turnê U2360, onde de 46 músicas diferentes colocadas para votação, 22 delas foram escolhidas pelos fãs, e estão no álbum.
Um dos grandes hits do U2, a canção "Pride (In The Name Of Love)", não atingiu um número suficiente de votos para integrar a compilação. Mas os fãs que idolatram esta canção não precisam ficar tristes: um pequeno trecho da canção aparece no CD, sendo cantado em coro pela platéia, e não por Bono.
Vamos entender: uma das faixas escolhidas pelos fãs para estarem em 'U22', foi a dobradinha MLK / Walk On, gravada em um show na Croácia em 2009. Nesta apresentação, a canção tocada antes foi "Pride (In The Name Of Love)". Quando o U2 terminou de tocá-la e iria iniciar "MLK", o público ainda energizado, começou a cantar o coro clássico "Oh ohh ohh oh, oh ohh ohh o, oh ohh ohh oh, oh ohh ohh oh" de "Pride". E então isto aparece registrado em 'U22' por 15 segundos!

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Adam Clayton comenta sobre "One Tree Hill", "Beautiful Day" e "Elevation" na turnê 360º

Nota do encarte de 'U22': Nós devemos ter tocado "One Tree Hill" poucas vezes nesta turnê 360°, mas na comunidade de fãs eu sei que há pessoas que pensam haver versões ao vivo definitivas desta música. É uma melodia que te acerta entre os olhos e esta versão foi muito justa, com um grande solo de guitarra do Edge.

Para a geração de fãs da última década, "Beautiful Day" é uma de nossas músicas-assinaturas, embora eu sempre ache que o riff é um pouco difícil de tocar. É um tipo de harmonia rock que vai para outro lugar, uma canção muito positiva, com esse sentimento que as pessoas gostam no U2, esse sentimento otimista e alegre.

No decorrer da U2360° Tour, "Elevation" parecia tornar-se uma melodia maior do que nunca fora antes. Tornou-se uma daquelas músicas que temos, onde é como se você estivesse passando a bola para a platéia e eles então repassassem de volta pra você. Foi divertido e alegre.

Agradecimento pela tradução: U2 BR

Peter Rowen: de fotografado para a capa, à fotógrafo da capa



Da frente das lentes, para trás das lentes: 33 anos após estampar a capa do primeiro single do U2 (Three de 1979), Peter Rowen pela primeira vez é o responsável pela foto que estampa o álbum ao vivo do U2, distribuido para os assinantes do site U2.COM neste ano de 2012!
Quem não se lembra daquele olhar grande e espantado de uma criança nas capas dos álbuns "Boy" e "War", do U2?



Peter Rowen cresceu em Dublin e conheceu Bono porque o seu irmão mais velho (Guggi) o ajudava, quando ele ainda era conhecido como Paul Hewson.
"Bono vinha a nossa casa algumas vezes", afirmou Rowen ao "New York Post" certa vez. "O meu irmão mais velho, o Clive, diz que Bono costumava levar-nos para comer fora sandes de geléia. Lembro-me de Bono e a sua mulher Ali chegando mais tarde para o jantar de Domingo."
Rowen foi fotografado pela primeira vez para o EP "Three".

Voltaria a aparecer na versão européia de "Boy" e no terceiro álbum, "War", de 1983, além de alguns compactos.

"Para o álbum "War", eu fui falar com o fotógrafo Ian Finlay, na sua casa em Dun Laoghaire (nos subúrbios de Dublin). Lembro que a sua mulher fez uma sopa de que eu não gostei. Quando voltei à cidade, cruzei com o Bono"
A imagem correu o mundo e Rowen tornou-se uma pequena estrela. "Um dos meus irmãos mais velhos vivia em Londres na altura e achava formidável me ver em posters por todo o lado. Eu recebi telefonemas de meninas americanas. Nunca soube como tinham chegado ao número de telefone da minha família."
Aos 21, Rowen tornou-se fotógrafo e foi convidado por um jornal, em 2001, para cobrir um concerto do U2. Apesar de ter gravado a sua imagem nos discos de uma das bandas mais aplaudidas das últimas três décadas, Rowen garante que os seus irmãos e os seus amigos achavam mais graça do que ele. "O grande proveito que tirei dessas fotografias foi ter o meu irmão de 10 anos dizendo que achava o máximo."

Rowen ainda apareceu na capa de uma coletânea e um single do U2 no final da década de 90.



Peter Rowen escreveu em sua conta do Facebook em 6 de junho de 2012, que uma foto que ele tirou anos atrás em um show do U2 em Paris pela turnê 360°, estava sendo utilizada como banner do site oficial do U2. A foto original tirada por 'Radar' foi esta, que traz apenas Bono no palco segurando o microfone:

Esta foto sofreu uma edição, foi reeditada com a inclusão de Edge e sua guitarra, Adam e seu baixo e Larry tocando bongô, provavelmente tiradas em outros shows do U2. Foi tratada, aproximada, teve efeitos de luzes inseridos e assim, utilizada como a capa oficial de 'U22'!

