Anúncios

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

53 Anos de Larry Mullen Jr. - Parte 2

O que faz do U2 uma banda tão especial?

"Seja o que for, não tem nada a ver com os quatro indivíduos, mas o que acontece quando nos juntamos e a música que fazemos como uma unidade coletiva. A maior força da banda é que não há fronteiras, não existem limites. Você não pode ficar maior que isso, nós fomos capazes de alcançar tudo, na maior parte em nossos próprios termos. Isso é a coisa mais gratificante para nós."

A sua abordagem única é altamente eficaz no contexto da música do U2?

"Eu nunca pensei em mim mesmo como baterista do U2, mas sim um colaborador para o som geral. Sempre que posso aprendo sobre ritmo e quando o U2 tirava uma folga, eu trabalhava com uns caras na América. Eles me mostravam como bateristas profissionais realmente tocavam, porque eu realmente queria saber. Não quero necessariamente imitá-los, mas eu certamente quero saber como se faz."

O produtor do U2, Brian Eno, disse que achava que muitos aspectos do estilo distinto de Larry tocar bateria, e senso de ritmo; tiveram suas origens em suas experiências como um jovem baterista de bandas marciais.

"Certamente algumas coisas sim. Sou muito interessado em ritmo e música tradicional irlandesa e é de onde eu venho. Eu toquei em um monte de bandas de estilo militar e em algum momento eu acho que passou para o U2. Se você ouvir os primeiros três ou quatro álbuns você pode notar a influência. Uma das coisas que eu acho quando eu escuto novamente os discos antigos, é que meu jeito de tocar foi muito simples, um tipo de invenção, mas outras vezes não tinha um monte de qualidades rítmicas."

Não gosta de dar entrevistas?

"Eu dava entrevistas quando a banda começou, e então eu parei porque eu não gosto. Eu não sou um falador. Espero que possa fazer sentido o que digo."

Em sua estreia no cinema, foi difícil acreditar que você jamais havia atuado antes.

"Foi um desafio, e tenho certeza de que você pode imaginar isso. Foi um desafio. É algo que eu tinha sonhado em fazer, mas nunca pensei que eu, antes de tudo, teria a oportunidade, e em segundo lugar, realmente fazer. Era uma perspectiva assustadora quando começou a se juntar e acontecer, e ainda mais assustador quando eu percebi que eu estava indo para ficar em pé frente a frente com o grande Donald Sutherland."

O lendário anúncio que juntou o U2.

"Foi meu pai que sugeriu que eu colocasse um aviso na escola para formar uma banda. Eu tinha começado a ter aulas com um baterista de jazz, mas eu estava ficando enjoado, eu queria tocar numa banda de rock. Então meu pai teve a idéia do aviso, foi idéia dele e não minha.
Então eu coloquei o lendário aviso, dizia algo do tipo ‘baterista procura músicos para formar banda’. Eu pensei apenas que seria divertido, não tinha nenhuma esperança e nem grandes idéias. Um amigo meu do colégio, Peter Martin tinha uma guitarra e um amplificador, mas ele não sabia tocar. Peguei emprestado com ele para o ensaio. Ele conhecia Ivan McCormick, que era da classe abaixo da nossa. Ele tinha uma guitarra e aparentemente ele sabia tocar. Ele apareceu no primeiro ensaio.
Depois que eu coloquei o aviso as pessoas perguntaram se eu conhecia o Paul Hewson e diziam que ele sabia tocar guitarra. Eu não o conhecia, mas parecia que todo mundo sabia com o que ele fazia, quem eram seus amigos então não demorou muito para que eu descobrisse com quem eu teria que lidar. Edge e Dick eram praticamente a mesma pessoa, eles gostavam de inventar coisas e tocavam uma guitarra amarela que eles mesmo fizeram, então demorou um tempo pra descobrir quem iria ficar na banda. Eu já conhecia o Adam, ele usava um casaco comprido de pele de carneiro do Afeganistão, ele usava óculos coloridos e fumava. As pessoas me perguntavam se eu conhecia o maluco que usava o casaco do Afeganistão e disseram que ele tinha um baixo. Não importava se ele sabia tocar, o Adam estava na banda e pronto. Então no sábado, 25 de setembro de 1976 esse estranho grupo de pessoas se juntou na minha cozinha. Foi o inicio de tudo."

53 Anos de Larry Mullen Jr.


Bono diz que você é o responsável por manter a ordem no U2.

"Eu acho que tenho uma maneira de detectar besteira. Eu não sou muito bom em jogar jogos e eu não sou muito bom em me vestir e tenho uma tendência a ser bastante fervoroso sobre qualquer coisa que eu acho que está mergulhando na arte.
Você tem que ter bastante cuidado para não empurrar seu público para qualquer lugar, em um lugar onde eles pensam que você está empurrando eles. Mas você também tem que estar preparado para seguir em frente e experimentar.
Eu gosto da ideia de que quando essas coisas aparecessem, eu tomaria uma atitude cautelosa e a razão para isso é que eu quero alguém para me convencer que este é o caminho certo para fazê-lo."

Como é que você conseguiu retardar o processo de envelhecimento?

"Acho que é a vida saudável. Eu faço as coisas certas. São todos os cremes. Não sei, talvez esteja em minhas Levi's!"

Por que Jnr.?

"Meu pai é Larry Mullen Sênior e uma vez eu estava em turnê e meu pai recebeu uma fatura fiscal de 50.000 e ele não sabia o que estava acontecendo, até que ele foi verificar os impostos e disseram-lhe: 'Sr. Mullen, deve 50.000 desde que está em turnê'. E ele estava tentando explicar-lhes que ele era meu pai e então, para tornar a vida mais fácil, eu coloquei Jnr. no final do meu nome e o problema desapareceu."

Como foi sentar na Harley Davidson de Elvis Presley em Graceland?

"Foi uma adrenalina, eu tenho que dizer, gostei muito, gostei de toda a viagem. E foi uma viagem."

Qual seu maior momento de orgulho?

"Eu acho que terminar um disco e ir para a estrada e chegar ao outro lado sem ter perdido sua mente totalmente. Porque em todos os lugares ao seu redor há informações conflitantes. Você vai para a estrada e de repente todo mundo está carregando suas malas e fazendo todas as coisas para você e você se torna uma peça de bagagem. E esse tipo de dor. Para ser capaz de subir no palco e tocar em shows e não ficar cansado disto."

Então a fama é uma coisa bizarra que aconteceu com você no caminho para o barbeiro?

"Eu não penso muito sobre isso."

Bem, você obviamente entende o tipo de loucura disso tudo.

"Eu entendo. Eu tento superar isso todos os dias e pegar o desafio que isso traz e tento me livrar de toda a besteira, e só fazer o que é que eu gosto de fazer."

Foge de ser uma celebridade?

"Eu estaria mentindo se dissesse que não gosto de certas regalias, mas é não o que me motiva. É não é o que me faz sentir bem, necessariamente. Eu gosto de fazer discos, gosto de tocar, todas as outras coisas são apenas um bônus. Elas podem desaparecer muito facilmente, mas acho que vou estar sempre envolvido em fazer música em algum aspecto e em algum nível."

A sessão acústica de 'Songs Of Innocence'

A Rolling Stone traz um making of do novo álbum do U2, 'Songs Of Innocence', com algumas curiosidades e revelações:

Depois de passar anos em 'Songs Of Innocence', eles gravaram a versão acústica que está na edição de luxo em cerca de uma semana.

Para a banda, foi um teste saber se eles tinham atingido o objetivo para o álbum: escrever canções que iriam trabalhar com um arranjo mais básico, despido. "Nós tivemos que ir e testar a teoria", diz Bono. 'Vi Edge com a cabeça entre suas mãos e ele disse: 'levamos três anos para terminar este álbum, e você está dizendo que temos que fazer outro álbum em uma semana?' Eu disse: 'Edge, todo o trabalho nos últimos três anos vai significar que podemos fazer isso." Ele só disse: 'Ah!' E ele disse: 'nós pode fazê-lo em uma semana. Vamos lançar isso? Não precisamos. Vamos apenas tentar.' Ficou muito frenético no final."

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Larry Mullen: eu não estava preparado para fracassar com 'No Line On The Horizon'

O site U2 NEWS disponibilizou a matéria na íntegra da edição de novembro da Revista Rolling Stone americana, com o U2 estampando a capa.

