Anúncios

domingo, 31 de março de 2013

Adam Clayton em São Paulo prestigiando o Festival Lollapalooza

Adam Clayton, baixista do U2, está no Brasil novamente e quase passou despercebido no Festival Lollapalooza, neste domingo, 31, no Jockey Club, em São Paulo. O músico entrou e saiu de um camarote sem ser reconhecido pelo público.
Assim que o show do Pearl Jam começou, Clayton, que não estava acompanhado por seguranças, seguiu para o backstage, para assistir à apresentação da banda de pertinho.

Do site: http://ego.globo.com/

sábado, 30 de março de 2013

"American Prayer': segredos revelados

Partes da versão original da canção "American Prayer' foram gravadas em Los Angeles, Miami e Nova York. Ela tornou-se uma bola de neve de celebridades, quando Dave Stewart e Bono levaram a canção para Dr. Dre e Bruce Springsteen, com Aaron Lewis do Staind acrescentando vocais antes que a canção fosse para o The Hit Factory em Nova York, onde Pharrell Williams, Youssou N'Dour, Jennifer Lopez, Beyoncé, Luther Vandross (cantando as palavras "Remember me", pouco antes de ter um acidente vascular cerebral que encerrou sua carreira de cantor) e Oprah Winfrey, contribuíram para a música. A canção teve diversas versões de trabalho. O Timbaland chegou à participar das gravações também.
Apesar do poder das estrelas envolvido na criação desta canção, ela nunca foi lançada em sua versão original de estúdio. A primeira vez que a música foi tocada ao vivo foi em 29 de novembro de 2003 no concerto de caridade 46664 de Nelson Mandela na cidade do cabo, África do Sul, quando Stewart, Bono, The Edge e Beyoncé cantaram a música.

sexta-feira, 29 de março de 2013

3 turnês do U2 estão entre as 10 maiores de todos os tempos

O blog Superlistas do site Super Interessante, relembra as 10 maiores turnês musicais com maior público de todos os tempos. E adivinha qual banda está presente 3 vezes? Novidade né? Vamos lá:

1° Lugar: U2360° Tour

Público: 7.272.046
Número de shows: 110
Bilheteria: 736.421.584 dólares
Entre os anos de 2009 e 2011, a banda irlandesa U2 visitou os quatro cantos do mundo. As apresentações da turnê aconteceram em 30 países localizados nos 5 continentes e renderam ao grupo o recorde de bilheteria e público.

4° Lugar: Zoo TV Tour

Público: 5.350.554
Número de shows: 157
Bilheteria: 151.000.000 de dólares
Os irlandeses novamente. Entre 1992 e 1993, o U2 foi para os palcos divulgar o álbum Achtung Baby. A turnê tinha como conceito o efeito entorpecedor dos meios de comunicação de massa.

7° Lugar: Vertigo Tour

Público: 4.619.021
Número de shows: 131
Bilheteria: 389.047.636 de dólares
Recordista de recordes, o U2 sabe mesmo como atrair multidões. A Vertigo Tour, de 2005 e 2006, foi registrada em três filmes-concerto: Vertigo 2005: Live from Chicago, Vertigo: Live from Milan, e U2 3D - um dos primeiros filmes live-action em 3D.

Confira a lista completa CLICANDO AQUI

Poster do U2 em cenário do filme 'O Tiro Que Não Saiu Pela Culatra'

No filme 'O Tiro Que Não Saiu Pela Culatra' (Parenthood - 1989), os Buckman formam uma família moderna, encarando o dilema de como educar os filhos no caminho certo. No meio da tempestade está Gil (Steve Martin), que luta para manter seu senso de humor único enquanto tenta conservar uma carreira de sucesso e ser um marido e pai amoroso ao mesmo tempo. Simultaneamente, Gil e o resto dos Buckman descobrem que ser uma família perfeita quase sempre quer dizer 'deixe as crianças seguirem seu caminho'. Mary Steenburgen, Rick Moranis, Tom Hulce, Jason Robards e Dianne Wiest adicionam interpretações vibrantes a esta calorosa comédia queo Gannett Newspaper chamou de uma divertida e tocante experiência que vai te emocionar.
Em uma cena no quarto de Julie Lampkin (Martha Plimpton), podemos ver um poster do U2 na parede, da fase 'War'!

quinta-feira, 28 de março de 2013

U2 ajudou Dave Stewart à finalizar canção escrita por ele e Bono

"American Prayer" começou como uma canção chamada "46664", que o ex-Eurythmics Dave Stewart, escreveu com Joe Strummer, do The Clash, para ajudar nos esforços humanitários de Nelson Mandela na África. 46664 era o número do uniforme e da prisão de Mandela, e também o nome de sua fundação.
Depois de Strummer falecer repentinamente em dezembro de 2002, Stewart levou a música até o U2, reescreveu a letra com o Bono e a banda ajudou eles à finalizarem a faixa. No 'The Dave Stewart Songbook' de 2008, Stewart explica que Bono telefonou pra ele no meio da noite e "estava muito animado e falando em um fluxo misto de poesia e fluxo de consciência sobre a história africana".
Stewart colocou Bono em viva-voz, pegou seu violão, e gravou a conversa em uma câmera de vídeo. Stewart disse: "Bono foi elaborando as palavras de uma forma que faria as pessoas pensarem sobre o fato de que a América como um conceito, o alicerce da igualdade, foi uma idéia verdadeiramente grande. Mas algo tinha se perdido ao longo do caminho. Alguma coisa foi por água abaixo. Bono disse em uma entrevista não muito tempo depois que começamos a escrever a música, que ele estava escrevendo-a como "uma pessoa que redescobriu a poesia da Declaração de Independência e da verdade tensa da Constituição."

O concerto gratuito em que o U2 pegou emprestado equipamentos da banda Grateful Dead e que causou problemas à Bono por vandalismo