Peter Rowen foi citado nas notas do encarte como o responsável pela foto da capa.

Brian Eno foi removido da capa de 'Medium, Rare & Remastered'

Em 2009, o U2 distribuiu para membros pagantes de seu site oficial, uma coletânea com sobras de estúdio e algumas raridades, intitulada 'Medium, Rare & Remastered'.
A arte da capa desta coletânea é uma foto inédita de 1995 tirada por Anton Corbijn, que não foi aproveitada para o projeto 'Passengers'. A foto original trazia o produtor musical do U2 Brian Eno, que também estava envolvido no projeto. Mas para a capa da coletânea, Brian Eno foi removido da foto, e só os quatro membros do U2 são vistos.
Confira uma outra foto desta mesma sessão, que foi divulgada na época, onde Brian Eno está presente:

terça-feira, 26 de junho de 2012

'U22' finalmente imortaliza uma das melhores versões ao vivo da canção "Beautiful Day", com a introdução "We Love You"

No ano de 2009, na parte européia da turnê 360°, o U2 utilizou uma nova introdução para a canção 'Beautiful Day'. Uma base pré gravada de um som celta, trazia um backing vocal feminino.
A intro ficou conhecida entre os fãs como 'We Love You'.
Nestes shows, Bono cantava 'we love you , nothing you can do', em cima desta base, antes da banda tocar os primeiros acordes de 'Beautiful Day'.
E então esta introdução despareceu dos shows da turnê até 2011, quando um trecho de 'We Love You' (somente o início da base com o canto feminino, sem Bono cantando junto o trecho 'we love you , nothing you can do'), foi utilizado na primeira noite de shows em São Paulo.
Agora, com o lançamento de 'U22', a banda finalmente lança oficialmente uma versão ao vivo de "Beautiful Day" contendo a intro "We Love You".
Esta versão foi gravada em Zagreb em agosto de 2009, e Bono fica declamando "Oh beautiful, oh dear, oh sweet freedom", para depois cantar 'we love you , we love you, nothing you can do'.
É sem dúvida, uma das melhores canções de 'U22'!

A canção do U2 que Simon Carmody ajudou à compor

"Smile" é um outtake do U2 das sessões de gravações do álbum de 2004, 'How To Dismantle An Atomic Bomb', que não foi aproveitada para o disco. Ela foi cortada do álbum na última hora.

A canção permaneceu inédita por pouquíssimo tempo, pois naquele mesmo ano o U2 teve toda sua obra digitalizada e à colocou para venda no serviço de venda de músicas por download, o 'Apple Itunes'.
O 'The Complete U2: Digital Box Set' continha todos os albuns e singles lançados pelo U2, além de um material extra muito interessante.
Um dos bônus desse pacote foi o album 'Unreleased And Rare'. O álbum trazia versões inéditas e alternativas de músicas do U2, algumas  já conhecidas pelos fãs e que nunca tinham sido lançadas em álbuns ou singles oficiais da banda, remixes e algumas músicas inéditas ou sobras de estúdio de sessões de gravações de álbuns anteriores.
Umas dessas músicas inéditas foi "Smile". Por ter sido lançada digitalmente, não se tinha informações adicionais dela naquele momento.
Dois anos depois, em 2006, a edição limitada da coletânea 'U218 Singles' incluiu um DVD ao vivo de dez canções gravadas durante a turnê Vertigo Tour em Milão, na Itália. "I Will Follow" foi lançada como faixa bônus nas edições do CD no Reino Unido e Austrália.
A versão deluxe no Reino Unido, Irlanda e Canadá no iTunes Store continha nove músicas ao vivo da edição limitada do DVD bônus como faixas de áudio em formato digital, bem como um digital booklet e uma faixa bônus, "Smile", para aqueles que compraram o álbum na pré venda. A versão deluxe americana do álbum no iTunes não vinha com o encarte digital, mas sim com "Smile" como faixa bônus, mesmo para quem não comprou na pré-venda.
Resumindo: novamente, "Smile" era lançada apenas em formato digital. Os fãs do U2 precisavam dela em algum formato físico.
No ano de 2009, 'Medium, Rare & Remastered', uma coletânea de músicas raras e remasterizadas, foi lançada exclusivamente para os assinantes do U2.com. O CD duplo apresenta faixas lançadas como parte do box set digital 'The Complete U2', algumas faixas novas dos discos bônus dos álbuns remasterizados,e alguns b-sides lançados em singles.
Finalmente, "Smile" era lançada em formato físico, e suas informações técnicas no encarte do álbum trazia uma surpresa: a letra da canção foi escrita pelo U2, em parceria com Simon Carmody.
Simon Carmody foi um membro do Lypton Village, um grupo de garotos de Dublin que saiam juntos durante toda a sua adolescência. Bono também foi membro da Village.
Carmody fazia parte da banda The Golden Horde, que gravou um single no selo do U2, Mother Records, em meados dos anos 80.
Bono e Simon Carmody também escreveram juntos a canção "Drinkin' In The Day", lançada em 1995 no álbum Dirty Rotten Shame, de Ronnie Drew.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

