Anúncios

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Paul Simon canta sua canção "Mother And Child Reunion" no palco com o U2 na turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


Na penúltima de oito apresentações do U2 no Madison Square Garden em Nova Iorque, Bono disse: "Há alguém aqui esta noite que é extraordinário de todas as maneiras, e estamos usando sua canção para contar a peça do quebra cabeça da AIDS que dói mais, a transmissão do vírus HIV de mãe para o feto. Nós tivemos que encontrar a música mais extraordinária. Paul Simon está na casa hoje à noite."
Paul Simon então entrou no palco quando Bono terminava de cantar o trecho de "Mother And Child Reunion", a canção que o U2 vem usando como introdução para "Where The Streets Have No Name", e com o telão mostrando uma animação da (RED) sobre a AIDS. A introdução de "Where The Streets Have No Name" já havia entrado, quando Paul Simon estava no palco, e Bono lhe entregou o microfone e pediu para interromper a introdução e Paul poder cantar.
Então a canção foi apresentada em uma versão um pouco mais longa da que o U2 vem apresentando, com linhas a mais cantada por Simon, e com Edge tocando violão.

Satellite Of Love - Tradução

Lado B do single de "One", de 1992

Satellite's gone up to the sky
Things like that drive me out of my mind
I watched it for a little while
I love to watch things on TV

Satellite of love
Satellite of love
Satellite of love
Satellite

Satellite's gone, way up to Mars
Soon it will be filled with parking cars
I watched it for a little while
I like to watch things on TV

Satellite of love
Satellite of love
Satellite of love
Satellite

I've been told that you've been bold
With Harry, Mark and John
Monday, Tuesday, Wednesday, Friday,
Harry, Mark and John

Satellite's gone up to the sky
Things like that drive me out of my mind
I watched it for a little while
I love to watch things on TV

Satellite of love
Satellite of love
Satellite of love
Satellite

Satélites vão para cima no céu
Coisas como essas me deixam fora de minha mente
Eu assisto isso por um certo tempo
Eu adoro assistir coisas pela televisão

Satélite do amor
Satélite do amor
Satélite do amor
Por satélite

Satélites vão, bem além de Marte
Em breve ele será preenchido com os carros estacionados
Eu assisto isso por um certo tempo
Eu adoro assistir coisas pela televisão

Satélite do amor
Satélite do amor
Satélite do amor
Por satélite

Já me disseram que você tem sido ousado
Com Harry, Mark e John
Segunda e terça, quarta a quinta-feira
Com Harry, Mark e John

Satélites vão para cima no céu
Coisas como essas me deixam fora de minha mente
Eu assisto isso por um certo tempo
Eu adoro assistir coisas pela televisão

Satélite do amor
Satélite do amor
Satélite do amor
Por satélite
Satélite do amor

Uma homenagem à Lou Reed, com uma volta ao passado em show da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE do U2


O U2 realizou ontem o sétimo e penúltimo dos 8 concertos agendados no Madison Square Garden em Nova Iorque, pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE.
Bono: "Sabia que ontem foi o dia de John Lennon em Nova York? Eu e The Edge passamos a tarde na ilha de Ellis, com a Estátua da Liberdade atrás de nós... e Yoko Ono na nossa frente.
Nós estávamos lá para a Anistia Internacional e eu disse que os Beatles eram na verdade... Irlandeses! Não só John, todos os Beatles eram irlandeses... e eu estou aderindo à isso hoje. Ok? Eu tentei em Liverpool, não foi tão bem, mas em Nova York vai dar tudo certo!'
Iris é para todas as mães, mas em especial a Julia, a mãe de John Lennon."