No calor do momento, em novembro de 1987, o U2 decidiu fazer um show no improviso no meio do distrito financeiro de São Francisco. Cerca de 20.000 pessoas compareceram logo após o almoço para ver o U2 tocar em um concerto gratuito. O lendário promoter Bill Graham ajudou a organizar o concerto em menos de um dia, e pegou emprestado equipamentos do Grateful Dead para o show. Phil Joanou operou uma única câmera que forneceu as imagens do show para o filme 'Rattle And Hum', e Jimmie Iovine gravou o áudio do show.
Bono anunciou: "Como o setor empresarial está tendo problemas tão grandes, nós decidimos fazer o concerto 'Save the Yuppie'", referindo-se à queda da bolsa no dia anterior. Abrindo com um cover de Bob Dylan, "All Along The Watchtower", que eles haviam tocado apenas uma vez antes (em Londres, 1981). Bono improvisou a linha "tudo o que tenho é uma guitarra vermelha, três acordes e a verdade. Tudo o que tenho é uma guitarra vermelha , o resto é com você."
Durante "Sunday Bloody Sunday", ele vê alguém acenando com uma bandeira irlandesa "SF U2" escrito nela. Ele pergunta para o cara se 'SF' é o nome de uma menina ou se ele representa o Sinn Fein, braço político do IRA. "Eu não sei como você pode ficar de pé ou tem estômago para assinar isto". Bono então repreende o cara sobre as atrocidades do IRA em Enniskillen que aconteceram quatro dias antes. Embora a raiva seja combustível para Bono na versão explosiva da música, o sentimento geral entre a multidão é que sua indignação foi equivocada, já que era tão óbvio que 'SF' significa 'São Francisco'.
O incidente é logo esquecido quando a banda continua o seu set habitual e Bono interage com a multidão. "Como você sabe, isso é realmente uma maratona", brinca ele antes de "Out Of Control". "Estamos levantando dinheiro para o setor de negócios aqui. Eu estou usando o chapéu, porque eu vou estar passando ao redor mais tarde." Ele anuncia "People Get Ready", como uma canção que Deus co-escreveu com Curtis Mayfield. "Silver And Gold" é estendida com um longo discurso sobre o que levou Bono à escrevê-la. Durante "Pride" (e não "All Along The Watchtower" como feita na edição do filme 'Rattle And Hum'), ele corre para a Fonte Vaillancourt e sobe por uma escada para pulverizar tinta spray na estátua "Rock And Roll Stops The Traffic" (Rock And Roll Pára O Tráfego), como um reconhecimento do poder do rock and roll.
A pichação de Bono com o spray não caiu bem com as autoridades locais. A prefeita de São Francisco Diane Feinstein havia travado uma guerra contra os grafiteiros há anos, e condenou as ações de Bono. Ela afirmou: "Lamento que uma estrela do rock que é suposto ser um modelo para os jovens, escolheu vandalizar o trabalho de outro artista".
A polícia de São Francisco tinha em mãos uma acusação contra Bono de contravenção de ações maliciosas. Mesmo o prefeito de Dublin teceu críticas às ações de Bono. O pai de Bono, Bob Hewson, comentou em jornais irlandeses que seu filho "merecia qualquer coisa que o condene".
Bono disse que sua ação foi uma expressão artística e nada mais. Em público, ele pediu desculpas e pagou a conta para ter a estátua limpa novamente. A organização do U2 tentou convencer as autoridades de que não foi um ato deliberado de vandalismo. Uma semana mais tarde, todas as acusações foram descartadas quando a polícia percebeu que a coisa toda explodiu em enorme proporção.
Alguns dias depois, a banda estava tocando em Oakland em um show da turnê Joshua Tree, e Bono disse ao público: "Como vocês sabem, eu tenho passado por algumas dificuldades aqui em São Francisco. Um policial me ligou no meu quarto de hotel. Ele disse que estava coletando evidências sobre um "ato de violência" na Fonte Vaillancourt. Eles disseram: "Sr. Hewson, levamos muito a sério essa coisa nesta cidade." Eu disse que levava muito a sério também, mas ele tinha pego uma banda de rock and roll. Eu quero dizer, isso é U2. Nós somos o Batman e Robin do rock and roll, pelo amor de Deus. De qualquer forma, eu acho que deveria ser explicado que há uma grande diferença, porque o próprio Armand Vaillancourt tinha pintado com spray sua própria escultura alguns anos antes, quando ele inaugurou. Quero dizer, nós fizemos um show gratuito para a cidade de São Francisco, eu quero dizer...". Bono parecia perturbado com todo o assunto, e queria provar sua inocência. Ele havia convidado o artista em questão, Armand Vaillancourt, por todo o caminho de Quebec até o palco, para explicar o que ele achava de Bono pulverizando sua estátua com spray. Armand, andando com muletas, declarou que ele estava contente de estar ali, e que ele lamentava que o graffiti de Bono foi lavado de seu trabalho. Apenas para o registro, Bono pediu desculpas a Armand e oferece-o a igualar o placar. Ele deu para Armand uma lata de spray para ele grafitar o palco do U2. Ele então escreve: "Stop The Madness!" (Pare Com A Loucura).
Na noite seguinte, no mesmo local, Bono apresenta René Castro, um artista de mural que ele conheceu em São Francisco durante a turnê da Anistia Internacional. Ele veio acompanhado no palco com seu grupo de 20 artistas de uma comunidade chamada 'Placa', e eles foram convidados à utilizarem tinta spray no pano de fundo do palco. "E, com alguma sorte, seremos capazes de mostrar à prefeita Feinstein a diferença entre um ato de vandalismo e a arte do graffiti", Bono desabafou.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Poster do U2 em cena do filme 'Quase Igual Aos Outros'

No filme de 1985 'Quase Igual Aos Outros' (Just One Of The Guys), Terry Griffith (Joyce Hyser) está determinada a ganhar o concurso de jornalismo da escola para provar que uma garota bonita pode ser capaz e inteligente. Para ser levada a sério, ela se veste de homem e decide matricular-se em uma nova escola até que os resultados do concurso sejam anunciados.
Em uma cena no quarto do irmão dela, que é cheio de posters e revistas Playboy, há um poster do U2 da fase 'War'.
Quem nos informa sobre isso é o fã do U2 e seguidor do blog, Ricardo Rocha!

Pinus Promoções quase trouxe o U2 para se apresentar no Brasil pela primeira vez no ano de 1987

Os empresários brasileiros, no ano de 1986, começaram à entrar (finalmente!) em contato com a realidade do showbiz internacional, ou seja, a produção exigida pelos grupos estrangeiros para se apresentar no Brasil. Como já era de se esperar, todos profissionalíssimos e pensando nos mínimos detalhes.
A Pinus Promoções - uma agência de eventos de São Paulo que existia naquela época, estava tentando trazer o U2 para um show em 1987 (The Joshua Tree no Brasil). Assim que os contatos foram feitos, o escritório inglês do grupo mandou um grosso bloco de exigências, dividido em nada menos que cinqüenta itens. Para se ter uma idéia, segue a relação de alimentos e bebidas que deveriam aguardar os quatro irlandeses e sua equipe nos camarins: três qualidades de sopa (não poderia ser de pacotinho), café, chá, mel, limão, cerveja Budweiser ou Heineken, vinho branco e tinto (de boa qualidade), champanhe (de boa qualidade), frutas da estação, carne assada, saladas, queijos variados, balde de gelo para as bebidas e um balde maior para que Larry Mullen pudesse refrescar as mãos após o show.
Quanto ao jantar, exigiram uma sala "limpa e confortável, com as mesas cobertas". E, depois das saladas, deveriam ser servidas carnes "cozidas de modo a não modificar seu sabor".

terça-feira, 26 de março de 2013

Poster do U2 é visto em cena do filme 'Uma Babá Quase Perfeita'

O fã do U2 e seguidor do blog, Ricardo Rocha, é quem nos informa: no filme 'Uma Babá Quase Perfeita' (Mrs. Doubtfire) de 1993, rapidamente pode ser visto no quarto de Lydia Hillard (a filha mais velha de Robin Williams no filme), um poster sépia-colorido do U2 da fase 'Achtung Baby'.
No filme, Daniel Hillard (Robin Williams) está passando por uma fase complicada, acaba de se separar de Miranda (Sally Field) e perdeu o seu emprego. Impedido pela ex-esposa de passar mais tempo com os filhos, ele tem uma idéia inusitada para recuperar a relação com as crianças. Daniel veste-se como uma senhora idosa escocesa e tenta conseguir o cargo de babá no seu antigo lar.