"All I Want Is You" aparece duas vezes em 'U22'

Com 'U22', o site oficial da banda ofereceu aos fãs a oportunidade de decidir quais músicas eles gostariam de ver no disco duplo ao vivo. Das 46 opções de faixas tocadas na turnê, 22 canções foram escolhidas pelos assinantes do site e preparadas.A canção "Bad" foi uma das mais votadas, e portanto incluida na listagem final do álbum. A versão escolhida pelos produtores e pelo U2, foi da performance em Roma em outubro de 2010, que traz também a banda tocando o primeiro verso da canção "All I Want Is You"; uma dobradinha que já tinha acontecido em outros shows do U2 na história.
Mas os fãs também escolheram para integrar a coletânea, uma performance completa de "All I Want Is You" do show de Sydney, onde a banda emenda a canção "Love Rescue Me". E esta performance foi sequenciada em 'U22' logo após "Bad".
Com isso, "All I Want Is You" é a única canção que aparece duas vezes ao vivo no álbum, e a sequência destas músicas ficou assim em 'U22': Bad (com um trecho de All I Want Is You) - All I Want Is You (Completa) - Love Rescue Me:



Curiosidade da introdução da canção "Zooropa" em 'U22'

É muito diferente ouvir um show ao vivo do U2 de uma transmissão de rádio ou um bootleg gravado em som ambiente, e depois ouvir uma gravação oficial mixada, editada, limpa. Todo este cuidadoso processo de mixagem e tratamento retira muitas imperfeições das faixas e deixa tudo mais nítido. E é assim que aparecem detalhes super interessantes, como acontece com a canção "Zooropa" no álbum ao vivo 'U22'.
A canção se inicia com diversas frases, por vozes masculinas e femininas, que dizem:
What are you thinking about? Is conflict inevitable? What difference does it make? What sort of democracy for what sort of world? Why did you hurt me? How can I have been so stupid? Why does it always take so long? Why do you put up with me? How do I know what's true? What the fuck? When will I know if I'm a good father? What are you afraid of? Was it worth it? Where is my mind? Is history bound to repeat itself? Do you still love me? Is there something I should know? Why is it so hard? What have I done to deserve this? Why must I always stand alone? Is anybody home? Can we make it work? Is love really all you need? What's going on? Will you ever be able to trust me again? Why do I have to tell you? Are we still on for Friday? What do you want? What do you want?
Where are you from? Who do you love? What do you want? What do you want? What do you want? What do you want? What do you want? How do you love? How do you love?


As frases ditas logo na introdução da canção estão muito claras neste álbum ao vivo, e algumas delas remetem à titulos de canções famosas de artistas e bandas do Pop e Rock Internacional!
Conheça agora algumas destas referências que aparecem na intro de "Zooropa":
What Have I Done To Deserve This - Pet Shop Boys
Where Is My Mind? - Pixies
All You Need Is Love- The Beatles
What Difference Does It Make - The Smiths
Is There Something I Should Know - Duran Duran
What's Going On - Marvin Gaye
Who Do You Love - The Doors
Why Did You Hurt Me - The Chayns

domingo, 24 de junho de 2012

Biografia: Thierry Noir



O francês Thierry Noir, que vive em Berlim desde o início dos anos 80, pintou dois dos Trabants (uma marca de automóvel da Alemanha Oriental), usados pelo U2 tanto nas turnês ZooTV e Zooropa, como também destacados nas capas de singles do álbum 'Achtung Baby', que inclui canções (como "Zoo Station") com temas inspirados na queda do Muro de Berlim e as mudanças que estavam ocorrendo na Europa no final da Guerra Fria.

Vários tipos exclusivos das figuras facilmente reconhecíveis da arte de Noir podem ser encontradas em sua pequena galeria na Nollendorfstrasse, em Berlim. Inclusive as artes feitas para o U2.

Thierry Noir nasceu em 1958 em Lyon, França. Ele foi para Berlim em janeiro de 1982 com duas malas pequenas, atraído pela música de David Bowie e Iggy Pop, e passou à viver na Berlim Ocidental neste momento. Em abril de 1984, Thierry Noir e Christophe Bouchet começaram a pintar o muro de Berlim. Ele é um artista na Galeria do Lado Leste, provavelmente a maior galeria a céu aberto do mundo.