Foi anunciado ontem que a HBO transmitirá em novembro, um documentário sobre a turnê. E o U2 anda realizando gravações em Nova York.
O show de ontem trouxe algumas coisas, que devem estar sendo gravadas para este documentário. Primeiro, o já conhecido fã Mark Baker (U2Brothr), foi chamado mais uma vez para o palco, na transmissão do Meerkat.
Outro momento que deve ter sido registrado para o documentário, foi a presença de Alyssa, a mulher que ligou para o 911 assim que Bono sofreu o acidente de bicicleta no Central Park em novembro de 2014. E estavam presentes também os dois bombeiros da Engine 44 que responderam ao chamado na ocasião. Segundo ela, muitos nova iorquinos passariam pelo acidente e não parariam para ajudar, mas Alyssa, residente de Virginia, o fez. O público nova iorquino no show se ofendeu com a declaração, e vaiou.
No setlist, uma homenagem ao nova iorquino Lou Reed, com uma volta ao passado: o U2 tocou 22 anos depois, "Satellite Of Love", com o dueto virtual sincronizado entre Bono e Lou Reed, exatamente como acontecia na turnê ZOOTV, e utilizando no telão o mesmo vídeo da época, e somente com Bono e Edge no palco "e". Bono não faz mais o falsete no refrão. Ele adaptou o "bum bum bum" no lugar.
O U2 gravou uma cover da faixa em estúdio e lançou como lado b do single de "One" em 1992.
Antes da performance, Bono disse: "Há 30 anos, completados na semana passada, nossa banda tocou no Live Aid em Londres na Wembley Arena. Na ocasião, enviamos um sinal para alguém que amávamos... em seu apartamento em Nova York. Lou Reed, como toda as pessoas, estava assistindo televisão e encontrou esta mensagem que enviamos via satélite, e nos tornamos amigos. Ele foi o poeta laureado da cidade de Nova York, podemos concordar? E nós temos o privilégio de ter sua companheira aqui, Laurie Anderson, que é outra extraordinária e talentosa amiga nossa. Então queremos tocar para ela e todos vocês, uma música dele, que fala daquele momento quando as amizades começam naqueles momentos aleatórios extraordinários. Então, vamos ver se podemos chamar o espírito de Lou...'


No encore, uma participação: Paul Simon subiu ao palco para uma performance com o U2 de "Mother And Child Reunion", sua canção que o U2 vem usando como introdução para "Where The Streets Have No Name".
Mas desta vez, ela foi tocada com Simon em uma versão um pouco mais longa da que o U2 vem apresentando, com mais linhas da letra original. A introdução de "Where The Streets Have No Name" já havia entrado, quando Paul Simon estava no palco, e Bono pediu para interromper a introdução e Paul poder cantar.


O set impresso mostra que o U2 finalizaria o show com "I Still Haven't Found What I'm Looking For", mas optaram por "One" no palco.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

HBO irá transmitir documentário oficial e show da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE do U2


O U2 e HBO estão se unindo para dois especiais de estréia mundial em novembro — um documentário dos bastidores e um concerto especial. Os títulos de ambos ainda serão revelados.

O documentário, que irá ao ar em 7 de novembro, vai oferecer acesso aos bastidores da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE, mostrando a equipe da banda e entrevistas com Bono, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr.
No dia 14 de novembro vai ao ar a gravação do show do U2 na Arena Bercy em Paris (que acontecerá no mesmo dia), em um concerto especial, que incluirá músicas de toda a carreira da banda, começando com o álbum de estréia 'Boy' de 1980, até o álbum mais recente, 'Songs Of Innocence'.
Rumores davam conta que o DVD / Blu Ray da turnê iriam ser gravados em Paris. E o lançamento deve acontecer mesmo após a transmissão da HBO (muito provavelmente será uma exibição parcial para a TV).
"O U2 continua correndo riscos, o que os tornou uma das forças mais consistentemente empolgantes do rock", disse o Presidente da HBO, Michael Lombardo. "A combinação deste especial duplo, com um documentário seguido do concerto, fornecerá aos telespectadores o derradeiro olhar para esta notável banda, por trás dos bastidores e em cima do palco."
O documentário vai cobrir a criação da turnê, com entrevistas de Willie Williams, diretor conceitual das turnês do U2 há mais de 30 anos; a designer Es Devlin; o diretor de produção Jake Berry; o diretor de áudio Joe O'Herlihy; o diretor executivo Gavin Friday; o cenógrafo Ric Lipson; e outras pessoas da criação que ajudaram a trazer a música da banda para a vida no palco.
Irá mostrar também os desafios, angústias e contratempos que atormentaram a turnê logo no início, como o acidente de bicicleta de Bono, e como eles superaram isso.
Este documentário exclusivo irá narrar em detalhes como esses quatro amigos, que começaram como uma banda punk humilde do lado norte de Dublin, mais de 30 anos atrás, continuam a fazer magia todas as noites com a mais grandiosa, ainda mais íntima, turnê de arena já encenada.
Davis Guggenheim é o produtor executivo e diretor do documentário, juntamente com o empresário do U2, Guy Oseary. O produtor é Shannon Dill.
O concerto será uma produção da Done and Dusted, e contará com os trabalhos de Hamish Hamilton, Simon Pizey, Guggenheim e Oseary. Hamish, que já trabalhou com o U2, também será o diretor do especial.