O produtor que não quis trabalhar com Bono

Em uma matéria com Bono na revista Hot Press em julho de 1983, foi ventilado o nome de Conny Plank como possível produtor de um próximo disco do U2.
Um colega britânico, mais ou menos nesta mesma época, apresenta à um produtor alemão, uma banda de Dublin, Irlanda. O britânico está convencido de que o alemão é o homem certo para produzir o próximo álbum desta banda. No entanto, depois de um breve encontro com a banda, o alemão chega a uma conclusão completamente diferente. "Eu não posso trabalhar com aquele cantor", diz ele, recusando o trabalho. "Aquele cantor" era Bono, a banda de Dublin era o U2, o álbum era 'The Unforgettable Fire', o produtor britânico era Brian Eno e Conny Plank o produtor alemão. Esta história é típica de Conny Plank. Seus contemporâneos o descrevem como um produtor extremamente amável, mas ele poderia rapidamente esquecer todas graciosidades quando se tratava de questões como a ética do trabalho e da ignorância da mídia e da indústria da música.
Ele explicou o seu raciocínio para recusar a oferta de produzir um disco do U2: "Por metade do ano agora eu estive em condições de produzir apenas o que eu quero produzir pela primeira vez. Então agora eu posso recusar trabalhos de produção que seriam muito lucrativos se eu não quero fazê-los. Eu já fiz isso duas vezes nos últimos seis meses."
Stephan, filho de Conny, comentou sobre a possível causa disto: "Eu era muito jovem quando isso aconteceu, mas eu sei qual foi a história", disse Stephan. "Eles estavam em nosso estúdio, sentados na nossa cozinha, falando sobre a produção. Meu pai disse: "Bem, eu vou pensar sobre isso." Em seguida, a banda tocou em um festival, e Bono subiu ao palco e disse: "Olá, nós somos o U2, por favor, dêem uma grande salva de palmas para o nosso novo produtor, Conny Plank." E foi aí que meu pai decidiu sair. Mas eu não tenho certeza se essa história é verdadeira, é a forma como me foi dito isso. Há uma série de histórias verídicas e lendas sobre o meu pai."
Conny Park faleceu pouco tempo depois do U2 lançar seu álbum mais aclamado, 'The Joshua Tree', em 1987.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Na letra de "Running To Stand Still" há uma canção de ninar para uma garota desesperada

Na canção "Running To Stand Still" do U2, há uma linha que diz "Singing ah, a la la la de day, a la la la de day a la la de day". É como uma canção de ninar para uma garota em apuros, desesperada.
Mas também um trecho mostra o testemunho de sua força: "você precisa chorar sem derramar lágrimas, falar sem palavras, gritar sem elevar sua voz". Isto porque ela acordou pensando: "eu tenho que fazer alguma coisa sobre onde estamos indo".
Em canções de ninar, as pessoas entoam para fazer as crianças dormirem. Normalmente os temas das cantigas são temas religiosos como anjos, pais ausentes, entidades míticas do sono e entidades assustadoras de crianças.

Após 'Rattle And Hum', o U2 precisou dar um tempo para restabelecer o equilíbrio

"Bono e eu nos conhecemos BB King em Dublin", disse The Edge. "BB disse: 'Hey vocês devem escrever uma canção para mim." Nós dissemos: 'Ah, sim'. Eu pensei que era improvável, mas um tempo depois Bono disse: 'Lembra, BB King? Bem, eu fiz essa música e ela é muito boa.' Nós gostamos tanto de "When Love Comes To Town" que decidimos usá-la no álbum 'Rattle And Hum' e pedimos para BB para ele se juntar à nós".
"O filme 'Rattle And Hum' filme nos deu um pouco de medo. Começamos com a idéia de fazer um pequeno filme e nós se envolvemos com os estúdios de Hollywood, orçamentos e campanhas promocionais. Ele estava ficando muito grande. Nós nos sentimos como caricaturas de nós mesmos. Houve alguns momentos engraçados, como, a escolta policial pelas ruas de Barcelona, antes e depois de acontecer a premiere espanhola. Os policiais de moto estavam indo tão rápido e, obviamente, adorando, enquanto o nosso motorista suando ia passando por centímetros através dos carros estacionado. Olhei para Bono e nós dois sabíamos que tudo tinha ido um pouco longe demais. Então deixamos o palco do The Point, em Dublin, na noite de 31 de dezembro de 1989, e saimos para conscientemente restabelecer o equilíbrio."

domingo, 24 de março de 2013

O cervo no videoclipe de "Electrical Storm" do U2

No videoclipe de "Electrical Storm" do U2, há uma cena em que aparece um cervo (veado). Esta cena no video teve uma edição e um tratamento para o cervo parecer algo "mágico".
O diretor Anton Corbijn comentou no booklet do DVD 'The Best Of 1990-2000' que aquilo simbolizava a "inocência, sexualidade e presságio".
Simbolicamente, o cervo, assim como os animais que a ele se assemelham, como o gamo, o alce e a gazela, é um símbolo de pureza primordial, de liberdade, de fecundidade e de vida. O cervo está associado à renovação cíclica e aos renascimentos do Universo, do Sol ou do Homem. O cervo é também aquele que conduz para a luz divina e, por essa razão, um revelador e um mediador entre o Céu e a Terra.
A simbologia do cervo está presente tanto nas representações cristãs como nas tradições muçulmanas, orientais e do Novo Mundo. As suas hastes são muitas vezes associadas à Árvore da Vida.
Ao cervo está também associada a ideia de liberdade e velocidade. Na Bíblia, os cervos são muitas vezes associados às gazelas, e simbolizam as qualidades de Cristo.

sábado, 23 de março de 2013

U2 recebeu canção de Bono com incerteza e desconfiança

The Edge, 1998: ""Silver And Gold" surgiu da humilhação. Bono visitou os Rolling Stones no trabalho em um estúdio de Nova York. Eles começaram uma jam de blues e afavelmente convidaram Bono para participar. Mas ele não podia. Ele não conhecia as músicas. Envergonhado, Bono voltou para seu hotel e escreveu "Silver And Gold". Quando ele gravou, Keith Richards e Ron Wood o apoiaram na acústica, com Keith usando a alça de seu canivete como um slide. "Eu estava tão doente de blues branco", Edge ri. "Então, como U2, nos aproximamos de "Silver And Gold" com incerteza e desconfiança, mas nós encontramos o nosso próprio caminho para ela".

sexta-feira, 22 de março de 2013

Garota de 17 anos é sequestrada após mentir para o pai para poder acompanhar turnê do U2 na Europa

Mas fiquem tranquilos, que isto não é uma história verídica! No filme Busca Implacável (Taken), Liam Neeson é Bryan Mills, um ex-agente da CIA que se vê numa grande enrascada depois que sua filha de 17 anos, Kim (Maggie Grace), é sequestrada.
Ele ganha a vida como segurança e a garota vive com a mãe e o padrasto. Ela quer passar férias na Europa, acompanhando a turnê do U2, mas como sabe que o pai não consentirá, mente e diz que irá apenas para Paris.

Ao desembarcar na capital francesa, Kim e uma amiga acabam sequestradas por uma quadrilha. Mas, antes de ser levada, a menina consegue telefonar para o pai e lhe passa pistas valiosas.
Com a experiência adquirida na CIA, o serviço de espionagem americano, Bryan parte para a França em busca da filha. Lá, com a ajuda de antigos colegas do serviço de espionagem, descobre que a moça foi capturada por albaneses que lucram com o tráfico de mulheres para prostituição. Ele terá apenas 96 horas para recuperar Kim.

A atriz Maggie Grace ficou muito conhecida e sua carreira deslanchou após interpretar Shannon Rutherford na série de televisão Lost.