Como o passar dos anos, as pinturas tomaram proporções fenomenais, que foram rapidamente reconhecidas pela comunidade internacional de artes. O objetivo não era enfeitar o muro, mas para desmistificá-la.
As pinturas de Thierry Noir se tornaram um símbolo da recém-descoberta liberdade após a reunificação da Alemanha e o fim da Guerra Fria.

sábado, 23 de junho de 2012

O cover de "Beautiful Day" pelo Shinedown e Papa Roach

Durante shows em 15 de dezembro de 2009 em Rockford, Illinois e 18 de dezembro em Biloxi, Mississippi, a banda americana Shinedown se juntou ao Papa Roach no palco para gravarem uma versão ao vivo de "Beautiful Day" do U2, para o álbum ao vivo do Papa Roach, que estava por vir.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Adam Clayton depõe contra ex-assistente por roubo

O baixista do U2, Adam Clayton, começou a depor nesta quinta-feira no julgamento contra sua ex-assistente pessoal Carol Hawkins, acusada de ter se apropriado de US$ 3,5 milhões das contas bancárias do reconhecido músico.
A ex-assistente pessoal de Clayton, que começou a trabalhar com o astro em 1992, enfrenta 184 acusações por supostamente ter roubado 181 cheques entre 2004 e 2008.

Segundo a acusação, Carol aplicou o dinheiro em uma conta bancária compartilhada com seu marido, que trabalhava para Clayton como motorista e cozinheiro, e utilizou para financiar um "luxuoso estilo de vida".Aparentemente, a acusada, que há 15 dias se declarou inocente de todas as acusações, fez inúmeros saques não autorizados até acumular um total de US$ 3,51 milhões. A cada movimentação, Carol retirava quantias que variam entre US$ 2.513 e US$ 389.552.
A ex-assistente pessoas do baixista do U2, que tem 48 anos e é mãe de dois filhos, escutou atentamente Clayton, enquanto este descrevia os detalhes de sua relação profissional e de suas contas bancárias, que, em alguns casos, trazia a própria Carol como titular.
Segundo as declarações de Clayton, Carol desempenhava suas tarefas como emprega de maneira "eficiente", já que compartilhava com seu marido um salário de aproximadamente 48 mil euros anuais.
O baixista relatou também que, em uma ocasião, Carol confessou ter reservado passagens de avião avaliadas entre 13 mil e 15 mil euros para levar seus filhos aos Estados Unidos e a Londres.
O músico reassumiu o controle de suas contas, mas ainda manteve Carol como sua empregada. "Ela tinha toda minha confiança. Trabalhamos juntos durante muito tempo", afirmou Clayton ao júri.
Em um momento de sua declaração, o músico, de 52 anos, chegou a brincar ao dizer que não estava acostumado a ficar de pé diante de um microfone.
"Sou mais de "dum, dum, dum", mas praticarei minha técnica", afirmou o baixista, que faz parte do U2 há 30 anos.


Do site: EXAME

Adam Clayton fala sobre as canções "Until The End Of The World", "I Still Haven't Found What I'm Looking For" e "Stay (Faraway So Close!)" na turnê 360°

Nota do encarte de 'U22': "Until The End Of The World" foi outra grande música de rock na turnê 360° e uma das minhas faixas favoritas. Tem estado no setlist desde a ZooTV Tour. Nós podemos ter tentado nos livrar dela, não tocá-la; mas é uma grande música que resolvemos trazer de volta. Eu às vezes cometo o erro de entrar no solo da guitarra como se fosse uma passagem fundamental, mas o Edge me perdoa... geralmente!
"I Still Haven't Found What I'm Looking For" é outra música que tem permanecido há muito tempo e onde as pessoas realmente se doam no refrão. Na versão que fizemos para a 360° foi o público que cantou o primeiro verso, que foi muito especial. Esta é uma daquelas músicas no show onde você sente que o público está subliminarmente esperando-a chegar, mas o que lhe dá força é que ela é uma cadeia musical muito simples, três instrumentos com aumento pequeno, criando um som que realmente atrai.

"Stay (Faraway So Close!)" esteve alternando com “Stuck In A Moment” até os últimos três meses da turnê. Outra harmonia muito musical, grandes melodias que mostram bem a voz do Bono com o violão.

"Breathe": a canção que teve 80 mixagens durante as gravações do álbum 'No Line On The Horizon'

A letra da canção "Breathe" do U2 detalha a irrupção do narrador da canção. "Ele é ouvido no meio de uma explosão e desabafo", disse Bono.Muitos dos riffs de guitarra foram influenciados por Jimmy Page do Led Zeppelin e Jack White do The White Stripes, que trabalhavam juntos na época com Edge, no documentário 'It Might Get Loud'.
O U2 trabalhou em uma versão da canção com os produtores Brian Eno e Daniel Lanois por um longo tempo, antes da banda desmantelar e recriar a faixa.
Brian Eno se referiu à versão demo de "Breathe" como uma de suas músicas favoritas do U2 de todos os tempos.
Depois de reescrever a música, o U2 pediu para Steve Lillywhite fazer a mixagem final.
Brian Eno estimou que a música foi remixada mais ou menos 80 vezes durante as sessões de gravação de 'No Line On The Horizon'.
Dois conjuntos de letras foram trabalhados durante as muitas encarnações da canção. A primeira versão foi escrita sobre Nelson Mandela, e o segunda versão foi "mais surreal e pessoal". A banda acabou decidindo utilizar esta segunda versão para a música.
Um trecho de um dos takes iniciais de "Breathe" foi registrado pelos fãs do lado de fora da casa de Bono durante as sessões de gravação do álbum, e apareceu na internet na época. Por ser desconhecida naquele momento, foi batizada pelos fãs de "Walk Out Into The Streets".
Bono observou que em "Breathe" o ouvinte é "logo ali no meio desta explosão".
The Edge descreve a perfomance ao vivo da música como " um rock ao vivo dos fodas".