"Raised By Wolves": do ponto de vista de Andy Rowen


No encarte de 'Songs Of Innocence', Bono conta sobre "Raised By Wolves": "17 de maio de 1974. 3 carros bombas estavam sincronizados para detonarem ao mesmo tempo, destruindo o centro da cidade de Dublin ...
O meu velho amigo Andy Rowen (irmão de Guggi) ficou preso com seu pai na van, e seu pai saiu e correu para ajudar a salvar as vítimas espalhadas como lixo nas ruas ... A cena nunca saiu da cabeça dele, tomava muitos analgésicos para lidar com aquilo."

Assim, partes da canção é escrita sobre o ponto de vista de Andy Rowen, principalmente no verso de introdução onde ele está abalado com a visão dos corpos espalhados pela rua: "Com o rosto no chão em uma rua destruída, há um homem na esquina em uma piscina de sofrimento. Estou em uma van branca, com um mar vermelho de sangue cobrindo o chão".
Outro trecho escrito sobre o ponto de vista de Andy Rowen, é quando ele se entrega às drogas e como destruiu seu próprio corpo tentando esquecer aquele massacre: "Rosto para baixo em um travesseiro sentindo vergonha, há algumas garotas com uma agulha tentando escrever o meu nome. Meu corpo não é uma tela, meu corpo agora é uma parede de um vaso sanitário."
Bono disse em entrevista: "E mesmo que a bomba não tenha nos atingido, nós perdemos o nosso amigo Andrew. Sua vida se transformou, virou de cabeça para baixo"
Rowen tenta esquecer aquela visão dos corpos espalhados pela rua, com todo o seu mundo agora abalado: "Eu não acredito mais. Se eu abrir os meus olhos, você vai desaparecer."
Para escrever a canção à partir do ponto de vista de Andy, Bono telefonou para ele: "Liguei para pedir sua permissão para escrever sua história em "Raised By Wolves". Eu não falava com ele há anos. Ele disse: 'Sim, cara. Espere.' Então ele saiu e voltou com um pedaço do carro daquele dia. Ele tem carregado isso para cada local em que ele viveu desde aquele tempo – incluindo quando ele morou nas ruas por um tempo quando ele era um sem-teto viciado. Ele sempre pegou pedaços dos estilhaços, que na verdade é evidência forense."
Este problema com drogas de Andy originou a letra de outra canção do U2: "Bad", de 1984. Alias, na foto que estampa a postagem, está Andy em um momento feliz em show da turnê 360° quando a banda dedicou "Bad" à ele.

Bono e The Edge participam de inauguração de grande painel em Nova York em homenagem a John Lennon



Yoko Ono, Bono e The Edge, inauguraram nesta quarta-feira um grande painel em homenagem a John Lennon que ficará instalado em Nova York, cidade que decidiu dedicar o dia 29 de julho à memória do falecido músico.
"Este é um dia feliz para nossa família, no qual nosso John é reconhecido pela cidade que tanto amou", disse Yoko durante o ato, no qual pediu que os presentes se esforçassem para tornar realidade o famoso "mundo no qual todos vivam em paz" que Lennon cantou em "Imagine".
"Pensemos em paz, façamos paz, estendamos a paz. Juntos vamos conseguir", disse a viúva do ex-beatle.

A cerimônia aconteceu na ilha de Ellis, a pouca distância da Estátua da Liberdade, e que durante décadas foi o principal ponto de entrada da imigração aos Estados Unidos.
"Durante muitos anos, a ilha de Ellis foi um símbolo da compaixão dos Estados Unidos com aqueles que chegavam a suas margens", declarou no ato o secretário-geral da Anistia Internacional, Salil Shetty.
"É nossa esperança que este belo painel instalado neste lugar com tanto significado sirva de recordação para estender a mensagem de paz e amor de John Lennon a todos aqueles que deixam seus lares na busca de uma vida melhor", acrescentou Shetty.
A organização encarregou originalmente a confecção do painel para agradecer Yoko Ono pela permissão para gravar versões de canções de Lennon, com cujos direitos a Anistia Internacional obteve US$ 5 milhões.