Xanax e Vinho Tinto

O álbum 'How To Dismantle An Atomic Bomb' do U2 foi finalizado no primeiro fim de semana de julho de 2004. A banda gravou uma nova canção na segunda última noite no estúdio, que acabou como faixa bônus na Grã–Bretanha e no Japão. Eles tinham uma espécie de faixa eletrônica chamada "Xanax And Red Wine" que incluía a linha ‘how to dismantle an atomic bomb’. Fizeram algumas versões dela, mas não conseguiram unir tudo em uma música só. Bono queria que aquela composição fosse para o álbum, mas eles não tinham muito tempo, então surgiu a idéia de começar um esboço, tocá–la novamente com um arranjo esparso e adaptar melodias e composições para que coubessem naquele novo formato. Isto se tornou aquela faixa bônus chamada "Fast Cars" e realmente fez com que terminassem aquelas sessões com uma nota alta.
O U2 acabou lançando posteriormente uma das versões desta faixa eletrônica inédita. Mas o título foi modificado para "Xanax And Wine". Ela pode ser encontrada no álbum digital 'Unreleased And Rare'.

Xanax é o melhor antidepressivo que oferece alívio a curto prazo e prescrito principalmente para condições como transtornos de ansiedade, transtornos graves de pânico e ansiedade causada por depressão. É por vezes também prescrito para tratar a retirada do álcool, medos excessivos, síndrome de intestino irritável e síndrome pré-menstrual. O nome genérico do Xanax é Alprazolam.
Algumas pessoas dizem que 2mg de Xanax e meia garrafa de vinho tinto é uma combinação divina, que causa sensações ótimas. Mas o Xanax vem com uma etiqueta de advertência contra beber álcool enquanto estiver tomando-o. Isto é porque o álcool, outro sedativo, combinado com Xanax pode produzir uma série de efeitos secundários que ameaçam a vida. Ou seja, Xanax e vinho tinto pode ser uma combinação perigosa.

The Edge se arrependeu de não ter incluido a canção "The Sweetest Thing" no álbum 'The Joshua Tree'

A primeira gravação de "The Sweetest Thing" foi descartada de 'The Joshua Tree' em 1987. Para Bono, "The Sweetest Thing" representou um novo ponto de partida para as dores reveladora do amor. Próxima parada, luxúria e todos os tipos de perversidade. Para compensar a injustiça de 1987, a canção fez uma dupla reaparição na coletânea 'The Best Of 1980 - 1990', com a versão original de 1987 e uma regravação de 1998. "Bono escreveu-a como um presente de aniversário para Ali (sua esposa)", explica Edge. "Quando gravamos 'The Joshua Tree' gostamos dela, mas era a sua canção particular, então era diferente do resto e do propósito do álbum. Depois que lançamos o disco, eu percebi que deveria ter entrado no álbum."

quinta-feira, 21 de março de 2013

Novo álbum do U2 com produção de Brian Burton deve ser lançado entre setembro e novembro deste ano

O novo álbum do U2 deve ser lançado ainda este ano. Em entrevista à Hot Press, Adam Clayton disse que o lançamento "deve acontecer até o fim do ano, entre setembro e novembro".
O músico confirmou que o produtor deste novo disco será Brian Burton (Danger Mouse), que já trabalhou com Norah Jones e The Black Keys. Sobre o processo de gravação, Adam Clayton disse que há muita coisa desenvolvida. "Temos uma abundância de material. Poderíamos gravar vários discos, que ainda seria justificável para nós, mas para gravarmos o melhor álbum, nós temos que nos distanciar do que é fácil. Estamos tentando sair da zona de conforto".

Do site: Omelete

A origem do título "Full Metal Jacket", canção que surgiu nas gravações de 'How To Dismantle An Atomic Bomb'

Durante as sessões de gravação de 'How To Dismantle An Atomic Bomb' do U2, "Vertigo" foi originalmente gravada como uma canção chamada "Full Metal Jacket".
O título de trabalho da canção do U2 se refere aos projéteis FMJ (Full Metal Jacket - Jaqueta totalmente de metal), que é um tipo de munição militar, em que o projétil de chumbo é "encamisado" por uma liga metálica mais resistente de cobre ou aço, proporcionando aumento da sua capacidade de penetração.
Ao que parece mesmo, a canção "Full Metal Jacket" então era algo pesado, já que integrantes do U2 confirmaram: "Ela é a mais brutal, a mãe de todas as músicas rock´n´roll. Não sei de onde veio mas é uma guitarra extraordinária. Você ouve - é uma razão pra se fazer um disco - essa música é boa assim!"

The Edge comenta sobre duas escolhas do U2 para a coletânea 'The Best Of 1980-1990'

Depois de "Sunday Bloody Sunday", a moralidade política tornou-se um grampo para o U2, ajustando as suas preocupações religiosas. Eles dedicaram "Pride (In The Name Of Love)" à Martin Luther King. The Edge comentou: "Por causa da situação no nosso país, a luta não-violenta era um conceito muito inspirador. Mesmo assim, quando Bono me disse que queria escrever sobre King, no começo eu disse: "Uau, não é sobre isso que é." Então ele entrou e cantou a música e me senti bem! Foi ótimo! Quando isso acontece, não há argumento. Apenas foi".
""Bad" é sobre um cara que sabia que terminaria de uma maneira ruim por causa do vício em heroína", disse Edge. "Bono conhecia a família, ele conversou com os irmãos sobre o assunto. Aquilo era novo para ele como letrista, escrevendo na primeira pessoa do ponto de vista de outra pessoa, eu não acho que já existiu uma canção sobre o vício que captura o sentimento de forma tão vívida."
O U2 escreveu "Bad" à partir do zero no estúdio com o novo produtor da banda, Brian Eno. Foi uma resposta clara da banda que prova que ambas as partes chegaram à uma apreensão inicial sobre como trabalhar juntos. "Nós queríamos trabalhar com ele por um bom tempo", disse Edge. "Mas foi difícil convencê-lo. Acho que ele ficou intimidado com a falta de ironia no que estávamos fazendo. Ele vinha de Talking Heads, da Rhode Island School de Design, vivendo em Nova York, e aqui em Dublin encontrou uma banda irlandesa batendo em tudo por completo, completamente séria, corações na manga, sem qualquer ironia."

quarta-feira, 20 de março de 2013

Dissecando 'Duals'