quinta-feira, 21 de junho de 2012

The Edge fala sobre as visões distintas dos shows da turnê 360°

“As pessoas de dentro do círculo estavam nos vendo realmente de muito perto, provavelmente mais perto do que nunca antes, mas elas não tinham ideia do que o telão realmente estava fazendo. E então as pessoas que estavam lá no fundão viam esse show sensacional.” The Edge

Agradecimento pela tradução: U2 BR

U2 tocou "My Sweet Lord" na Elevation Tour em 2001

O U2 homenageou George Harrison cantando "My Sweet Lord", num concerto da Elevation Tour em Atlanta em 2001, logo após o Beatle falecer de câncer .
Bono, depois do concerto, num comunicado oficial disse que "a música de Harrison tinha um certo mistério" afirmando ainda que "George Harrison deu uma outra dimensão aos Beatles".

"My Sweet Lord" está no álbum triplo 'All Things Must Pass'.
 Trata, primariamente, do deus Hindu Krishna. 
Como ele mesmo explicou mais tarde, tentou mostrar que o Deus do oriente é o mesmo do ocidente, e que o mesmo sentimento que canta o louvor "Hare Krishna" anima o louvor Aleluia!, ou Ave Cristo!. Tentava mostrar a unidade religiosa presente na unidade musical. É uma canção de amor, que não tem a palavra amor na letra.

O mais discreto dos componentes do conjunto musical mais famoso da história da música pop morreu ontem em conseqüência de um câncer no cérebro aos 58 anos de idade.
O músico "se foi deste mundo como viveu, consciente da existência de Deus, sem medo da morte e em paz", declarou sua família, em um comunicado.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Adam Clayton comenta sobre "The Fly", "Mysterious Ways" e "Magnificent" na turnê 360°

Nota do encarte de 'U22': "The Fly" foi a música que tinha aparecido regularmente nas duas turnês anteriores mas não na 360° até o finalzinho, quando nós a trouxemos de volta tocando-a no Festival de Glastonbury. Fico interessado que as pessoas têm respondido tão fortemente a ela e é outro exemplo do quanto esta coleção não é algo que poderia ser previsto.
As pessoas dizem que "Mysterious Ways" é essencialmente o baixo e eu espero que estejam certas! Na época do lançamento do “Achtung Baby”, eu não me recordo dela ter uma grande harmonia, não do mesmo jeito que “Real Thing” e “The Fly” tornaram-se sucessos clubs, mas ela tinha uma grande ostentação e sendo tocada cedo no show foi uma grande oportunidade pra sair e percorrer esse enorme palco 360°.

É sensacional que uma faixa do último álbum seja tão popular, e particularmente como nós tocamos várias diferentes versões de "Magnificent", e mesmo parando de tocá-la até o final da turnê. É uma das minhas músicas favoritas, uma autêntica melodia do U2, mas atualizada, moderna e contemporânea. Ela caiu muito bem.

Agradecimento pela tradução: U2 Brasil

Richie Smyth e os preparativos para a gravação do videoclipe de "The Fly"