O produtor Ryan Tedder fez algo na linha "cirurgia de grande porte" em "Every Breaking Wave", que tinha sido descartada pelo U2 em 'No Line On The Horizon'. "É sobre o quão difícil é se entregar completamente para outra pessoa", disse Bono. "E os dois personagens são viciados em fracassar e renascer".
"Perguntei para eles: está boa assim ou eu desmonto esta coisa?", disse Tedder, que alternou entre se juntar ao U2 em estúdio e trabalhar remotamente nas canções. "E eles me disseram algo como: Faça o pior. Vá em frente." Ele acrescentou uma nova melodia no refrão, mudou o velho refrão para uma ponte e mandou novamente para as colegas de banda. Eles voltaram a trabalhar nesse modelo, terminando em uma canção pop ajustada.
"Minhas ideias sobre o amor são, provavelmente, muito pouco românticas", diz Bono, em uma palestra de "Every Breaking Wave". "Eu vejo o amor como uma decisão não tomada no calor do momento. Eu vejo isso como uma coisa duradoura que não depende de sentimentos para confirmar, embora seja grande quando o fazem. E no final, o amor é incluído no DNA, enganando você a fazer um compromisso muito maior. Isso é o que aconteceu comigo, mesmo antes de eu saber o que é um compromisso. Terminei como um jovem nos braços desta jovem mulher, de uma forma muito hostil ao conceito de amor de infância e primeiro amor do mundo."
Bono diz: "E se alguém vier com algo melhor do que "Every Breaking Wave", você sabe, nós vamos escutar."
Rick Rubin, que produziu alguns anos atrás, um monte de músicas inéditas para o U2, teve uma grande influência sobre este álbum, apesar de não trabalhar nele. Rubin disse para Bono que o U2 usasse sua habilidade para esculpir paisagens sonoras únicas "para disfarçar o fato de não ter uma canção." Ele empurrou-os para compor músicas tradicionalmente estruturadas que podem ser trabalhadas com, por exemplo, a voz e o piano. "Alguém como Adele tem os melhores álbuns do que qualquer outro porque suas canções são melhores", diz Bono. "Em uma grande canção, você pode estar nu como um exibicionista cantando à cappella. Tenho vergonha de estar ao lado de alguém como Carole King, a menos que você possa aparecer com algo tão cru como algumas de suas grandes canções. Então foi isso. A escola de compor canções!"
"Iris (Hold Me Close)", talvez a canção mais terrivelmente pessoal do U2, foi uma das últimas músicas de 'Songs Of Innocence' que tomou forma, se juntando nas horas finais da sessão de gravação. É uma canção sobre a mãe de Bono, que morreu quando ele tinha apenas 14 anos de idade.
O álbum é o mais próximo com o que Bono chegou de uma terapia, algo que conseguiu evitar em toda a sua vida, exceto por uma semana na adolescência. "Quando eu era adolescente, tive um período violento", recorda Bono. "Tive uma briga com um professor que, na frente de toda a classe, eu empurrei contra o quadro-negro. Fui enviado para esta mulher muito inteligente e ao final de sete dias, ela me disse: 'Vá para casa'."
Membros do U2 parecem estar cientes de que há algo quase patológico em seu espírito coletivo que os obriga a acreditar, contra quase todos os precedentes históricos, que uma banda de rock ainda pode ganhar novos fãs, gravar novos sucessos e serem os melhores.
"Nós não estamos lutando contra ninguém, exceto com nós mesmos", disse Mullen. "Por isso é uma boa pergunta: por que se preocupar?" Porque não tirar três anos e ir cuidar de sua família? E então talvez juntar todos e gravar algo e ir para a estrada e fazer uma turnê só de hits. E ganhar muito dinheiro, como todos os outros. Fazer toda uma fortuna. Ninguém pensará mal de você. Mas não. Estes caras vão para um estúdio de gravação por quatro anos, custando uma fortuna."
"Não podemos ser estúpidos. Talvez nós estamos realmente prontos. E talvez nós realmente nos preocupamos com o que fazemos. Aceitaria facilmente falhar miseravelmente com este novo álbum, se U2 nunca mais gravasse um disco, eu diria: 'Ok.'
Este é realmente um grande álbum.' Fracassar com 'No Line On The Horizon', eu não estava preparado para isso. Por isso, talvez, é disso que se trata."

O nascimento de 'Songs Of Innocence'

O site U2 NEWS disponibilizou a matéria na íntegra da edição de novembro da Revista Rolling Stone americana, com o U2 estampando a capa.

Depois de deixar de lado alguns experimentos, como gravações "estilo clube" com o colaborador de Lady Gaga, RedOne, e outros produtores pop ("O trabalho que fizemos com RedOne foi muito, muito emocionante, mas eu não tenho certeza de que era a essência em que U2 é bom", diz Adam Clayton), o U2 conheceu Brian "Danger Mouse" Burton, em 2010. "Foi realmente um momento inspirador, essas primeiras sessões com Danger Mouse", diz The Edge, "aquele momento em que você tenta para saber se você pode trabalhar em conjunto. Começamos um par de canções naqueles primeiros dias, que acabaram no álbum." Sorri. "Claro, elas fizeram algumas viagens."
Enquanto canções atrás de canções surgiram nas primeiras sessões, a banda se atreveu a sonhar que poderia ser mais fácil desta vez. "Eu me senti muito bem no início", diz Mullen. "Merda, isso está funcionando. Vamos voar por essas coisas." "Eu estava errado".
Em todo caso, eles começaram a suspeitar do quão bem eles estavam fazendo. "Eu tinha um frescor incrível", diz Adam Clayton "mas o que acontece em nosso processo, e esta é a diferença entre, digamos, nós e os Rolling Stones, é, talvez, como os Stones dizia: 'Nós poderíamos terminar em seis meses, mas nós vamos fazê-lo nos próximos dois meses, e sair em turnê', e isso não é depreciativo em relação a eles. Enquanto isso, nós olhamos e dissemos: 'Seis meses para finalizá-lo? Não, ele vai nos tomar um ano.' Ele ri, "e quando você separa em camadas o material, coisas que soavam frescas começam a soar muito inocente, algo simples."
Os discos do U2 favoritos de Danger Mouse são 'Pop' e 'Achtung Baby', e ele apareceu para empurrar a banda para esta veia experimental.
Em 2013, a banda teve um conjunto de canções que poderiam ter sido lançadas, aparentemente com guitarras suaves, eletrônica pesada, com refrões estranhamente sutis. “Sleep Like A Baby Tonight” é a sobrevivente com estas características.
"Nós amamos assumir riscos e trabalhar com novos parceiros, porque é assim que você forja o próximo capítulo da história", diz The Edge. "Mas então percebemos que: 'OK, na verdade, nós não entregamos o que você poderia chamar de a marca característica do nosso trabalho, a grande música.' Nós estávamos mixando em Nova York e dissemos: 'isso é bom, mas ainda temos algum trabalho a fazer aqui'."
Danger Mouse partiu para trabalhar com Broken Bells, seu dueto com James Mercer do The Shins, e o U2 trouxe Epworth e Tedder, junto com o co-produtor de Zooropa, Flood, e o engenheiro de som e produtor irlandês Declan Gaffney.
Os discos passados do U2 se beneficiaram de perspectivas contrárias, opostas, por exemplo, o ouvido de Eno para a atmosfera contra o radar de Steve Lillywhite para hits. Intencionalmente ou não, eles recriaram esta dinâmica para 'Songs Of Innocence': Danger Mouse moldou-se como um produtor, de autoria, mas a banda e seus novos parceiros não se contiveram em mudar suas canções. "Eu tenho o maior respeito por Danger Mouse", diz Tedder. "Bono foi muito direto. Nos disse: 'É assim que funciona. Você vai fazer o que você tem que fazer e fazer o melhor que puder, e então é mais do que provável que o seu material vai ser arruinado por outra pessoa. "Então, eu hesitei por, digamos, cinco segundos e, em seguida, Edge disse: 'Cara, destrua, mexa. Faça o que quiser."
Burton voltou para algumas sessões finais; Larry Mullen disse que o produtor foi surpreendido com o que ouviu, e ficou para ajudá-los a terminar. "Retornar e ouvir coisas que começou, sendo mudadas", diz Mullen, "e sentir que talvez deveria ter feito um pouco diferente, é preciso um certo grau de humildade. Ele foi muito simpático, tomou a iniciativa e disse: "Se este é o caminho que estão indo, há uma versão diferente que pode funcionar melhor."
O acordo com a Apple deu ao U2 o que precisavam: um prazo para finalizar o disco. Muitas das canções deram grandes saltos no final. "Foi uma viagem muito emocionante nas últimas semanas", diz Declan Gaffney. "Todas as peças começaram a se encaixar, ganhou um certo nível de clareza que não se conseguia ver, e então pudemos dizer: acabou!"

"Get On Your Boots" como single foi o começo do fim. Nunca nos recuperamos disso......

O site U2 NEWS disponibilizou a matéria na íntegra da edição de novembro da Revista Rolling Stone americana, com o U2 estampando a capa.

O U2 não vai estar em turnê até o próximo ano, mas de alguma forma os concertos parecem existir, totalmente montados, na mente de Bono.
A banda tenta tocar uma das mais emocionantes canções do novo álbum, "Volcano", que começa com um gancho de baixo composto por The Edge. ("Ele é um daqueles caras que ficam a noite toda pensando em maneiras de fazer com que você se saia bem", diz Adam Clayton). Um grito é ouvido: “You were alone/Now you’re not alone”, evoca o momento no qual o Paul Hewson de 16 anos de idade encontrou sua banda, e Bono diz: "Esse será o momento chave do show". É um clima agradável para uma multidão, para um tratamento de estádio: luzes, uma massa cantando em uníssono. "Mas vai ser difícil na TV."
Ele está animado para tocar músicas novas para o público, mas não tanto por ensaiar elas. "O ensaio é chato", diz Bono, mordendo uma maçã. "Estou cansado do som da minha voz. E isso não deve ser assim! Algo deve estar muito errado com um cantor que sentir isso."
A turnê 360° que acompanhava o disco 'No Line On The Horizon' foi a turnê de maior bilheteria na história, mas a medida que passou, o U2 tocou cada vez menos músicas do disco.
Canções do álbum (“Moment Of Surrender”, “Breathe” e "No Line On The Horizon) foram diluídas no meio de clássicos do U2, com Adam Clayton e Larry Mullen, no entanto, vendo opções agora tão mais fracas: a inteligente musicalmente, mas liricamente inerte "Stand Up Comedy", e a energética mas desordenada "Get On Your Boots".
Larry Mullen: "A escolha de "Get On Your Boots" como single foi absolutamente desastrosa", ainda soltando fumaça com isso, cinco anos mais tarde. "Foi uma loucura, mas a decisão foi tomada, e esse foi o começo do fim. Nunca nos recuperamos disso".
"Foi uma derrota", diz Mullen.

"Drummer Boy" e "Siren": as primeiras versões de “The Miracle (Of Joey Ramone)”

O site U2 NEWS disponibilizou a matéria na íntegra da edição de novembro da Revista Rolling Stone americana, com o U2 estampando a capa.