'Dual's é uma coletânea musical com colaborações que o U2 fez em suas três décadas de existência. Em 7 de fevereiro de 2011, a banda divulgou a lista oficial das canções, em um álbum exclusivo aos fãs e assinantes do site oficial U2.com. O álbum foi lançado em 5 de maio de 2011.
'Duals' inclui quinze faixas. A faixa de abertura "Where The Streets Have No Name" foi retirada da apresentação no DVD 'U2 360° At The Rose Bowl', mas com uma edição em estúdio e adição do coral Soweto Gospel Choir. O mesmo acontece com a última faixa desta coletânea, "Amazing Grace".
Lançada originalmente em 'Zooropa', existindo também uma segunda versão da canção, lançada na trilha sonora do filme 'Faraway, So Close!', de Wim Wenders; "The Wanderer" é outra canção presente em 'Duals'. Entretanto, a versão original foi usada na coletânea, com a diferença de que a versão em 'Duals' não contém o alarme tocando.
"Falling At Your Feet" foi tirada da trilha sonora do filme escrito por Bono, 'The Million Dollar Hotel', com participação de Daniel Lanois. Foi escrita e executada por Bono e Lanois.
Sob o pseudônimo de 'Passengers', no álbum 'Original Soundtracks 1', a canção "Miss Sarajevo" foi produzida por Brian Eno e escrita pelo U2, tendo como participação o ex-cantor de ópera italiano Luciano Pavarotti.
"Slow Dancing" é uma canção country escrita por Bono e Willie Nelson em 1989, sendo lançada em 1993 como B-side no single "Stay (Faraway, So Close!)" do U2, apesar de ser uma faixa apenas de Bono e The Edge. Entretanto, foi realizada outra versão da canção, agora com a merecida participação de Nelson, sendo lançada também como B-side em 1997 no single de "If God Will Send His Angels", sendo esta a versão em 'Duals'.
"The Saints Are Coming" é um cover da banda punk inglesa The Skids, originalmente lançada na coletânea 'U218 Singles', single inédito até então, tendo a participação da banda Green Day, visando obter fundos para o Music Rising, devido ao desastre ocorrido em 2005, em Nova Orleans, pelo Furacão Katrina. Foi composta por Richard Jobson e Stuart Adamson, e a regravação do U2 e Green Day foi produzida por Rick Rubin e Jacknife Lee.
"Sunday Bloody Sunday (Live from Auckland)" é uma das poucas canções inéditas de 'Duals'. Foi gravada durante a turnê U2 360º Tour na Oceania, que contou com abertura do rapper americano Jay-Z.
Jay-Z fez um dueto com a banda durante vários concertos, fazendo um rap com a canção "Get Up, Stand Up" de Bob Marley. 

Em 2006, a canção "One" teve uma regravação por parte do U2, mas desta vez, com a inserção da cantora Mary J. Blige, se tornando um grande sucesso na época. Foi lançada originalmente em seu álbum 'The Breakthrough', e foi produzida por Ron Fair.
"When Love Comes To Town" foi lançada no álbum 'Rattle And Hum', e gravada com o cantor blues americano B. B. King, sendo produzida por Jimmy Iovine.
Outra canção, até então, inédita, foi o dueto com o vocalista da banda The Rolling Stones, Mick Jagger, em "Stuck In A Moment You Can't Get Out Of". Foi tocada durante o 25º aniversário do Rock and Roll Hall of Fame em 2009. Coincidentemente, Jagger tinha gravado o backing vocal desta mesma faixa em 2000, juntamente com sua filha, durante a gravação da canção no álbum 'All That You Can't Leave Behind', mas o mesmo foi cortado na edição final, o que causou um certo constrangimento entre ele e a banda. Porém, tudo acabou sendo resolvido quando Bono retribuiu a gentileza, participando na canção "Joy" do álbum solo de Jagger, 'Goddess In The Doorway'.
Em 2008, o single "The Ballad Of Ronnie Drew" foi gravado como um projeto de caridade, arrecadando fundos para o Irish Cancer Society (Sociedade de Câncer Irlandês), sendo uma homenagem ao cantor de folk irlandês Ronnie Drew, que faleceu da doença em agosto de 2008. Foi composta por Robert Hunter, Bono, The Edge, Simon Carmody e produzida por John Reynolds. Vários artistas participaram da canção, como Sinead O'Connor, Andrea Corr, Bob Geldof, Gavin Friday, Rona Keating, Shane McGowan e Chirsty Moore.
"I'm Not Your Baby" foi gravada para a trilha sonora do filme 'The End of Violence', de Wim Wenders. Apesar de parecer uma canção solo de Bono com Sinead O'Connor, na verdade ela é uma faixa do U2, que não foi aproveitada para o álbum 'POP' quando era apenas instrumental. Curiosamente, uma versão instrumental foi lançada como B-side do single "Please" do U2, denominada de "Skysplitter Dub".
"Stranded (Haiti Mon Amour)" foi lançada como single digital em benefício aos sobreviventes do terremoto de 2010 no Haiti. A canção foi tocada ao vivo na televisão americana. Foi composta por Jay-Z, Rihanna, Bono, The Edge, Swizz Beatz e produzida por Swizz Beatz e Declan Gaffney.
Quando o U2 anunciou em seu site oficial que iria lançar o álbum 'Duals', a canção 'Stranded (Haiti Mon Amour)' foi incluida. E o U2 não utilizou para o lançamento nem a versão ao vivo e nem a versão original de estúdio lançada no Itunes.
Uma terceira versão da música, "Hybrid Mix", foi a escolhida para o lançamento. Como o próprio nome do mix diz, ela é um híbrido da versão original com a versão ao vivo, e com a adição de novos elementos gravados em estúdio.
Ela tem uma mixagem mais limpa, e logo na introdução foi retirado o vocal de Rihanna que aparecia na versão de estúdio, mas que não era ouvido na versão ao vivo. O som da guitarra de Edge soa muito melhor nesta versão, é bem mais audível. E os vocais foram melhores separados nesta mixagem.
Antes do refrão, esta nova versão agora tem um som de bateria incluido, onde anteriormente na versão original era apenas uma base de batidas eletrônicas.
A bateria já tinha sido utilizada na performance ao vivo da canção.

Originalmente feita durante as sessões de 'The Joshua Tree', "Drunk Chicken/America" foi lançada oficialmente na edição deluxe de aniversário do álbum em 2007, e consiste no poema "America", escrito por Allen Ginsberg em 1956, com uma base eletrônica, provavelmente feita por Brian Eno, em estúdio.

Bono modificou a letra original de The Edge para "Sunday Bloody Sunday"

Repentinamente, com "Sunday Bloody Sunday", o U2 entrou na arena política com uma canção que ligava dois 'domingos sangrentos' na Irlanda, de 1920 e 1971, com a crucificação ("A verdadeira batalha é iniciada / Para reivindicar a vitória que Jesus conquistou / Em um sangrento domingo sangrento).
The Edge avaliou que escreveram ela ingenuamente, sem considerar as conseqüências. Mas ele poderia ter causado uma reação mais grave se o guitarrista tivesse seguido o seu caminho. Invulgarmente ele concebeu a letra original, bem como a música. Ele começou escrevendo "Don't talk to me about the rights of the IRA" (Não fale para mim sobre os direitos do IRA).
Ele pode sorrir sobre isso agora: "minhas palavras foram bastante desajeitadas, uma polêmica. Bono modificou-a para ser muito menos política, mais de uma reflexão pessoal."

terça-feira, 19 de março de 2013

"Drowning Man" do U2 em uma excelente performance ao vivo de Anneke van Giersbergen

Anneke van Giersbergen em uma performance acústica fantástica da canção "Drowning Man" do U2, em show realizado na Polônia. Anneke nesta performance ao vivo canta de maneira similar à Bono na gravação original do U2.
Anneke é a ex-vocalista da banda holandesa The Gathering, e do projeto independente chamado Agua de Annique. Ela também trabalhou com Devin Townsend, Lawn, Farmer Boys, Ayreon, Napalm Death , Moonspell e Within Temptation.