O U2 ainda estava no estúdio de gravação em 1991, quando os diretores Jon Klein e Richie Smyth recebeu o convite para dirigir o primeiro single do álbum 'Achtung Baby', "The Fly". O nova iorquino Jon Klein tinha a tarefa de filmar a parte de Londres, enquanto o dublinense Richie Smyth teve o desafio de filmar as cenas da performance da banda.
"The Fly", foi o terceiro vídeo de Smyth na sua carreira profissional. Começou como fotógrafo e sentiu que os videoclipes eram um passo natural. "Eu amava música, e a idéia de fazer imagens com a música parecia como uma idéia muito legal na época", disse Smyth.
O U2 chegou à ele, porque viram o seu segundo vídeo da carreira, "100 Boys," para o The Golden Horde e gostaram do que viram. Smyth disse: "É uma performnace de linha reta até a câmera de vídeo e eles estavam olhando para explorar esta direção. Eu recebi uma ligação e iniciei o processo. Eu era um de um grupo de diretores do lançamento. A banda estava olhando para tudo, desde o alto conceito para o desempenho em linha reta. O vídeo seria o carro-chefe para toda a turnê ZooTV, na medida em que definiria o estilo visual e tom. "Mal sabia Smyth que este vídeo seria mais do que apenas uma festa de debutante - era o início de todo o fenômeno ZooTV."
A escolha do U2 por Smyth tirou ele da cena local de Dublin, para o cenário mundial durante a noite, literalmente. Ele descreveu como o processo desafiou sua criatividade como diretor: "Criatividade não é algo que você pode aprender com alguém. Vem de dentro. E é uma besta diferente de um processo puro como pintar ou escrever um romance. Aqui você tem um cliente com uma agenda. Trabalhando com um desafio de uma banda, você eleva o seu processo criativo em vários níveis. Eles são tudo sobre a criatividade, mas há sempre um plano de marketing à espreita nas sombras. Com este tipo de trabalho que eu aprendi a não ser precioso demais com a minha idéia , que há sempre uma outra camada, se você cavar fundo e não ter medo disso. O truque é saber quando você tem isso e como parar. Além disso, como um diretor irlandês, que está sendo convidado para trabalhar para o U2, era como ser convidado à filmar um comercial da cerveja Guinness:. uma honra que você teve que viver. Provavelmente as duas melhores coisas que a Irlanda deu ao mundo, sem pressão, você sabe o que eu quero dizer".
Com isso em mente, Smyth aproveitou a ocasião para captar a transformação do U2 de banda séria dos anos 80, à pós-industrial, banda de rock irônica da nova década.
O U2 não tinha certeza do que as pessoas pensariam de sua nova aparência e som, mas Smyth acreditava que ia ser "fudidamente épico". Ele disse: "A banda foi apenas a dissolução do álbum, que era tão diferente, novo e excitante. Apenas as guitarras sozinhas tinha uma nova energia dark, e todos ligados ao processo foi movimentado sobre ele, sabíamos como isto era um grande passo para eles e foi contagiante."
Smyth foi trazido no início do processo de desenvolvimento do vídeo. Depois de lançando teve vários tratamentos, e a decisão foi feita em colaboração com a banda, para mesclar a performance gravada em Dublin, com os elementos de 'fly-on-the-wall' registrados em Londres. Em meados de setembro, a gravação do vídeo estava em pleno andamento em Dublin com um pano de fundo branco e iluminação que seria criar as sombras e a distorção que a música pedia. Smyth disse: "Foi um processo extremamente colaborativo. Os caras ficam realmente envolvidos. Eles empurram você muito além da linha na areia, só para ter certeza que terão o melhor. Então, de repente, acabou e eles estão felizes com o criativo. Uma vez que todos concordaram, eles lhe dão 110 por cento na gravação. Então é realmente uma ótima maneira de trabalhar e os 10 por cento extra é apenas para você fazer o que quiser. Na filmagem, eu tive The Edge se atirando contra uma parede enquanto tocava e dei à Bono uma lente de sonda médica, que é uma haste de metal longa e fina, com uma lente de fibra óptica pequena, e ele usou isso como um microfone para cantar. Eu acho que há apenas um take disto lá. Efetivamente, Bono poderia colocar a câmera dentro de sua boca e em seguida, puxar para revelar seu rosto. "A lente de fibra óptica permitiu, também, que todos possam ver o mundo através dos olhos da mosca."

terça-feira, 19 de junho de 2012

A performance de "One" com Bono e Damien Rice no Electric Burma Concert

Bono se apresentou ao vivo cantando algumas músicas durante o Electric Burma Concert. Com Damien Rice acompanhando no violão e no vocal, Bono cantou "One" e dedicou à The Edge, que perdeu sua mãe na semana passada:

Larry Mullen comenta sobre a sensação de abrir um show do U2 com um solo de bateria

Nota do encarte de 'U22', onde Larry comenta a sensação de abrir um show do U2 com um solo seu de bateria, com a canção "Breathe" na turnê 360°: “É sensacional caminhar em direção ao palco na abertura do show quando o público está esperando o Bono. Estive esperando por 35 anos para o meu primeiro solo de bateria. Não gostaria de estar segurando minha respiração (trocadilho com a canção "Breathe"), mas isso foi a coisa mais próxima.” Larry Mullen

Agradecimento pela tradução: U2 Brasil

Bono, o pacote de bolachas e o 'roubo' da máquina fotográfica

No dia 20 de fevereiro de 2006, o U2 fez a primeira de duas apresentações em São Paulo, pela turnê Vertigo.
No final da performance de "Until The End Of The World", uma garota que estava na Hot Area, perto da passarela, segurava para o alto uma bexiga presa em um pacote de bolachas, da marca 'Bono'.
Foi então que Bono pegou a bexiga, retirou o pacote de bolacha a abriu-o com os dentes, retirando uma das bolachas.A banda iniciou a canção "New Year's Day", e no vídeo (o show foi transmitido para todo o Brasil), dá pra ver Bono mordendo o biscoito, e sair caminhando e mastigando, até pegar um copo de água na frente da bateria de Larry Mullen!