A revelação sobre as primeiras versões de “The Miracle (Of Joey Ramone)”:

Na Riviera Francesa, a banda estava trabalhando em um arranjo ao vivo para o seu atual single, “The Miracle (Of Joey Ramone)”. O irregular "grande som" de The Edge não está funcionando o suficiente, mesmo que seja exatamente o mesmo que ele estava usando na versão do novo disco, 'Songs Of Innocence'. "As músicas nunca estão finalizadas", disse Bono.
Como quase todas as suas músicas, “The Miracle (Of Joey Ramone)” sofreu um processo implacável e uma evolução forçada, neste caso, de quatro anos, com três produtores diferentes.
Tudo começou com um loop de bateria e um tema com violão acústico chamado "Drummer Boy", das sessões de 2010 com Danger Mouse. Depois se tornou em algo mais rock e foi chamada de "Siren" (a linha compara a música do Ramones com um som de sirene) com uma introdução pesada do líder do OneRepublic, Ryan Tedder, e o produtor da Adele, Paul Epworth, antes de se desenrolar na letra e melodia definitiva no final de mais de dois meses de sessões com Paul Epworth. Mas até agora, não se estabeleceu em sua forma final.
"Você tem uma distorção do som digital", diz Bono para The Edge. "Não é um som que pode ser gerado. No pré-refrão, há um nível intermediário? É preciso mais funky, mais como em "Mysterious Ways". Tente o som de "Mysterious" para ver se funciona." Edge devidamente define o wah-wah da canção de 'Achtung Baby'.
"Bem, mais uma vez", diz Bono, e "Miracle" muda de novo, em algo mais elegante e mais ousado do que a versão do álbum. Larry Mullen se entrega ao pedido de Bono: "mais pratos, mais dinâmica". Adam Clayton se concentra no que Bono descreve como "uma peça de baixo tão grande que você pode construir uma casa em cima disso", com um olhar ocasional na partitura; Bono exterioriza emoções no volume máximo do concerto em um microfone de mão, balançando os quadris um pouco, parecendo incrivelmente jovem. "Isso foi algo estúpido", diz Bono. "Muito bom!"
A medida que The Edge toca com seu equipamento, Bono vagueia ao redor da sala para fornecer um comentário de diretor: "Nós só precisamos de outra cor", diz ele. "Por que estamos usando um ritmo de swing. Fazendo este registro, voltamos e escutamos todas as músicas que trouxemos para nós mesmos, então nós dissemos, agora a gente não vai se lembrar delas. Os Ramones nunca usaram um ritmo de swing em suas vidas, mas o New York Dolls, eles tiveram glam: eles fizeram. As pessoas dizem: 'Essa música não soa como os Ramones! "Mas isso não seria uma realização, parodiar eles, tentamos fazer algo mais interessante."
The Edge vai ficar por várias horas hoje a noite com sua Epiphone Casino, trabalhando em um novo som secundário e uma parte de guitarra modificada para a canção, com a esperança de que "não soe como algo estúpido." "Mysterious Ways" foi uma ideia equivocada", ele diria no próximo café da manhã, "mas deu origem à idéia correta".

Nova turnê do U2 pode ter uma noite barulhenta, mais rock, e uma outra noite calma, mais acústica

A Rolling Stone traz um making of do novo álbum do U2, 'Songs Of Innocence', com algumas curiosidades e revelações sobre o futuro da banda:

Não é inimaginável que o U2 ainda possa estar por perto quando os membros da banda estiverem com seus 70 anos.
"Eu não sei, se estivermos escrevendo canções tão boas quanto essas", diz Bono. "Quero dizer, eu vi Leonard Cohen tocar em Dublin, e ele disse:" A última vez que eu estive na estrada, eu tinha 60 anos. Apenas um garoto com um sonho louco!'"
Adam Clayton acrescenta: "Quando você está trabalhando até 50 anos, você pensa: 'Oh, talvez haverá um tempo em que podemos relaxar e poderemos ser mais lentos, e nós poderemos aproveitar a vida um pouco." E então, quando você tipo cruza a marca dos 50, o seu pensamento tipo vai: 'Oh, por que você quer parar? Esta é realmente a melhor parte. Nós estamos realmente gostando disso, vamos continuar.' E isso é meio estranho, mas eu acho que há uma razão para que pessoas como Paul McCartney e Elton John ainda estão fazendo shows e gravando discos."

Mullen não se importa de ser uma voz discordante na banda de vez em quando.
"Algumas decisões não são bem recebidas, ou não são populares, mas não estou em um concurso de popularidade. Estou em uma banda."

Bono ama a banda Future Islands.
"Você já viu eles?", ele pergunta. "Aquela música "Seasons?" Um milagre, é isso."

A banda está pensando em uma estrutura de duas noites para sua turnê de 2015.
"Fala-se de fazer dois tipos diferentes de shows," diz Adam Clayton. "Uma noite iria ser barulhenta, rock explosivo, um tipo de evento e o show da outra noite seria com arranjos acústicos de algumas das canções e apresentar as músicas de uma forma muito mais íntima. Mas realmente não sabemos como isso vai parecer e soar." Uma coisa que a banda ainda não descobriu: como eles terão a certeza que o público entenderá antecipadamente qual dos shows eles irão assistir.

A banda se encontra em um processo humilhante de gravação e composição neste momento.
"Nós provavelmente temos 50 músicas", diz Bono. "Algumas vêm e vão à favor, e algumas que você pode levar à meio caminho do topo, três quartos do caminho até o topo. Muitas vezes, nós apenas não podemos levá-las até o topo da colina. E esse é o elemento humilhante. E há alguma humilhação em perceber que seu talento não está à altura da tarefa. E então você percebe que, depois disso, ninguém é talentoso. As pessoas que são mais espertas e mais criativas, mais prolíficas do que o U2, deixaram de ser capazes de obterem as canções, após 20 anos, 30 anos, e você não sabe por quê. E eu acho que a música é um amante ciumento, e você realmente tem que servir e esperar por ela."

Segredos Revelados: as gravações de 'Songs Of Innocence'

A Rolling Stone traz um making of do novo álbum do U2, 'Songs Of Innocence', com algumas curiosidades e revelações sobre as gravações e canções:

O álbum tinha uma potencial ordem diferente das faixas para execução.
Bono diz: "Esta ordem se iniciava com "This Is Where You Can Reach Me", que sempre foi suposta para ser a primeira música do disco, e então viria "Raised By Wolves".
E a razão para mudamos.... nós colocamos as músicas em primeiro lugar, e nós pensamos: "bem, se vamos ter provavelmente 5.000.000 pessoas verificando o álbum, talvez, uma introdução muito longa provavelmente não é uma boa idéia. Vamos colocar as músicas em primeiro lugar, como fizemos em 'The Joshua Tree'."

O carro-bomba referido na canção "Raised By Wolves" foi um evento crucial no despertar político de Bono.
""Perguntei a mim mesmo: por que eu estou sempre escrevendo sobre violência política? O que é isso?" OK, eu moro na Irlanda. E então eu lembrei de 1974, a minha quase colisão com este carro-bomba e as probabilidades disso e pensei: "É parte da razão?" Por acaso, peguei minha bicicleta para a escola naquele dia e eu não estava lá no momento. Qualquer outra sexta-feira eu estaria lá. É por isso que estou interessado? Talvez. E, você sabe, pessoas como eu provavelmente deveriam passar algum tempo no sofá do psiquiatra, mas eu não."

Até os últimos dois meses de gravação, "Raised By Wolves" era radicalmente diferente.
"Foi uma grande canção pop", diz o produtor Declan Gaffney, que co-produziu ela. "Sabe, Bono, quando ele escreve melodias, ele canta em uma linguagem chamada Bongolese, coisas que não são letras realmente corretas, até cerca de um mês ou dois antes de terminar a gravação. Então Bono veio com essas letras obscuras, e então nós meio que sentimos que a música realmente não coincidia com as letras. Então nós tentamos transformar a música em sua cabeça, para coincidir com as letras."

Existem linhas em "Volcano" onde o Bono mais jovem fala com seu eu atual.
"É o segundo verso, o jovem diz: 'seus olhos eram como as luzes de pouso / costumavam ser o mais claro azul/ agora você não vê tão bem / e o futuro vai pousar em você.' É esse cara jovem indo: "que porra aconteceu com você?" Em 'Songs Of Experience', haverá um pouco mais deste diálogo e acho que isso vai ficar muito interessante. Então, para um show ao vivo você pode imaginar 'Quadrophenia' onde Pete Townshend poderia aparecer a qualquer minuto e ter uma discussão com seu eu mais novo. Você sabe?"

Bono inicialmente imaginou "Every Breaking Wave" como algo na veia de "Every Grain of Sand" de Bob Dylan.
""Every Grain of Sand" era a canção favorita de Steve Jobs", diz Bono, "e ele disse: 'Você tem uma assim?', e eu disse: 'Eu acho que sim. Pelo menos nós começamos uma.' Eu poderia até mesmo ter lhe enviado a letra, logo depois que eu comecei. E não ouso comparar as duas músicas agora, só estou dizendo que a idéia era, "pode fazer uma música tão simples? Com você e o piano?" Era uma canção sobre como é difícil se entregar completamente para outra pessoa. E os dois personagens nela são viciados em fracasso e renascimento. Eu gosto da idéia de que eles dizem uns aos outros: 'estamos prontos? Estamos prontos para sermos varridos fora de nossos pés?" Adam Clayton foi mais como um dos personagens nessa canção que eu. E então ele foi e se casou! Ele demorou 52 anos ou o que quer que seja para ser varrido fora de seus pés. E ele chegou lá."

Larry Mullen pode ser um baterista muito bom.
"Meu momento é muito bom para um cara velho", diz Mullen com um sorriso. Durante a gravação de 'Songs Of Innocence', um dos produtores queria alterar o desempenho de Mullen para torná-lo menos perfeito. "Eles basicamente disseram: 'Nós temos que fazê-lo soar como se fosse ao vivo." É como, "isso é ao vivo"! A idéia é fazê-lo soar um pouco fora do tempo apenas no caso de alguém achar que é uma bateria eletrônica. Isso me causou muitas gargalhadas, e também algumas noites agitadas."

Bono sente que as letras em 'Songs Of Innocence' estão mais acessíveis do que qualquer coisa que ele já escreveu em anos.
"Edge estava muito preocupado em ficar tão pessoal, que parecesse nostálgico. Mas, estranhamente, por ser tão íntimo, é muito mais compreensível, porque o último álbum é bastante esotérico. Há temas esotéricos – como em 'Moment Of Surrender' o cara cai de joelhos em uma rua movimentada, ao lado de um caixa eletrônico. As pessoas estão dizendo: 'não fui capaz de entender por anos, mas este eu entendi."
"'Esotérico' seria uma boa maneira de descrever 'No Line On The Horizon," diz Edge. "Tinha uma certa escuridão introspectiva nele e sempre vou estar interessado no tipo de humor musical mais obscuro, mais melancólico. Mas nós podemos ter deslizado um pouco forte demais nessa direção, e nós queríamos esse registro para ser acessível a um leque mais vasto de fãs de música. Acho que o último registro foi muito um tipo de registro base de fãs de U2. Não acho que fizemos um monte de novos fãs com aquele registro. E com este álbum, eu acredito que nós podemos fazer isso. E me sinto muito mais confiante, por exemplo, nessa coisa toda que fizemos com a Apple com este álbum, que eu acho que eu teria sentido se fosse feito com 'No Line On The Horizon."