As crianças riam e zombavam de Bono

Eamonn McCann (que já foi confundido com BP Fallon), agitador estudantil da Irlanda do Norte no movimento dos direitos civis. Co-fundador do People's Democracy Party com Bernadette Devlin. "Eu posso realmente dizer desde a primeira vez que eu conheci o Bono, ele era uma estrela. Ele era um grande artista, mas um dos poucos que aprendeu o seu ofício. Ele, obviamente, estudou como ser uma estrela do rock. Lembro-me que depois da fase The Joshua Tree, eu estava sentado em um pub em Dublin com ele e as pessoas não estavam tomando conhecimento dele. As crianças na rua costumavam rir dele. Em vez de estarem impressionados, eles tinham acabado de rir e zombar dele. E ele tratou todos bem mesmo com isso. Ele é muito simpático, mesmo que algumas de suas opiniões e idéias sejam um pouco selvagens. Ele poderia não cantar bem, ele poderia não manter notas, mas ele cantava como se ele estivesse cantando brilhantemente. Nos primeiros anos de U2, no Gaiety Green Centre, ele era o Eddie the Eagle do rock ' n' roll, mas ao contrário de Eddie, Bono ficou ainda melhor."

O U2 gravou em estúdio a canção "Trash Trampoline And The Party Girl" com Bono improvisando a letra

A canção "October": Edge bateu esta peça solene, cheia do que o U2 chama de "notas de gelo", no piano na sala de visitas de seus pais. Apesar de ter pensado nisso como a trilha sonora de um filme não feito, seus companheiros de banda imaginavam isso. Ela soa íntima. Mas o U2 fez o álbum 'October' em meio à única crise até hoje que ameaçou a existência da banda: o conflito com o Shalom, o grupo não-denominacional cristão que Edge, Bono e Larry Mullen tinham se juntado na adolescência. Ao longo dos anos ele tinha crescido. Fanáticos mudaram-se e, no devido tempo, desafiaram a sua fé. "Essas pessoas disseram: 'como você pode acreditar nos princípios cristãos e estar em uma banda de rock? Eles são mutuamente exclusivos. "Nós realmente questionamos a nós mesmos - eles estão certo? Estamos fazendo algo que é incoerente?"
Edge e Bono caminhavam ao longo da praia em Portrane, o retiro de oração do Shalom, onde o cantor foi batizado no mar. Edge disse à Bono que a banda deveria acabar. Bono concordou. No entanto, Edge nega: "Isso não é verdade. O que eu disse para o Bono foi: "Olha, nós vamos ter que tomar uma decisão aqui, não podemos ficar nessa posição." Nós não queremos dizer adeus ao grupo Shalom. Mas tudo tinha dado errado. Concluímos que o U2 poderia lidar com conflitos morais e seguir em frente."
Com duas horas restando no estúdio e um lado b imperativo, Bono teve que improvisar a letra da canção "Trash Trampoline And The Party Girl". Mas ele tocou um nervo exposto em Adam Clayton. O baixista era o único membro do U2 que não se juntou ao Shalom. Por um tempo, o ônibus de turnê de banda se dividia entre os leitores da Bíblia na parte de trás e os rock'n'rollers na frente. Adam tomou a canção como uma escavação pública. "Adam se sentia vulnerável", Edge reconhece. "Ele perguntou para Bono sobre a canção diretamente e Bono disse: "Não, não é isso que se passa". "Mas eu acho que Adam ainda estava inseguro. E talvez a questão do Shalom foi um vacilo e mesmo Bono não tinha a intenção dele".

segunda-feira, 18 de março de 2013

Cantora holandesa Anneke van Giersbergen canta "All I Want Is You" do U2 em programa na televisão holandesa

Anneke van Giersbergen é a ex-vocalista da banda holandesa The Gathering, e do projeto independente chamado Agua de Annique. Ela também trabalhou com Devin Townsend, Lawn, Farmer Boys, Ayreon, Napalm Death , Moonspell e Within Temptation.
Ela realizou no popular programa de televisão da Holanda, De Wereld Draait Door, uma performance de "All I Want Is You" do U2, capturando os olhos e corações de um grande público, que comentou sobre a performance por um bom tempo:

O verso da letra de "Love Rescue Me" que não está no encarte do álbum 'Rattle And Hum'

No encarte do álbum 'Rattle And Hum' do U2, não aparece a letra de um verso que está na gravação original perto dos 4 minutos da faixa, logo após Bono cantar "sha la la la la..."
Este verso tem a seguinte letra:

"I said love climb up the mountains, said love
I said love, oh my love on the hill
On the hill of the son
I'm on the eve of a storm
And my word you must believe in love
Oh, I said love, rescue me
Oh yeah, oh yeah, oh yeah"

"I Will Follow" do U2 foi escrita entre a sala de ensaios da banda e o cemitério onde a mãe de Bono foi enterrada

1998, e The Edge estava no estúdio Hanover Quay em Dublin discutindo e definindo as faixas que fariam parte da primeira coletânea do U2, o álbum 'The Best Of 1980 - 1990', de hits e lados b bônus. A lista de "músicas que capturaram o momento" era incontroversa, e o mercado-alvo eram as "pessoas que conheceram a banda depois de 'Achtung Baby' e não possuiam os primeiros álbuns", então todas as faixas estavam sendo remasterizadas para tornar isto mais valoroso.
Relembrando a época do álbum de estreia, Edge diz: "Sabe, eu não consigo me lembrar quem éramos então."
No momento em que eles gravaram 'Boy', o U2 tinha estado em toda a Europa por um ano com as músicas. O resultado: "Foi o álbum mais divertido que já gravamos. Nós nos tornamos tão amarrados, que tínhamos tempo para tentar todos os tipos de coisas estranhas e maravilhosas. Lembro-me de "I Will Follow" que Bono fez essas coisas loucas, como solos de bateria em um glockenspiel".
A música acabou por ser sobre a morte de Iris, a mãe de Bono, que morreu repentinamente de uma hemorragia cerebral quando ele tinha 14 anos. A letra tinha sido mesmo escrita em sua sala de ensaios na portaria para o cemitério Ballygriffin, onde foi enterrada Iris Hewson.
"Voltando atrás neste material inicial, nada realmente me horrorizou", reflete Edge. "Particularmente em 'Boy', eu posso ouvir um pouco de Banshees e The Buzzcocks e alguma coisa do Skids, bem como algumas idéias extremamente originais nossa. A coisa mais chocante é que bem antes tivemos uma direção disto, tivemos essa crença de que nos tornaríamos uma banda de muito sucesso ", lembra Edge. "Desde o início Adam jamais duvidou que iriamos ser grandes".