Mais tarde, durante a performance de "With Or Without You", Bono escolheu uma fã para subir ao palco e dançar com ele. A fã (Katilce Miranda) estava com uma câmera fotográfica, e Bono pegou e colocou em seu bolso de trás da calça. A fã permaneceu no palco até o final da performance da canção, e quando deixou o palco, Bono esqueceu de devolver sua máquina.
O U2 saiu do palco e voltou para o último bis da noite, e após a performance de "All Because Of You", Bono foi até a passarela, próximo de onde a fã estava, e entregou a máquina para o segurança repassar para a garota!
Como o show foi transmitido com apenas alguns minutos de atraso pela Rede Globo de Televisão, minutos depois do acontecimento o perfil de Katilce foi revelado no site de relacionamentos Orkut, e o número de scraps (recados) cresceu vertiginosamente, com direito a xingamentos, congratulações e spams com propagandas de carros e outros objetos, chegando a marca de mais de 412.207 recados, em 2 dias. 

Bono entrega prêmio à Aung San Suu Kyi e canta no Electric Burma Concert

"Não há ninguém nesta ilha que não saiba o quanto a palavra liberdade é cara. Em como é difícil se viver para a palavra justiça. Em como a paz pode ser quixotesca. Depois de todos os anos de sua mágoa aberta em um espaço fechado, seu caminho percorrido há pouco lhe trouxe aqui para Dublin em uma luta grande por sua honra ... e nós amamos isso. '
No Electric Burma um evento especial no Grand Canal Theatre em Dublin, na noite de ontem, Bono apresentou Aung San Suu Kyi com "Embaixadora da Consciência" da Anistia Internacional . O prêmio foi anunciado originalmente durante o show do U2 no Croke Park em julho de 2009 - quando Aung ainda estava sob prisão domiciliar em Mianmar.
"A honra é só nossa por estarmos em sua presença.", disse. "Todos estão aqui para cantar para você esta noite, mas é sua música que todos querem ouvir. É sua música, e precisamos que toque no rádio em todo o mundo ... suas palavras ... sua melodia. É uma música atemporal, no entanto, é mais importante neste momento, do que nunca."
Respondendo ao prêmio Aung San Suu Kyi disse que era um lembrete do que havia sido feito: "Há 24 anos atrás lutando por meus direitos eu me entreguei, mas mas vocês me deram força para continuar. Aung descobriu o quanto as pessoas se importam na Irlanda, "Eu não esperava isso."
"Eu me sinto muito próximo a você. Os britânicos costumam se referir à Birmânia como os irlandeses do oriente. Nunca entendi muito bem o porquê. Alguns dizem que foi porque nunca lhes demos paz, nós éramos muito rebeldes e dizem que foi porque nossos homens eram como sua bebida e todos éramos um pouco supersticiosos.Por alguma razão esta noite me sinto orgulhoso de ser seu colega oriental - Estou muito feliz em ser o irlandês do oriente."
"Ao longo desses anos você, a Anistia Internacional e outras organizações nos ajudaram a manter nossa pequena chama de auto-respeito acesa. Você ajudou a nos mantermos iluminados. E esperamos que você esteja conosco nos próximos anos, se juntando a nós em nossos sonhos e não afastando seus olhos ou sua mente de nós,nos ajudando a ser o país onde a esperança e história se encontram."
Logo depois, Bono se apresentou ao vivo cantando algumas músicas durante o Electric Burma Concert. Com Damien Rice acompanhando no violão, Bono cantou "Walk On" e disse à platéia que Rice estava preenchendo a vaga de The Edge. 

Em seguida, cantou "One" e Bono dedicou à The Edge, que perdeu sua mãe na semana passada. O line-up de artistas do show, em seguida, entrou no palco para cantar "I Shall Be Released" e "Get Up Stand Up".


Dos sites: U2BR - ATU2

segunda-feira, 18 de junho de 2012

"Walk On" do U2 foi escrita sobre o ponto de vista de Michael Aris, marido de Aung San Suu Kyi