As lembranças de Bono sobre sua mãe, Iris Hewson

Bono fala de suas poucas lembranças sobre sua falecida mãe, Iris Hewson, e conta sobre a fita que inspirou a letra da canção "Lemon":

"Eu não tenho muitas memórias antigas da minha vida. Eu conversei sobre isso com meu irmão porque ele também não tem muitas lembranças. A única explicação que podemos dar para isso é que quando minha mãe morreu meu pai não falava nada sobre ela, nunca. Então, como resultado dela ter sido apagada da memória, simplesmente por não querer se lembrar dela, acho que muitas outras coisas foram apagadas também. É uma sina de cantores, perder a mãe. Aconteceu com Johnny Lydon. John Lennon. Parece ser o coração do rock, assim como perder o pai é para o hip hop.
Eu queria me lembrar mais da minha mãe. Eu me esqueço da sua aparência. Eu tenho apenas algumas vagas memórias. Meu pai costumava fazer coisas, ele era bom em fazer as coisas por conta própria e ele construía armários e esse tipo de coisa. Eu me lembro que ele estava no quarto no andar de cima e estava usando uma furadeira elétrica e de repente ouvimos um grito, um som louco. Minha mãe e eu corremos para a escada e olhamos para cima. Meu pai estava furando um pedaço de madeira enquanto o segurava entre as pernas e a furadeira escapou da madeira e foi direto nas suas partes íntimas. Ele estava em pé, com um olhar de “Eu me castrei!”, e eu lembro da minha mãe literalmente chorando de rir. Obviamente não sabíamos se ele tinha se castrado ou não, mas mesmo minha mãe sabendo que podia ter sido um acidente sério não conseguia parar de rir. Ela tinha um senso de humor muito negro.
Eu tenho algumas lembranças dela rindo desse jeito. Me lembro dela me perseguindo com uma bengala de madeira depois de eu ter feito algo errado. Eu estava correndo para longe dela, apavorado, mas quando eu olhei, ela estava morrendo de rir. Ela não conseguia levar a disciplina assim tão a sério. Essa é uma boa imagem para se guardar.
Foi uma experiência muito estranha receber pelos correios, de um parente muito distante, um filme Super 8 em câmera lenta, da minha mãe ainda nova, com 24 anos, mais jovem do que eu. Essa linda e jovem garota irlandesa, com uma cintura bem fina, curvilínea e com cabelos negros como de uma cigana. O filme era em cores e parecia extraordinário. Era um casamento, onde ela era a dama de honra vestida em um lindo vestido cor de limão.
Daí eu escrevi "Lemon", mas havia uma aspereza na letra. Havia duas coisas acontecendo, memória e perda, o retrato de uma garota em um vestido limão cintilante, que a deixava sexy e alegre e o fato de um homem se separar das coisas que ele ama."

A versão comovente de "With Or Without You" no encore de Mr. MacPhisto na ZOOTV

O clássico "With Or Without You", sobre relações impossíveis, na turnê ZOOTV do U2 fazia parte do encore para um fragilizado Mr. MacPhisto cantar a letra em um modo hesitante, olhando tristemente para a câmera e abraçando à si mesmo para o conforto.
Ele canta "Com ou sem você, meu amor" ("With or without you, my love") em uma partida da versão do álbum.
A parte "E você se entrega" ("And you give yourself away") às vezes era alterada para "E você entregou sua alma" ("And you give your soul away").
Muitas performances incluíram a popular coda "Shine Like Stars". No último show em Tóquio, ele incluiu um trecho de "Love Will Tear Us Apart" do Joy Division, repetindo "Amor, amor vai nos destruir novamente" várias vezes no final da canção.
A performance de "With Or Without You" no concerto em Sydney lançado oficialmente em video, apresenta uma estrutura radicalmente diferente, e é sem dúvida a versão mais comoventes da música já vista.
MacPhisto abre sua camisa enquanto ele canta "e você se entrega" ("And you give yourself away"), antes de fechar os olhos e se virar dolorosamente para a câmera na linha "minhas mãos estão atadas, meu corpo machucado" ("My hands are tied, my body bruised").
No ponto onde o silêncio da 'outro' começa no álbum, a banda lentamente constrói a música em um 'crescendo' com MacPhisto repetindo "E você doa ... e você doa ... e você doa ... e você doa" ( "And you give... and you give... and you give... and you give") com uma voz cada vez mais desesperada.
Atirando-se para a música como se estivesse sendo dilacerado, ele atinge o seu clímax com o final "Eu não posso viver, não posso viver com ou sem você / Com ou sem você ("I can't live, I can't live, with or without you / With or... without you").


www.canadanne.co.uk/macphisto/profile.html#wowy

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

"Nunca esquecemos que o público é quem paga os nossos salários"

"Há quem diga que entrei para o U2 para salvar o mundo. Eu entrei para o U2 para salvar à mim mesmo" 

Bono: "Os integrantes da banda ficam surpreendidos com a minha atração pela não-violência, pois sabem que o cantor é quem mais pode tirar partido das músicas. Compreendem a razão pela qual me sinto tão atraído por estes personagens, pelos personagens das músicas – pois no meu dia-a-dia e na minha maneira de ser sou muito diferente deles. Existe uma fúria dentro de mim e não tem tudo a ver com injustiça. Desenvolvi bons modos de disfarçá-la.
Agora me controlo melhor, mas costumava ser difícil falar comigo depois de um show, pois durante uma hora eu iria estar muito agitado e, se a atuação não tivesse corrido bem, eu me sentia traiçoeiro e melindroso.
Os bastidores de um concerto do U2 são mais como um camarim após uma luta de boxe ou um jogo de futebol, do que um concerto de rock. Temos de nos lembrar que, para o U2, todas as noites têm de ser as melhores. E se não são, tem de haver uma razão. Temos padrões bastante elevados e nunca esquecemos que o público é quem paga os nossos salários.
A nossa audiência merece a melhor seleção de músicas possível, não basta ‘despejar’ umas quantas para mantê-los entretidos. Eu consigo perceber quando o público está perdendo o interesse e sou garoto para mandar um explosivo para o meio deles, sendo que o explosivo provavelmente seja eu. Acendam o rastilho e vejam o que acontece.
Para cantar aquelas músicas e atingir as notas elevadas é necessária uma grande dose de concentração e empenho. Temos de entrar nas músicas e vivê-las. Seja no centro de Derry tocando "Sunday Bloody Sunday" ou em Memphis num comício sobre os direitos civis com o Dr. King, cantando "Pride (In The Name Of Love)". Eu estou lá. Um colega está destruindo a vida dele com uma dose de droga. É "Bad". Temos de viver essas emoções. Creio que os membros da banda conseguiram perceber que eu chego a esses lugares. Em alguns momentos, deve ter sido bastante complicado para eles, pois o cantor se ausentava mesmo."

Bono não reconheceu o sotaque de Bono em 'Killing Bono'

O filme 'Killing Bono' documenta a ascensão do U2 desde seu primeiro show ainda sob o nome The Hype ao auge de sua fama como a maior banda do mundo.
Bono no filme é interpretado pelo ator Martin McCann.
E Bono conta o que sentiu ao vê-lo na tela sendo interpretado por Martin: "Quando fomos para ver a estréia de 'Killing Bono'... há um ator talentoso, Martin McCann, me interpretando no filme. Mas eu disse para o Edge: "que sotaque é esse com que ele está falando?" - porque eu não reconheci. Edge disse: "Esse é o sotaque que você costumava fazer nas entrevistas". Minha voz ao telefone! Obviamente, ele tinha feito sua pesquisa no YouTube."

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Áudio: "U2 Unplugged & Talk" na íntegra

"U2 Unplugged & Talk" na íntegra, gravado em Oberhausen, Alemanha, e transmitido na rádio alemã. Traz canções acústicas do disco 'Songs Of Innocence', além de um velho hit da banda!
A banda reinicia "Song For Someone" após problemas:

Áudio: "I Will Follow" ao vivo com a U2Cover de São Paulo

U2Cover de São Paulo (www.u2cover.com) é a primeira e mais famosa banda cover do U2, que em 1989 deu inicio à onda de bandas cover de uma banda só. São 25 anos levando a música do U2 pelos 4 cantos da América Latina!
O vocalista Éverson Cândido é o único componente que continua na estrada desde o inicio da banda.

Em 2005/2006, o site da banda U2Cover disponibilizou uma série de áudios em MP3 de performances ao vivo, com qualidade soundboard!

O Facebook da banda é o U2Cover

O áudio de hoje é uma performance de "I Will Follow" com a U2Cover de São Paulo:

"Daddy's Gonna Pay For Your Crashed Car" abrindo o encore de Mr Macphisto na fase final da turnê ZOOTV

"Daddy's Gonna Pay For Your Crashed Car" abriu os encores com Mr Macphisto na perna final da turnê ZOOTV na Austrália, Nova Zelândia e Japão.
No concerto lançado oficialmente, 'U2 ZooTV Live From Sydney', MacPhisto começa a canção em seu opulento camarim nos bastidores, assistido pelo público nos telões. Ele termina de aplicar sua maquiagem, canta admirando seu reflexo no espelho, e veste o casaco dourado, auxiliado por suas assistentes de guarda-roupa, Nassim Khalifa e Helen Campbell, antes de expulsar todas do local.
Acenando para ninguém em particular, no caminho, ele surge no palco em um frenesi de danças selvagens, a tempo para o verso de "head full of traffic".
MacPhisto injeta um pouco mais de emoção para a canção, do que ela é na versão do álbum 'Zooropa'. Como foi especulado que o "Papai" na canção pode referir-se ao diabo, parece bem adequado para ele.
Bono disse em uma entrevista em setembro de 1993 para a Q magazine, que "há certamente uma sensação do mal em "Daddy's Gonna Pay For Your Crashed Car". Essa canção poderia ser sobre dependência, ou algo mais sinistro. É um blues eletrônico, minha coisa de Robert Johnson. Vendendo a alma ao diabo."
Divertidamente, "A-HA, SHA-LA" aparece em grandes letras no telão cada vez que a linha é cantada.