domingo, 17 de março de 2013

Herbert Gronemeyer fala sobre as gravações com Bono e revela ser fã do U2

O site oficial U2.COM disponibilizou uma entrevista com o artista Herbert Gronemeyer, onde ele fala sobre a gravação com Bono e a participação do vocalista do U2 em seu show. Confira, na tradução feita por Fernanda Bottini do site Ultraviolet Brasil: "A música que eu fiz com o Bono, se chama "Mensch". Essa palavra ‘Mensch’ não existe em inglês. Se traduz como ‘homem’ ou ‘humanidade’, mas na Alemanha tem uma profundidade mais romântica. Um ‘mensch’ é uma pessoa muito decente, humilde.
Então tivemos que achar uma forma de contornar isso. A música ainda fala sobre a beleza do ser humano e como somos limitados – mas sem usar essa palavra.
Eu organizei um show do G8 em Rostock na época do Make Poverty History, e convidamos bandas das nações mais pobres do mundo – nós os chamamos de P8. E então o Bono me disse que ele subiria no palco comigo e cantaria a letra em alemão de "Mensch". E ele fez, nós cantamos "Mensch" juntos e ele estava tentando cantar em alemão. Foi um momento muito engraçado!
Anos mais tarde, Bono estava em Berlim e ele me ligou. Nós estávamos gravando o álbum ‘I Walk’. Então, nós tocamos para ele algumas músicas e imediatamente ele se envolveu. Ele estava bem focado e nós mudamos a música "Hurting Me" por causa das ideias dele. Ele nos empurrou. Foi um momento muito bom.
Depois ele me disse para enviá-lo algumas músicas, pra ver se ele poderia fazer algo. Foi ideia dele. Eu não me atreveria a pedir. Mas nossa! De repente nós tínhamos algo de volta e ele cantou "Mensch". Nós não esperávamos isso de jeito nenhum. Foi lindamente cantada.
Então, eu pedi a ele se podíamos fazer como um dueto e ele disse que sim. Foi um presente. E uma vez que ele faz algo, ele se envolve. Foi adorável tê-lo no álbum, o mais importante é que é uma bela contribuição. Mas é também uma grande ajuda. Ele tem dado muito apoio. E o engraçado é que "Mensch" é exatamente sobre isso – sobre alguém que pula para o seu lado para ajudá-lo. É sobre a crença nessas coisas. É sobre amizade, apoio, ajuda.

Eu gravei um show em Potsdam, que foi ao ar no final do ano passado nos Estados Unidos e Bono se juntou a mim e cantou comigo. Ele não queria que eu anunciasse que ele estava vindo. Mas ele veio e cantou "Mensch" e "Stuck In A Moment" (canção do U2). São coisas lindas. Para ele fazer isso para mim, cantar com alguém completamente desconhecido no mundo anglo-saxão, para voar e cantar. Ele tem muitas outras coisas pra fazer com seu tempo. Eu comecei cantando "Mensch" e ele veio. A última coisa que a plateia estava esperando era o Bono.

Sou um fã do U2 desde os anos 80. Eu vi meu primeiro show em Colônia, quando Bono ainda tinha cabelo comprido, em 1986 eu acho. Minha esposa gostava dos primeiros álbuns pelas capas do menino. Eu sempre gostei das linhas de guitarra do Edge e sua música hipnotizante. Eu tenho um pequeno selo e trabalhei com um banda chamada Neu! da Alemanha; The Edge diz que foi influenciado pelo guitarrista deles. Então, há algumas conexões. Eu gosto particularmente do 'Achtung Baby'".

Agradecimento: Fernanda Bottini - http://www.ultraviolet-u2.com

As referências bíblicas na canção "Hold Me Thrill Me Kiss Me Kill Me"

Como em inúmeras canções do U2, "Hold Me Thrill Me Kiss Me Kill Me" também traz uma referência bíblica, na linha "you don't have to deny love". Vem de 'The Denial of Peter' (Negação de Pedro), que é o nome que se dá ao episódio no qual Pedro negou por três vezes conhecer Jesus, descrito em todos os quatro Evangelhos do Novo Testamento.
Todos eles relatam que, durante a Última Ceia com seus apóstolos, Jesus previu que Pedro iria negar conhecê-Lo, afirmando que ele o renegaria antes que o galo cantasse na manhã seguinte. Após a prisão de Jesus, Pedro de fato negou conhecer Jesus três vezes, mas, após a terceira, ele ouviu o galo e se lembrou da profecia quando Jesus se virou e olhou diretamente para ele. Pedro então começou a chorar amargamente. Este incidente final é conhecido como o 'Arrependimento de Pedro' e ambos os incidentes foram retratados inúmeras vezes na arte cristã.
Jesus é citado diretamente também na linha "they want you to play Jesus they'll go down on one knee. But they'll want their money back. If you're alive at thirty-three". 33 anos foi a idade com que Jesus morreu.
Há duas referências também às últimas horas de Jesus antes de ser traído por Judas logo depois de receber um beijo no rosto, na linha "you don't know how you got here, you just know you want out" e no refrão-título "hold me, thrill me, kiss me, kill me".

The Edge comenta sobre a primeira versão mais reggae da canção "I Still Haven't Found What I'm Looking For"

The Edge em 1998 comentou: "Nós estávamos ouvindo algumas canções gospel durante as sessões de gravação de The Joshua Tree. Lembro-me de The Mighty Clouds e Rev Cleveland e Staple Singers. A versão original de "I Still Haven't Found What I'm Looking For" era mais solta, quase um reggae. Bono atingido na melodia e eu tinha o título em um caderno de notas. No começo, ninguém levou ela a sério porque parecia tão diferente de tudo que já tinhamos feito e não fizemos até a mixagem final, mas quando terminamos, todos nós percebemos que tínhamos algo especial. Os críticos não gostaram. Um americano disse que era uma pálida imitação da forma original e que a canção do Foreigner "I Want To Know What Love Is" era melhor."
A influência de música jamaicana da música foi mantida nas performances ao vivo da canção na turnê Joshua Tree, quando Bono incluia trechos das faixas "Exodus" e "Three Little Birds", ambas de Bob Marley.

sábado, 16 de março de 2013

'Show Band': o título da outra história escrita por Bono

No ano de 1999, depois de conceber a história 'The Million Dollar Hotel' em colaboração com Nicholas Klein, Bono declarou que tinha outras ambições futuras no cinema, e revelou o nome de seu novo trabalho: "tenho uma outra história já começada. Chama-se 'Show Band'. Mas, por ora, só quero mesmo estar numa banda, tocar. Gosto do meu trabalho oficial."

sexta-feira, 15 de março de 2013

Bono explica sobre como foi o processo de compor a trilha sonora do filme 'Million Dollar Hotel' tocando ao vivo

Bono explicou em 1999 sobre o trabalho na composição da trilha do filme 'Million Dollar Hotel': "Wim Wenders leva a música muito a sério, acho que ele escuta mais música do que vê filmes. Ele quis se envolver, veio a nós, sentou na sala, contribuiu. Claro, não exatamente metendo a mão na massa, mas estava lá. Quanto a nós, foi divertido. Improvisamos ao vivo, assistindo às imagens do filme. Juntamos essa banda fantástica (chamada de MDH Band), com esse gênio do trompete que é Jon Hassell. A música dele meio que perfuma o hotel. Na verdade, é uma trilha puxada para o jazz. E tem lá umas duas, três canções do U2, no início e no fim.
Tínhamos uma TV enorme no estúdio e repassávamos as cenas, assistindo ao filme e tocando ao vivo. A orquestra era composta de grandes músicos, como Brian Eno, Daniel Lanois, Bill Frisell, esse baterista incrível chamado Brian Bates. Para mim, foi maravilhoso tocar com todos esses caras. Larry Mullen e Adam Clayton iam ao estúdio ocasionalmente e ajudavam. Sabe como é, aqueles caras não sabem meter porrada no instrumento. São músicos de jazz. Quando a gente precisava de algo mais pesado, eles não sabiam fazer, e aí entrava a experiência do U2 no assunto. Sei que Wim ficou feliz com o resultado final, e eu também."