A Prêmio Nobel da Paz de Mianmar, Aung San Suu Kyi, e o cantor Bono uniram suas forças nesta segunda-feira enquanto o giro europeu da líder da oposição saiu do país do Nobel para a terra do U2.
Os dois passaram mais de uma hora respondendo questões em uma conferência de mediadores da paz em Oslo no fim do quarto dia da visita de Suu Kyi à Noruega. Depois os dois embarcaram juntos em um avião que os levou à capital da Irlanda, Dublin, para um concerto em sua homenagem.
Bono, que em 2000 escreveu o hit "Walk On" sobre o longo exílio de Suu Kyi de sua família e dedicou a turnê mundial do U2 em 2009 a ela, nunca a havia encontrado antes. Ele admitiu tê-la achado um pouco intimidante. "Eu sou um tiete", disse.
"Com Daw Suu, se tem a impressão de que a paz não é simplesmente a ausência de guerra ao nosso redor, e sim que a paz é a ausência da guerra em nós mesmos", acrescentou, usando a palavra que significa "tia" para se refereir a Suu Kyi.
Em retorno, Suu Kyi disse que Bono encontrou o tom certo em "Walk On", que foi escrita do ponto de vista de seu marido, Michael Aris, que não recebeu permissão de ver sua mulher de 1995 até sua morte por câncer, 1999.
"Gosto da música, porque se aproxima em muito de como sentia, e algo com o qual você tem de lidar", disse Suu Kyi, que completa 67 anos na terça-feira. "É bom quando você tem pessoas que te apoiam, quando há pessoas com compaixão e compreensão. Mas, no fim, são suas próprias pernas que têm de te fazer prosseguir."
Na Noruega, Suu Kyi fez dois discursos de aceitação por prêmios que recebeu há muito tempo — o Prêmio Nobel da Paz, em 1991, e o Prêmio Rafto, em 1990 — e deve receber mais honras que tiveram de ser proteladas em Dublin.
No concerto, Bono lhe entregará o principal prêmio da Anistia Internacional, o Embaixador de Consciência, que o cantor anunciou durante a turnê de 2009 em Dublin U2. Suu Kyi finalmente foi libertada de seus 15 anos de prisão domiciliar no ano seguinte.
Também no show em Dublin, a Nobel da Paz receberá um doutorado honorário da Trinity College Dublin. Posteriormente, em uma cerimônia a céu aberto, ela assinará a lista de honra se proclamando Freeman of Dublin, um título de honra que lhe foi concedido à revelia em 2000. Autoridades da Anistia também planejam lhe dar um bolo de aniversário e cantar em coro "Parabéns para Você".
Suu Kyi permanecerá seis horas na Irlanda antes de viajar para Londres para continuar sua viagem europeia, a primeira que faz desde 1988. A líder da oposição ficará durante quatro dias no Reino Unido, onde viveu, estudou e se casou antes de voltar a Mianmar.


Do site: IG

"Ele está um passo mais perto de saber"

"One Step Closer" é uma gravação do U2 de andamento lento, com as letras de Bono cenradas torno de imagens de tráfego.
Os "ruídos nebuloso" remetem aos trabalhos do U2 de meados da década de 80, com a participação condizente de Daniel Lanois.
"One Step Closer" teve início nas sessões do álbum 'All That You Can't Leave Behind' e foi revitalizada para o álbum seguinte, 'How To Dismantle An Atomic Bomb', e a canção traz Daniel Lanois introduzindo uma guitarra pedal steel, além de guitarras de The Edge e Bono, e influências musicais variando da música country do Velvet Underground.
Um dos takes registrados da canção teve mais de 15 minutos, com Bono adicionando diversos versos que foram posteriormente descartados para a versão final.
O produtor Jacknife Lee também contribuiu para a forma final da gravação.
"One Step Closer" foi batizada graças à Noel Gallagher. O título da canção vem de uma conversa que Bono teve com Noel Gallagher sobre a doença e morte de Bob Hewson. Bono perguntou: "Você acha que ele acredita em Deus?", e Noel Gallagher respondeu: "Bem, ele um passo mais perto de saber (one step closer to knowing)".


Adam Clayton fala sobre "Even Better Than The Real Thing" e "Zooropa" na turnê 360°


Nota do encarte de 'U22': "Even Better Than The Real Thing" esteve no show um pouco antes de se tornar a abertura, e após isso foi reinventada sonicamente para a turnê 360°. Declan Gaffney, que esteve no estúdio conosco para 'No Line On The Horizon', e depois juntou-se a nós na estrada, veio um dia e disse: “Olha isso!” Ele tinha descolado algumas barras em diferentes direções então a parte da bateria ficou diferente, e veio outra parte do riff e realmente rejuvenesceu-a. Com uma melodia como essa, você fica acostumado a ouvi-la de um jeito que fica difícil imaginá-la de uma maneira diferente e duro de bater a original. Mas Dec e Matt Paul colocaram um parafuso nela para torná-la mais anos 90 do que a original e surgiu uma versão única.

"Zooropa" foi outra canção que chegou tarde à turnê e foi um pouco atrevido apresentá-la dado que nós mal a tínhamos tocado antes – não por 17 anos desde a ZooTV Tour. Novamente foi Declan Gaffney que nos ajudou a colocá-la.



Agradecimento pela tradução: U2 Brasil

Após passar pela Tailândia, Aung San Suu Kyi dá início a tour pela Europa



Observada por Bono, a líder opositora de Mianmar, Aung San Suu Kyi, participa de coletiva de imprensa no Fórum de Oslo, na localidade de Losby Gods, localizada nos arredores da capital norueguesa.

A conferência internacional debate conflitos armados. Suu Kyi recebeu na sexta-feira o Prêmio Nobel da Paz de 1991, que ainda não havia recebido por ter passado duas décadas em prisão domiciliar.

Em 2000, o U2 fez uma canção em homenagem a Suu Kyi chamada "Walk On".


Do site: TERRA

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...