www.canadanne.co.uk/macphisto/profile.html#dgpfycc

"Get On Your Boots": o single errado de 'No Line On The Horizon'

O álbum de 2009 do U2, 'No Line On The Horizon', teve uma vendagem decepcionante comparado aos discos anteriores da banda, e não teve singles de sucesso.
A banda admite que as sessões finais de gravação, que aconteceram em Londres, foram caóticas. A banda tinha três produtores diferentes - Brian Eno, Steve Lillywhite e Will.i.am, trabalhando sem parar, em estúdios separados.
Sobre isso, Bono disse: "É verdade, e eu não quero fazer isso novamente."
Adam Clayton: "Estávamos todos trabalhando em registros diferentes, na verdade. Foi difícil. Eu ainda acho que é um registro forte. Eu escutei isso recentemente, mas nó fomos absolutamente traídos pelo single errado, "Get On Your Boots". Nós enganamos a nós mesmos.
"As músicas do disco são inacabadas. Ainda assim, ele tem algumas boas músicas", revela Larry Mullen.
The Edge: "a coisa mais difícil para qualquer banda fazer é a "alegria"... alegria de verdade. É tão raro na música e tivemos muito pouco de alegria no final das gravações deste disco. Mas é poderoso... "Unknown Caller", que ainda acho que é um dos nossos grandes momentos; "Moment Of Surrender" é um clássico; "Get On Your Boots" - ao vivo, é muito boa...
Bono completa: "Alguém me disse que até o Natal daquele ano, cinco milhões de cópias haviam sido vendidas, e que é o equivalente do que 'All That You Can't Leave Behind' vendeu em 2000. Embora os números não sejam interessantes, quando não se tem uma canção de sucesso, o que não fizemos, isso ainda é incrível. É um álbum que foi levado para o coração por um público muito particular e ele não apareceu na consciência pop, então nesse sentido não conseguimos o que queríamos. No entanto, é uma grande peça de trabalho... é complexo, e eu tenho muito orgulho disso."

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Stories Of Innocence - Parte II

'Songs Of Innocence' é inspirado nos primeiros dias do U2 em Dublin – os shows que iam, os lugares frequentados por eles, os amigos que fizeram.

Essa história do surgimento do U2, o final dos anos 70, é capturado melhor do que em qualquer lugar, no livro North Side Story, a publicação especial da Hot Press, para os assinantes do U2.COM

Abaixo, algumas das ligações que fazem de 'Songs Of Innocence' e North Side Story uma combinação perfeita:

6. A estrela da capa de 'Boy' também foi um dos vizinhos
Ao longo do caminho dos Hewsons na Cedarwood Road viveu os Rowens. 'Que a família era uma tribo do antigo testamento', Bono escreve nas notas do encarte. 'Eu aprendi muito com eles.' Seu amigo Derek Rowen - conhecido como Guggi - foi um do clã. Mas dentre os irmãos mais novos de Rowen, Peter também ganhou destaque na iconografia de U2 - sendo fotografado, com uns cinco anos de idade, para a capa de 'Boy' e mais tarde 'War', aparecendo também no vídeo de "Two Hearts Beat As One".
'Bono estava muitas vezes em nossa casa', relembra Peter em North Side Story. 'Eu era apenas uma criança, mas um dos meus irmãos mais velhos disse que ele costumava comer nossos sanduíches de geléia. A mãe dele morreu quando ele era muito jovem, e sua própria casa, muitas vezes estava vazia e ele vinha para ter um pouco de companhia.'

7. As primeiras influências artísticas na Cedarwood Road
Guggi tem sido um amigo e confidente ao longo da carreira do U2. 'Eu pinto com Bono desde a infância', ele relembra em North Side Story. 'O pai dele fez algumas mesas pequenas para nós na garagem da casa geminada na Cedarwood Road, onde ele viveu, e gostávamos de ficar na garagem e desenhar e pintar. O pai do Bono, ele mesmo foi um pintor, nos dava a crítica ao ver nosso progresso.'
Guggi acabou por se tornar, nas palavras do editor da Hot Press, Niall Stokes, "um dos artistas mais bem sucedidos da geração moderna na Irlanda".
'Enquanto a atmosfera de estagnação em Dublin foi profunda para os meninos crescendo nela, e se tornando jovens, por baixo de tudo isso, as correntes de mudança de longo alcance foram se agitando' lembra Stokes. 'Aos poucos arranhando seu caminho para fora do anonimato de sua educação suburbana do lado norte, o U2 e seus companheiros em muitos aspectos viriam encarnar sobre tudo o que essa mudança foi.'
Pintura permaneceu uma parte importante da relação artística para os residentes da antiga Cedarwood Road. 'Mais tarde, durante The Joshua Tree', diz Guggi, 'a banda teve esta grande casa nas colinas de Dublin, com muitos quartos, onde eles montaram seu estúdio. Bono pediu para eu e Gav irmos lá e pintar, e nós fizemos. Nós três tínhamos pintado nas noites de quarta-feira por diversos anos.'

8. Mais forte do que o medo
Outro do clã Rowen, Andy (Guck Pants Delaney, nós costumávamos chamá-lo)', Bono escreve nas notas do encarte, inspirou a canção "Raised By Wolves". Ele estava em Talbot Street, trancado na van do seu pai, em 17 de maio de 1974 quando uma bomba explodiu, matando 33 pessoas. Como diz a letra: 'Estou numa van branca como um mar vermelho cobrindo o chão'.
Na introdução do livro, Niall Stokes descreve como o fermento artístico e cultural em 1970 em Dublin desempenhou um papel crucial na ajuda aos jovens, tanto a privação social e os problemas políticos. 'O sectarismo e o isolacionismo que se apoderou do país por... 50 anos teve um efeito surpreendentemente negativo, repressivo', ele diz. Ainda durante este momento decisivo na história da cidade, 'uma raça menos convencional de artistas e ativistas - pintores, poetas, dramaturgos, atores e músicos reunidos [em seus lugares favoritos, tais como o Project Arts Centre] num espírito de aventura e experimentação.'

9. O pôr do sol alaranjado deixa você de joelhos
O encarte observa novamente: 'LA parecia ser o oposto de Dublin. Adoramos estar em algum lugar entre extremos. Eu me lembro, Edge, Larry, Adam e eu saindo de um avião na Califórnia e olhando uns aos outros como 'isto é melhor que os filmes e isso é só o aeroporto!'
Era primavera de 1981, quando o U2 desembarcou na Califórnia para seu primeiro show em Los Angeles. E Charlie McNally, exilado de Dublin, vivendo em Los Angeles, estava dando uma mão para assistir a banda lançar sua invasão dos EUA e fez um relato para a Hot Press. A banda tocou no Country Club, relatou ele, 'o local de maior prestígio em Los Angeles' e 'o U2 tomou o lugar de assalto."
Um jovem Paul Hewson pediu para McNally dois anos antes, se o U2 poderia tocar como apoio 'de graça' para sua própria banda, no Stardust [discoteca] em Artane. 'Nem imaginava que apenas dois anos mais tarde eu seria testemunha dessa mesma banda tocando em uma California ensolarada,' escreveu McNally. 'Esta noite, eu tive o prazer de observar um pequeno parágrafo na história da música rock irlandesa - a estréia do U2 em Los Angeles.'

Stories Of Innocence - Parte I

'Songs Of Innocence' é inspirado nos primeiros dias do U2 em Dublin – os shows que iam, os lugares frequentados por eles, os amigos que fizeram.

Essa história do surgimento do U2, o final dos anos 70, é capturado melhor do que em qualquer lugar, no livro North Side Story, a publicação especial da Hot Press, para os assinantes do U2.COM

Abaixo, algumas das ligações que fazem de 'Songs Of Innocence' e North Side Story uma combinação perfeita:

1. Tocando músicas dos Ramones para a imprensa musical.
"Depois dos Ramones", escreve Bono nas notas do encarte de 'Songs of Innocence', "eu poderia tentar ser eu mesmo como um cantor." Vendo Joey Ramone cantar ("como uma menina") inspirou o vocalista do U2 para encontrar o seu próprio estilo, mas quando o influente funcionário da Hot Press, Bill Graham, chegou em um ensaio da banda nos primeiros dias, é justo dizer que eles não estavam sendo inteiramente eles. Paul McGuinness relembra o incidente em North Side Story:
"Eles tocaram algumas músicas que Bill imediatamente reconheceu como sendo canções dos Ramones, o que foi um pouco embaraçoso", ele lembra. "Mas mesmo assim ele ficou impressionado com a coisa. Está bem documentado que foi Bill que posteriormente me apresentou a banda e me disse que eu estava indo para gerenciá-los."

2. Cuspes à distância do The Stranglers
'Estávamos apaixonados com a cena punk rock', como ele diz nas notas de 'Songs Of Innocence'. Os membros adolescentes da banda estavam no local para ver os Ramones e The Clash em Dublin durante esses anos de formação e "The Miracle" e "This is Where You Can Reach Me Now" prestam homenagem a Joey Ramone e Joe Strummer, respectivamente.
Mas em outubro de 78, a banda agarrou a chance de desempenhar seu próprio papel na cena emergente, marcando um show de suporte para o The Stranglers, no Top Hat, Dun Laoghaire. Larry tinha visitado o promoter Pat Egan da loja de discos em Duke Street, com a mensagem de que o U2 era digno de uma participação maior. 'Ele era um rapaz muito educado, bem como um jovem muito persistente', recorda Egan em North Side Story. 'Então quando as pessoas dos The Stranglers me disseram que eles não estavam trazendo um ato de apoio com eles eu pensei, 'Ok, eu vou dar para esses caras do U2 fazerem.'
Acontece que o The Stranglers chegaram atrasados para sua passagem de som, então o U2 não teve uma. A guitarra de Edge estava dando problema, e 1.800 fãs dos Stranglers não só cuspiam, mas arremessavam cigarros acesos no U2. Rumores davam conta também, que o U2 tinha chateado os headliners roubando cerveja de seu camarim. Mas ainda, a revisão da Hot Press - que você pode ler em North Side Story - foi gentil: 'eles não olharão para trás nisso, como um de seus conjuntos mais satisfatórios... mas o show foi um passo gigante. Dadas as circunstâncias, eles já se absolveram com orgulho.'