Bono na lista de pessoas com mais influência nos EUA

Oprah Winfrey lidera novamente a lista anual dos 10 mais influentes da Forbes, onde figuram nomes como Steven Spielberg, Clint Eastwood e Bono do U2.
Vale lembrar que Oprah Winfrey enfrentou algumas dificuldades em aumentar as audiências do seu canal OWN. No entanto, continua sendo a mais popular apresentadora norte-americana.
Steven Spielberg vem em segundo lugar e Martin Scorsese, é o terceiro mais influente. Ainda na lista: Barbara Walters, George Lucas, Clint Eastwood, Mehmet Oz (Dr. Oz] e Bono (com porcentagem de 37%).

Do site: http://www.lux.iol.pt

quinta-feira, 14 de março de 2013

Embora creditada ao U2, "Night And Day" seria uma gravação de Bono e The Edge apenas

O álbum 'Red Hot And Blue' de canções cover de Cole Porter, em apoio a campanha contra a AIDS, foi coordenado por Steve Lillywhite, produtor de vários discos do U2. E foi que ele escolheu a gravação de "Night And Day" para o U2.
Mas apesar desta regravação ser creditada ao U2 e o videoclipe para esta versão mostrar todos os integrantes da banda, é muito provável que a canção tenha sido gravada apenas por Bono e The Edge. Quer entender?
Antes do início das gravações de Achtung Baby com os outros dois integrantes do U2, Bono e The Edge juntos gravaram uma versão latente da música de Cole Porter, no porão de The Edge, em maio/junho de 1990. A versão foi registrada por Ian Bryan e Eoghan McCarron. Adam e Larry muito provavelmente não participaram desta gravação, tanto que a bateria da canção é uma bateria eletrônica.
A mixagem ficou por conta de Paul Barrett (que também tocou os teclados na gravação), que contou com o engenheiro assistente de gravação Ian Bryan, também no porão de Edge. A produção ficou à cargo de Edge e Paul Barrett.
As congas foram tocadas pelo percussionista Noel Eccles, que também tocou na canção "Alex Descends Into Hell For A Bottle Of Milk/Korova 1", outra canção creditada ao U2, mas que é um projeto apenas de Bono e Edge iniciado em 1989, para a trilha sonora da versão teatral de 'A Clockwork Orange'.

O livro alemão que pode ter inspirado uma canção do U2

Muitos sites e fóruns de fãs do U2 citam como inspiração para a letra da canção "Zoo Station", um livro infantil chamado 'The Kids From The Zoo Station' (em alemão o título é 'Wir Kinder vom Bahnhof Zoo'), que foi escrito por uma adolescente conhecida como Christiane F. (Christiane Vera Felscherinow).
Ela mudou-se para Berlim em 1968 com os pais e com a irmã mais nova. Morou primeiramente no distrito municipal de Kreuzberg, depois no distrito municipal de Neukölln. Mas foi no bairro de Groppiusstadt, onde Christiane começou a envolver-se com as drogas ao frequentar o Grupo de Jovens. Em 1974, aos 12 anos de idade, começou a fumar maconha e consumir medicamentos como Valium e Mandrix, além de LSD.
Em 1975, aos 13 anos, Christiane começou a frequentar o Sound, "a discoteca mais moderna da Europa", em Berlim. Ali conheceu Detlef (seu futuro namorado) além de Axel, Babsi, Atze, Zombie e Stella, entre outros.
Uma nova droga começava a circular na cena em Berlim. Era a heroína, ou simplesmente "H", como era mais conhecida. Apesar de temida pelo seu alto poder de viciar e por representar alto risco de morte, todos os amigos de Christiane acabaram viciando-se com heroína, inclusive Detlef.
Christiane inalou heroína pela primeira vez após assistir a um show de David Bowie. Tempos depois, numa casa de banho pública na Estação Berlin Zoologischer Garten, injetou heroína pela primeira vez. A partir daí Christiane afundaria cada vez mais no vício.
À medida que o vício avançava, Christiane aos 14 anos, como todos os seus amigos, começou a se prostituir na Estação Zoo para comprar heroína. 
A própria Christiane relata que no início, escolhia os clientes com quem faria programa e que se limitava a masturbá-los ou praticar sexo oral. Mas com a necessidade de "se picar" três vezes ao dia, Christiane passou a aceitar qualquer cliente que se apresentasse (inclusive estrangeiros) e a praticar sexo dentro de carros. Os tempos de prostituição duraram de 1976 a 1977, quando foi presa e acusada de tráfico e consumo de drogas. Foi isso que a levou a começar se picar, prostituir por dinheiro.
Durante seu julgamento num tribunal de infância e juventude, os jornalistas Kai Hermann e Horst Hieck ficaram fascinados com seu depoimento sobre o vício e propuseram a ela uma entrevista que a princípio era para ser 2 horas, mas acabou se estendendo por 2 meses e deu base para o famoso livro 'Wir Kinder vom Bahnhof Zoo'.
Christiane atualmente continua envolvida com drogas e reside ainda na Alemanha. Das pessoas citadas no livro, ela é uma das únicas sobreviventes.
Lendo o livro, há muitas passagens que podem ser relacionadas com a música do U2, com lições sobre a estupidez de desperdiçar sua vida usando drogas.
Em 1981, o livro inspirou o filme "Eu, Christiane F., 13 Anos, Drogada e Prostituída".

quarta-feira, 13 de março de 2013

Bono não quis sua imagem na abertura dos shows da fase Zooropa da turnê ZOOTV

Em 1993, o U2 queria focar a sua atenção em coisas grandiosas. Eles queriam que a turnê de Zooropa, os shows em estádios europeus, fossem diferentes do que eles fizeram na América. Bono tinha certeza que eles poderiam empurrar os limites da experimentação ainda mais além na Europa do que nos Estados Unidos. Eles se reuniram em uma sala no Factory Studios em Dublin, para assistirem um vídeo com cenas que seriam passadas nos enormes telões da turnê ZOOTV durante os shows. Os homens responsáveis por reunir essas imagens foram Ned O´Hanlon e Maurice Linnane. Ned e Maurice são da Dreamchaser, uma companhia de vídeo de Dublin. Ned e o Maurice não precisaram assinar um contrato de confidencialidade, já os funcionários do Principle precisaram, e o comportamento desses homens ficou confuso à medida que eles começaram a lidar com a tradução e execução das idéias sem-fim do U2 sobre as imagens dos vídeos.
Ned e Maurice colocaram um vídeo-montagem que iria abrir o concerto. Tinha um cantor de ópera que era cortado para um dançarino dos anos cinquenta, que era cortado para um membro de uma tribo africana, que era cortado para o Bono falando diversos idiomas europeus.
Bono mandou parar o vídeo. Ele não quia aparecer lá, e fez uma oposição à piada da imagem dele: “Isso ainda não está bom, não tem contexto.”
“Isso é do homem que subiu no palco e disse: ‘Inclinem-se, São Francisco!'?” perguntou Maurice. “O homem que disse, ‘Seig heil, Berlin!’?” perguntou o Ned.
Bono irredutível. Ele também quis que colocassem o homem da tribo africana em outro lugar. Bono disse que pensariam que o U2 estava ridicularizando eles. Ned e o Maurine suspiraram e anotaram as modificações.

Do livro: 'U2 At The End Of The World - Bill Flanagan'

Agradecimento: Forum UV Brasil


Nota: a imagem do homem da tribo africana que Bono pediu para ser retirada da introdução e ser colocada em outro lugar, provavelmente está no vídeo da performance de "Numb" nos shows:




Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...