3. Rendição total
'Vividamente lembro quando vi pela primeira vez o Clash', recorda Edge. 'Foi em Dublin em outubro de 1977, em um local de capacidade de 1200 pessoas no Trinity College. Teve um impacto enorme ao redor. Não era só diversão. Foi uma coisa de vida ou morte. Eles fizeram o possível para que levássemos nossa banda a sério. Mostraram-nos o que precisávamos. E era tudo sobre o coração.' Como "This is Where You Can Reach Me Now" diz, 'Nós assinamos nossa vida fora / Rendição total....'

4. Irlanda na década de 1970, um lugar difícil de crescer.
'Foi uma zona de guerra na minha adolescência,' canta Bono em "Cedarwood Road" e o amigo Gavin Friday, 'que vivia no topo da Cedarwood Road', concorda. 'Parecia um terreno baldio', relembra, em North Side Story. 'O jeito que me lembro, havia uma violência incrível em todos os lugares em Dublin no momento. A quantidade de espancamentos que sofri foi incrível, mesmo indo pegar um ônibus....
Ele se lembra de ir ver o U2 no Baggot Inn, em Dublin, quando 'a platéia que era conhecida como Black Catholics, vieram e começaram a atirar coisas no palco. Acho que o Bono pulou e foi para cima deles... Sempre foi Bono, Guggi que me defendia.' Cedarwood Road em si era 'cheia de pessoas que eu ainda admiro e amo', Bono escreve no encarte do disco. 'Como Gavin Friday.'

5. 'Todos nós estamos se perguntando por que estamos aqui...'
...sob o lustre no salão de baile de cristal. 'O mapa 'North And South Of The River: Wandering In U2's Dublin', publicado com North Side Story, carrega dezenas de locais notáveis​​, incluindo a localização do McGonagles na South Anne Street, originalmente conhecido como The Crystal Ballroom. Uma geração de pessoas iam dançar lá, incluindo os pais de Bono. 'A canção "The Crystal Ballroom", sou eu me imaginando no palco do McGonagles com esta nova banda que eu chamo de U2 - e nós tocamos um monte de nossos antigos shows iniciais lá - e eu olho para a pista, no público, e vejo minha mãe e pai dançando romanticamente juntos para o U2 no palco."

As perguntas e respostas de "U2 Unplugged & Talk"

O U2 gravou dias atrás para a rádio alemã NRW, um set acústico de músicas de 'Songs Of Innocence' e um hit antigo, em um evento chamado "U2 Unplugged & Talk", que vai ao ar hoje na rádio.
No evento, os presentes não só tiveram a chance de ver o U2 em um ambiente íntimo, mas também fizeram perguntas para a banda. O apresentador também fez perguntas para a banda.

O site u2tour.de disponibilizou todas as perguntas feitas e as respostas dadas pela banda, e aqui no blog você verá as mais interessantes:

[Membro da platéia] Vamos ouvir "Acrobat" sendo tocada ao vivo?

[Edge]: Você sabe, já tivemos alguns pedidos para "Acrobat" recentemente, por isso temos que pegá-la e aprender a tocá-la novamente. Lembro de sua gravação, e tudo veio junto muito rapidamente, talvez por isso...

[Mittermeier] Mais uma pergunta. Recentemente, me deparei com um trailer na internet para The Walking Dead, meu programa de TV favorito, tendo a sua canção "The Troubles". Vocês decidem isso ou, de um modo geral, você só vai saber quando alguém usa sua música em um trailer?

[Bono]: Norman Reedus (ator em TWD) é um amigo nosso. Então nós conhecemos as pessoas em The Walking Dead.

[Sabine u2tour.de]: Oi, meu nome é Sabine do u2tour.de, o maior site alemão do U2, e estávamos pensando, se vocês seguem websites do U2 em todo o mundo, quanto vocês lêem sobre eles e o quanto vocês se importam?

[Edge]: Bem, nós realmente apreciamos todos os fansites, porque eles fazem um bom serviço de compartilhamento de informações e isso é uma grande expressão ou achamos que é uma grande expressão a respeito que nossa música está ajudando. E isso significa muito para nós e sim, nos conectamos, podemos ouvir, ler e ver o que está acontecendo lá fora e é sempre divertido ver o que as pessoas estão captando, as novas músicas, as novas letras e as conexões sendo feitas. Fico espantado como rápidas e astutas as pessoas são, você sabe que às vezes pensamos que "Não, eles não vão conseguir" – é sempre surpreendente a rapidez com que as pessoas fazem essas pequenas conexões.

[Bono]: Eu tenho um filtro. É necessário para a sobrevivência. Então vou poder ver apenas as coisas realmente grandes, grandes coisas inteligentes e as porcarias realmente inteligentes. E não vejo o resto. Então eu sei o que está acontecendo quando há algumas dicas, algumas idéias que está em torno dos concertos ou através de sites. Sempre verifico. Mas às vezes é melhor para mim, não visitar esses lugares, pois eu poderia ser assaltado, emocionalmente.

[Dirk u2tour.de] Obrigado por este trabalho incrível. Minha pergunta é para o Larry. Como você vai colocar juntas as músicas para os setlists da nova turnê? Considerando as músicas favoritas dos fãs inveterados e os frequentadores de concertos por uma única vez e também as músicas favoritas de cada membro do U2? Como colocar isso num setlist?

[Larry]: Vai ser difícil de montar o novo setlist, com certeza. Eu acho que neste disco, há um monte de músicas e de maneira egoista, eu gostaria de pensar que um monte de músicas novas irão substituir um monte de músicas antigas, porque não podem estar lá o tempo todo, então o que eu gostaria de pensar é se podemos fazer três ou quatro shows no mesmo lugar, e mudarmos os setlists de todas as noites, completamente.

[Bono]: Eu acho, que eu estaria interessado em saber quais setlists sairiam dos fansites, que seria realmente útil para saber quais são as músicas favoritas.

[Membro da platéia] Minha pergunta vai para Larry. Você pode aceitar o meu pedido hoje e me dar um autógrafo na capa do CD?

[Larry]: Quanto de dinheiro você tem aí?

Larry Mullen sobre cena do filme 'Rattle And Hum': "só as meninas choram"

Alguns anos atrás, foi perguntado para os integrantes do U2, qual tinha sido a última vez que eles assistiram o filme-concerto 'Rattle And Hum'.
Bono e Edge deram suas respostas, mas nenhuma delas superou a de Larry Mullen!

Bono: "Eu não assisto desde que ele foi lançado!"

Edge: " Não assisto há alguns bons anos. É muito difícil de assistir... eu não podia acreditar que estávamos tão tensos. Na maior parte nós nos sentimos fora de nossa profundidade. Estávamos literalmente como coelhos nos faróis. Não há nenhum indício de humor - são apenas quatro caras incrivelmente tensos."

Larry Mullen: "A ideia original era boa. Colocadas em um mau conselho, além de algumas decisões ruins, e isso equivale a um filme porcaria. Eu ainda não consigo assistir a uma cena [a do túmulo de Elvis em Graceland]. Mas a ficção é que Mullen chora nele. Só meninas choram."

U2 em L/R: "Lucifer's Hands"

O músico Márcio Fernando (da página U2 SONGS do Facebook), é colaborador e seguidor aqui do blog!

Hoje ele disponibiliza os áudios dos canais separados da faixa "Lucifer's Hands" do disco bonus de 'Songs Of Innocence'!

No L, logo nos primeiros segundos da introdução ouvimos no mix um som que lembra um disco de vinil riscado.
O vocal de fundo de Edge aqui continua sendo ouvido mesmo depois que entra o som de guitarra.
Os acordes de baixo de Adam neste canal são perfeitamente ouvidos. Os instrumentos são mais separados, a guitarra não aparece com tanto destaque. O vocal de Bono é ouvido com mais nitidez, assim como os sons ao fundo e os backing vocais.
Após o refrão, novamente é ouvido aquele som da introdução, como se fosse um vinil riscado.

Lucifer's L



No R também ouvimos bem o som da introdução que foi comentado no L. Já é um canal mais preenchido com sons e efeitos, e a guitarra é destacada.

Lucifer's R

domingo, 26 de outubro de 2014

U2 tocou “Every Breaking Wave” acústica com orquestra, para o programa 60 Minutes da Australia

Hoje foi ao ar um segmento dedicado ao U2 no programa 60 Minutes da TV australiana. Este segmento incluiu uma entrevista e uma performance ao vivo acústica de "Every Breaking Wave", com a banda completa e uma seção de cordas.
A entrevista foi conduzida por Georgie Gardner e foi gravada na semana passada em um estúdio de Londres, enquanto o U2 estava na cidade.
Sobre a controvérsia em relação à forma de lançamento de 'Songs Of Innocence', The Edge disse: "O que nos levou 30 anos com 'The Joshua Tree', nós fizemos em três semanas com 'Songs Of Innocence', o que é uma loucura", disse Bono.
Bono também falou sobre o ex-líder falecido do INXS, Michael Hutchence: "Nunca os vi como rivais, eles foram ótimos. Temos uma casa na França, nós a dividiamos, e todos os membros da banda iam para lá e passávamos os verões na França. Nós escreviamos e estávamos sempre lá. Mesmo agora, tantos anos depois, há uma cadeira à mesa e ele não está lá, você me entende?", ele disse quase em lágrimas.
Em sua longevidade como uma banda, The Edge acredita que todos os motivos para estarem juntos por 38 anos é porque "nós éramos amigos antes de sermos uma banda e essa é a chave." Ele admitiu que poderia imaginar o fim do U2, mas mesmo assim continuaria compartilhando suas vidas. "Seríamos amigos mesmo que o U2 deixasse de ser uma banda", disse The Edge. "É claro", interrompeu Bono.


Agradecimento: U2 NEWS

"Desire", a canção de abertura para o encore de Macphisto na Europa em 1993

"Desire" era a canção de abertura para o encore com Mr. MacPhisto em cada um dos shows na perna Zooropa, pela Europa, da turnê ZOOTV.
Nas pernas anteriores a canção era executada pelo personagem Mirrorball Man, e como tradicionalmente "Desire" tinha uma sensação um pouco americana, tornou-se uma escolha curiosa para Mr. MacPhisto pela Europa.
Nestas performances, Macphisto cantava a letra com sua voz característica, e se movia de forma provocadora, gemia de prazer, mandava beijos, fazia dança flamenca, fazia poses e flertava com Adam, na parte que cantava "Eu estou queimando, sim..."
Na segunda metade da turnê, regularmente ele anunciava sua chegada com "querida, estou em casa!"
Ele também dava uma representação literal para algumas das letras da música, imitando a "espingarda" e jogando as notas Zoo ECUs no ar quando cantava a linha "por amor ou por dinheiro!"
MacPhisto exibia seu talento musical tocando gaita no final. Ele geralmente fechava a canção com uma série de gritos como "que noite! Que show! Que cidade!", seguido por "Zooropa! Zooropa! Myyy Zooropa..."

No segundo show em Roma, MacPhisto viu uma boneca sexual inflável de tamanho natural no meio da multidão e anunciou "Ela se parece com o meu tipo de garota!"
Seguiu em direção a ele dizendo "Venha agora, bebê...", e a boneca foi passada para a frente e para o palco, onde MacPhisto ficou cerca de um minuto dançando com ela, até que ele a esvaziou e ela caiu mole sobre seu braço. "Isso acontece com todas as minhas namoradas!" ele reclamou!

www.canadanne.co.uk/macphisto/profile.html#desire

MAD Edge


The Edge conta sobre o trauma na sua infância, com sua aparência:

"Eu era um bebê muito fofo, eu vi as fotos. Mas quando eu tinha mais ou menos 5 anos algo começou a acontecer que mudou minha aparência radicalmente. Não estou falando de acidentes ou algum caso clínico, mas uma transformação gradual. E também não quero dizer que eu me tornei uma das crianças mais feias, mas minha aparência começou a alarmar adultos que me viam pela primeira vez e despertou olhares de desapontamento dos meus pais.
Minha cabeça cresceu, muito rapidamente para um tamanho absurdamente grande. Não era uma cabeça desproporcional, em alguns contextos era até bem bonita, mas com esse crescimento incomum, eu comecei a parecer com o garoto da capa da revista MAD.
Juntamente com a cabeça vieram os dentes, ou especificamente os meus dois dentões da frente. Quando eles apareceram saltando das minhas gengivas eu sabia que algo estava errado. O tamanho deles era óbvio desde o início, e eles cresceram de uma forma terrivelmente inevitável. Não importava o que eu fazia com a minha boca, não tinha como escondê-los, então quando eu tinha 7 anos, o look completo da revista MAD estava pronto.
Tudo se tornava mais difícil porque meu melhor amigo Shane, uma pessoa de quem eu era praticamente inseparável desde que tinha 2 anos, lembrava muito o Paul Newman quando era jovem, completo com dentes perfeitos e olhos azuis de cornflower (uma flor azul, conhecida no Brasil como Escovinha). Ele sabia disso, assim como todo mundo também sabia. Um ano mais velho que eu, o Shane era super popular, um grande atleta e de alguma forma meu oposto. É engraçado como até quando se é criança dá para perceber essas coisas. Eu passei por anos de formação (época em que o caráter e conhecimento de uma criança estão sendo formados) como o famoso patinho feio, com o meu amigo Shane como um lembrete constante de que eu não era nada especial. O resultado foi que cresci ainda mais tímido e estranho. Eu acho que esse tipo de experiência ou te constrói ou te quebra. E no meu caso, ter uma família que me apoiava muito ajudou bastante. Eu não percebia isso na época."

sábado, 25 de outubro de 2014

Bono em seus ouvidos: "I Still Haven't Found What I'm Looking For" no Harlem em 1987

O músico Márcio Fernando (da página U2 SONGS do Facebook), é colaborador e seguidor aqui do blog!

No áudio de hoje, o fantástico vocal destacado de Bono em "I Still Haven't Found What I'm Looking For", no Harlem em 1987, que foi utilizado no filme-concerto 'Rattle And Hum' em 1988!
Há detalhes incríveis no vocal de Bono, que não se percebe na versão normal da performance:


Bono em seus ouvidos I Still por U2songs

Bono e The Edge no The Late Late Show em Dublin

Bono e The Edge participaram do The Late Late Show em Dublin nesta sexta feira, onde deram uma entrevista para o apresentador Ryan Tubridy.
A dupla tocou de forma acústica, "The Miracle (Of Joy Ramone)" e "Every Breaking Wave."
O vídeo completa do programa se encontra abaixo:


Agradecimento: @U2

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

U2 toca ao vivo pela primeira vez a canção "California (There Is No End to Love)"

O U2 se apresentou recentemente na abertura e no encerramento do programa Later... With Jools Holland, como parte da turnê promocional de 'Songs Of Innocence'.
Pela primeira vez, a banda apresentou ao vivo a canção "Volcano", e mais tarde, foi a vez de "Every Breaking Wave".
Uma terceira canção com o U2 foi gravada, e foi transmitida hoje. Foi estreia ao vivo de "California (There Is No End to Love)".
A banda tocou uma versão diferente da original. Mais crua, mais curta, mais rock, despida de todos aqueles teclados da versão do álbum.
Bono cantou um trecho de uma canção dos Beach Boys, que foi uma das inspirações para a faixa: "Na primeira vez que fomos para a California, eu queria ver a casa de Brian Wilson, era suposto que tivesse uma caixa de areia com um piano nela... e eu amo os Beach Boys.
Eles trouxeram ritmo para o corpo, melodia para a mente, harmonia para o espírito ... etc
Brian também cantava como uma menina."

"U2 Unplugged & Talk" teve gravação na Alemanha e será transmitido daqui uns dias

O U2 gravou hoje para a rádio alemã NRW, um set acústico de músicas de 'Songs Of Innocence' e um hit antigo, em um evento chamado "U2 Unplugged & Talk".
A audiência foi constituída por 200 vencedores de um concurso.
O programa vai ao ar na rádio no dia 27 de Outubro!
A banda tocou "The Miracle (of Joey Ramone)", "Every Breaking Wave", "Cedarwood Road", "Song For Someone" e "Stuck In A Moment You Can't Get Out Of".
A banda teve problemas com "Song For Someone", e então pararam de tocar e reiniciaram a performance.
No final do show, Bono ficou descontente com a performance de "The Miracle (of Joey Ramone)" e então o U2 tocou novamente a canção.

Áudio: "New Year's Day" ao vivo com a U2Cover de São Paulo em Cochabamba, Bolivia

U2Cover de São Paulo (www.u2cover.com) é a primeira e mais famosa banda cover do U2, que em 1989 deu inicio à onda de bandas cover de uma banda só. São 25 anos levando a música do U2 pelos 4 cantos da América Latina!
O vocalista Éverson Cândido é o único componente que continua na estrada desde o inicio da banda.

A U2Cover já tocou fora do Brasil, se apresentando em Cochabamba e Santa Cruz de La Sierra, Bolivia, na “Feria Internacional”, para um público estimado em 9.000 pessoas.

Em 2005/2006, o site da banda U2Cover disponibilizou uma série de áudios em MP3 de performances ao vivo, com qualidade soundboard!

O Facebook da banda é o U2Cover

O áudio de hoje é uma performance de "New Year's Day" com a U2Cover de São Paulo! O áudio foi registrado em Cochabamba, Bolivia:

The Edge fala sobre a gravação em Las Vegas do videoclipe de "I Still Haven't Found What I'm Looking For"

The Edge contou em entrevista no ano de 1987: "A sensação que se tinha era a de que toda Las Vegas estava desesperadamente querendo ser levada a sério, como uma cidade apropriada e um lugar apropriado para viver e trazer os seus filhos e todas essas coisas, em oposição à sua imagem.
Eles estavam muito satisfeitos que uma banda de credibilidade como o U2 iria para lá para tocar. Embora na verdade estávamos lá precisamente pela razão pela qual eles estavam fingindo não existir. De ver todos os jogos de azar, para ver toda a estranheza do povo americano, que vem com as suas economias do ano todo para Las Vegas, para geralmente perder tudo.
Descobrimos que isso é fascinante e é por isso que nós fomos lá.
O videoclipe de "I Still Haven't Found What I'm Looking For" foi perfeito para ser gravado naquele lugar. Foi uma diversão real gravar aquilo. Demos muitas risadas.
Havia muita gente por ali e nós fomos seguidos por este bando enorme de pessoas. No entanto, não foi um problema isso, porque filmes significam muito na América, e as pessoas farão qualquer coisa se houver uma equipe de filmagem em volta. Você pode obter uma autorização para filmar em qualquer lugar."

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Bono confirma trilogia de novos discos do U2 e promete lançamento de 'Songs Of Ascent'

O U2 é capa da nova edição da Revista Rolling Stone internacional, e uma das revelações da matéria é que, como se imaginava, os novos discos do U2 serão uma trilogia!
Bono está prometendo um álbum de acompanhamento para 'Songs of Innocence', que será chamado de 'Songs of Experience', que ele espera que seja lançado em 18 meses a partir de agora. "Nós estamos esperando que 'Songs of Experience' seja menos sobre intimidade", diz o baixista Adam Clayton, "e mais sobre a celebração."
O U2 planeja passar da turnê indoor (locais fechados) de 'Songs Of Innocence', para uma turnê outdoor (estádios e locais abertos) quando 'Songs Of Experience' for lançado.
E há outra reviravolta: em 2009, Bono prometeu que rapidamente o disco 'No Line On The Horizon' iria ganhar um álbum companheiro mais meditativo, chamado 'Songs of Ascent'.
E o disco não foi lançado, e não havia mais nenhum sinal dele, mas agora Bono o vê como a terceira parte da trilogia. "Songs of Ascent virá", ele promete. "E há algumas canções bonitas."

O motivo de Bono ter reescrito a letra de "Iris (Hold Me Close)"

O U2 é capa da nova edição da Revista Rolling Stone internacional, e uma das revelações da matéria é que Bono reescreveu a letra de "Iris (Hold Me Close)", uma canção intimista sobre sua falecida mãe, após ficar profundamente comovido com a carta do refém do grupo ISIS, James Foley, para a sua família.
"Percebi", Bono diz, "que nós todos seremos lembrados, e nós lembramos de nossos entes queridos, pelos momentos menos profundos. Os momentos mais simples. Na carta, ele diz ao seu irmão: 'eu me lembro de brincar de lobisomem no escuro com você.' Se eu fizer uma rápida saída, deixar o palco, minha família e amigos não estarão pensando sobre o cancelamento da dívida ou, sabe, lutando pela medicação de HIV/AIDS, ou do U2 sendo capa da revista Rolling Stone, ou 50 milhões de pessoas ouvindo 'Songs Of Innocence'. Eles podem lembrar de algumas caretas estúpidas que eu fiz no café da manhã."

Enquanto esteve preso em cativeiro na Síria, o jornalista americano James Foley era proibido de escrever. Ciente de que poderia não sair de lá com vida, pediu a uma companheira de cela que, quando fosse libertada, entregasse à sua família e amigos uma carta.
Na carta, Foley conta que dividia a cela com outros 17 reféns e que as conversas sobre amenidades e os jogos de xadrez e damas -feitos com restos encontrados na cela- ajudaram a passar o tempo.
"Tentamos encorajar uns aos outros e compartilhar força. Estamos sendo alimentados melhor agora, e todos os dias. [...] Eu recuperei a maior parte do peso que perdi ano passado", diz.
"Eu me lembro de tantos ótimos momentos em família que me levam para longe dessa prisão", diz o jornalista.
Foley agradece as orações por ele e diz que sente as pessoas quando reza. "Realmente sinto que consigo tocar vocês [a família e os amigos] mesmo nessa escuridão quando rezo", relata.
No último parágrafo, Foley se dirige a sua avó: "Continue firme porque vou precisar da sua ajuda para retomar minha vida".
Repórter de guerra, Foley foi sequestrado na Síria em novembro de 2012. Em 2011, esteve dois meses preso em uma cadeia na Líbia.
James Foley acabou sendo decapitado por terroristas do grupo ISIS.

U2 tinha uma versão de 'Songs Of Innocence' totalmente produzida por Danger Mouse

O U2 é capa da nova edição da Revista Rolling Stone internacional, e uma das revelações da matéria é que em 2013, o U2 teve uma versão do álbum 'Songs Of Innocence', totalmente produzida por Danger Mouse, e que poderia ter sido lançado.
"Mas então percebemos: 'OK, nós realmente não estamos entregando o que você poderia chamar de as principais características do nosso trabalho – a grande música" disse Edge.
Com Danger Mouse trabalhando com seu duo Broken Bells, a banda estendeu-se a outros produtores, incluindo o vocalista do OneRepublic, Ryan Tedder (que tem colaborado com a Adele e Beyoncé). "Eu tenho o maior respeito por Danger Mouse," diz Tedder. "Bono foi muito simples. Era como: 'É assim que trabalhamos. Você vai fazer o que você faz e fazer tão bem quanto você pode, e então provavelmente suas coisas irão ser bagunçadas por outra pessoa.' Então eu hesitei por uns cinco segundos e em seguida Edge disse: "cara, destrua. Faça o que quiser."
Danger Mouse completou: "Elas não são minhas faixas. São faixas do U2. Não estou feliz sobre uma canção se eles não estão felizes."

Video: "The Miracle (of Joey Ramone)" Live From Rolling Stone Magazine Shoot - Dublin 2014

Na sessão de fotos do U2 para a Revista Rolling Stone, edição de Novembro, o fotógrafo Mark Seliger registrou um vídeo impressionante de Bono e o Edge em Dublin, tocando de forma acústica "The Miracle (of Joey Ramone)", com Bono batendo no violão de Edge para as partes de bateria:

Márcio Fernando da U2 Songs disponibiliza o video para nós:


The Miracle (of Joey Ramone) Live From Rolling... por U2songs

Noel Gallagher está encantado com "The Crystal Ballroom" do U2

Em uma entrevista para a rádio Today FM, Noel Gallagher disse que gostou muito de 'Songs Of Innocence' do U2, e que está encantado com a faixa "The Crystal Ballroom".
Noel também revelou que seu filho Donovan está virando um grande fã do U2. O novo álbum "foi baixado diretamente para a sua consciência", sendo "The Troubles" sua canção favorita.
Curiosamente, Noel Gallagher aparece nos agradecimentos na ficha técnica do encarte de 'Songs Of Innocence'.
O cantor também comentou em uma outra entrevista, sobre o formato que o U2 escolheu para lançar seu mais novo trabalho, em parceria com o iTunes. Questionado se ele consideraria fazer algo semelhante, Gallagher disse: “Não, porque os meus discos em particular custam muita grana para fazê-los. Não posso dar meu trabalho gratuitamente e me esconder atrás de uma ambiguidade. Eu quero é mais que o preço dos meus discos encareçam.”
O novo disco de Noel Gallagher se chamará 'Chasing Yesterday' e será lançado no dia 2 de março de 2015. Já o single “In The Heat Of The Moment”, chegará oficialmente às lojas em 17 de novembro. O videoclipe foi lançado já:

"A morte da minha mãe certamente me catapultou em direção a banda"

"Tudo na minha vida foi bem normal por um tempo. Minha irmã morreu em 1973 e depois minha mãe morreu em 1978. Em algumas formas, esses eventos definiram o tipo de pessoa que eu me tornei. A morte da minha mãe certamente me catapultou em direção a banda."

Recentemente, foi perguntado para Larry Mullen se o novo álbum do U2 levou-o a refletir sobre sua própria juventude, e ele respondeu: "não, eu não preciso olhar para trás para seguir em frente." Mas ele admite que, relutantemente, perder a sua própria mãe na adolescência lhe deu uma afinidade imediata com o Bono.
"Tudo o que eu achava que seria, já não era mais. Tudo se partiu. Em casa, tudo havia ido embora, tudo se foi. Então eu tinha que procurar outro lugar para ir. Eu precisava de outra família e a banda se tornou isso para mim, e era um refúgio. Eu estava sentado atrás de um kit de bateria. Eu não preciso me explicar. E isso tem sido muito conveniente, porque não é algo fácil de falar, e eu admiro Bono por fazê-lo. É um período doloroso da minha vida e que ainda eu me sinto da mesma maneira. Quem me dera que eu só pudesse expulsar isso. Eu não tenho os recursos ou a força de vontade para fazer isso."

Larry e os outros integrantes do U2 comentaram sobre o fato:

Larry: "A morte da minha mãe em um acidente de carro em novembro de 1978 acabou me esclarecendo o que me diz respeito a banda. Não digo que, se ela fosse viva, não tinha me lançado para esse mundo, mas depois que ela morreu este era o único lugar onde eu queria estar.
Depois da morte de minha mãe não conseguia me concentrar em nada. Tudo em mim se desligou. Bono começou a me ligar para tentar me convencer a sair e pôr de lado os meus problemas. Um dia estávamos sentados na soleira da porta e ele me disse sobre quando perdeu sua mãe aos 14 anos. Eu não fazia idéia. Senti que tinha encontrado alguém que me compreendia. Estabelecemos uma ligação, e passado uns tempos, nos tornamos grandes amigos. Senti então que estava preparado para voltar à banda. Agora era tudo diferente. Eu já não fazia parte de um grupo, agora pertencia a uma banda e a banda veio se tornar minha fuga. Me entreguei de corpo e alma."

Edge: "Por incrível que pareça, a morte da mãe do Larry nos chocou de tal forma, que acabou nos unindo ainda mais. Os laços de amizade entre nós se fortaleceram e foi a partir disso que as coisas começaram a mudar para melhor. O Larry estava com um pé fora da banda e mais virado para a indústria de petróleo, entretanto, voltou para a banda e esqueceu esse trabalho."

Bono: "Eu havia passado por algo parecido. Nós nos tornamos amigos próximos naquele momento, e aquele a quem havia sido um baterista meio precoce que trazia problemas para cada solução que você podia oferecer, se tornou um de meus melhores amigos. E o que eu entendi sobre o Larry foi o motivo no qual ele agonizava sobre tudo, sobre cada comprometimento, incluindo o comprometimento com a banda. É porque ele leva esses assuntos – verbal, emocional, entre outros – muito seriamente na vida. Ele não é um bagunceiro, ele leva sua palavra muito a sério. É uma força maravilhosa estar em uma sala com alguém que não pode mentir. Isso lhe dá muito poder. Então, para se manter nessa posição, ele se move muito lentamente em qualquer direção, mas raramente muda de opinião. Quando ele ganha espaço, ele permanece no mesmo."

12 XU no videoclipe de "The Miracle (of Joey Ramone)"

'Songs of Innocence' aprofunda Bono e a adolescência do resto dos membros da banda em Dublin nos anos 70. A primeira música do álbum capta o big bang do despertar musical de Bono: a primeira vez que ele viu os Ramones em Dublin.
O videoclipe de "The Miracle (of Joey Ramone)" mostra algumas atitudes punks da banda, como Larry chutando sua bateria e The Edge saltando na performance, girando sua guitarra no ar e batendo ela contra o chão.
A banda aparece em cima do logotipo dos Ramones, e vemos o clássico slogan "Gabba Gabba Hey", frase da canção "Pinhead" de 1977.
Em determinado momento do video, vemos escrito atrás do U2: "12 XU".
"12X U" é o título de uma canção da banda de rock britânica Wire, formada em 1976 em Londres, Inglaterra, por Graham Lewis (baixo, voz), Bruce Gilbert (guitarra), Colin Newman (voz, guitarra) e Robert Gotobed (bateria).
A canção fecha o disco “Pink Flag” (1977).

Foi uma das primeiras banda de punk rock a misturar seus sons com profundos conceitos artísticos. Também é conhecida por fazer músicas cruas e curtas, além de letras extremamente enigmáticas, com críticas aos atuais modelos do mundo. Foi um dos precursores do pós-punk. Artistas que influenciaram Wire: Velvet Underground, Brian Eno e Marcel Duchamp.

Curiosamente, o primeiro disco do Wire traz uma faixa com o título de "Brazil".
Em 26 de maio de 1979, os garotos do U2 fizeram um show na hora do almoço no McGonagle's em Dublin, Irlanda. E "12X U" foi uma das canções covers tocadas pela banda, que naquele período ainda tinha poucas composições próprias, então seus sets eram baseados em covers de bandas que eles gostavam e que os influenciava.
É a única performance conhecida do U2, em que "12X U" foi tocada.

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...