A obra foi apresentada hoje por Bono e The Edge, que junto ao empresário musical Jimmy Iovine, a doaram à fundação que administra a ilha de Ellis, onde estará exposta temporariamente até 14 de agosto e onde será exibida de forma permanente a partir de 2016.
O painel, de grandes dimensões, representa a ilha de Manhattan como um submarino amarelo pilotado por Lennon e foi desenhado pelo artista tcheco Peter Sis.
"Somos humildes para estar na presença da estátua da liberdade, e claro estou me referindo a Yoko", disse Bono. "Quando penso em Nova-iorquinos (e eu me considero um), penso neste lugar... Porque eu gostaria de viver na terra da liberdade... este é o lugar que eu quero estar", ele disse sobre uma citação de John Lennon.

A cidade de Nova York, por ordem do prefeito Bill de Blasio, declarou 29 de julho como Dia de John Lennon, para lembrar o artista, que se instalou na "Big Apple" em 1971 e viveu ali até seu assassinato em 1980.

Do site: UOL

Adam Clayton e The Edge fazem aparição surpresa e tocam em festa de aniversário de site de fãs do U2


Uma noite inesquecível! Festa de 20° aniversário do excelente site @U2 (www.atu2.com) no Cutting Room em Nova York, com a banda tributo Unforgettable Fire tocando para os convidados. No local estavam integrantes de fã clubes e sites brasileiros sobre o U2, como Ultraviolet Fã Clube, U2 Brasil e Vision Over Visibility!
O vocalista anunciou que eles teriam um convidado especial, então Dallas Schoo, técnico de guitarra de Edge, apareceu no palco com uma guitarra! Todo mundo imaginou que ele seria o convidado, mas ele estava ali apenas testando o equipamento, pois os convidados de honra estavam prestes à aparecer.
De surpresa, aparecem no local The Edge e Adam Clayton, para espanto de todos! A dupla entrou no palco, e tocaram "Where The Streets Have No Name" e "Out Of Control" junto com a banda tributo.
Edge poucas horas antes, havia participado de um evento com Bono, também em Nova York, em homenagem à John Lennon.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Há algo não explicado sobre o vinil 'U2 Another Time, Another Place: Live At The Marquee London 1980'


O novo brinde do site U2.COM para os assinantes é um vinil duplo com 10 canções, chamado 'U2 Another Time, Another Place: Live At The Marquee London 1980', que já começou a ser enviado para os assinantes.
O site U2 Wanderer mostra uma foto da contracapa do vinil (vista estampando a postagem), em que vemos que o áudio do show foi registrado na apresentação de 29 de Setembro de 1980, onde, pelo que se sabe até hoje, o U2 realizou um set de 12 canções:

Setlist:

The Ocean
11 O'Clock Tick Tock
I Will Follow
Touch
An Cat Dubh / Into The Heart
A Day Without Me
Twilight
The Electric Co.
Things To Make And Do
Stories For Boys
Out Of Control

encore(s):
11 O'Clock Tick Tock

No vinil, as canções que não foram incluídas são: "Touch", "Twilight" e a segunda performance de "11 O Clock Tick Tock".

Uma coisa ainda não explicada: no setlist do show como conhecemos, o U2 não tocou "Boy Girl", mas há uma versão ao vivo dela no vinil.

Existem duas hipóteses:

Ela foi gravada em um dos outros shows no Marquee e incluída, embora a contracapa indique que todas as faixas são do show do dia 29, ou então, não se tinha conhecimento até hoje que "Boy Girl" foi tocada naquele show do dia 29!

.... e parar de perseguir cada onda que quebra


Liricamente, a abertura da canção "Every Breaking Wave" do U2, pode ser uma referência à natureza infinita e inquieta do mar, vendo ele como se nos dissesse que a vida continua, não importa o que e como.
A partir daí, as letras parecem nos caminhar para as realidades da vida. Há dificuldades e não há luta.
E não importa o quanto você quer paz, a vida sempre te atira bolas curvas. "Eu pensei que eu ouvi a voz do Capitão, é difícil escutar enquanto você prega" - se você subscrever ao conceito de Deus, ou se você olhar para aquela voz dentro da sua própria consciência, a letra parece reconhecer que às vezes temos de parar de falar, para ouvir.

Agradecimento: U2 START

The Edge estampou anúncios das cordas de guitarra Rotosound


The Edge experimentou e utilizou muitas marcas diferentes de cordas de guitarra ao longo dos anos.

Na década de 80 e início da década de 90, a preferência de Edge era pelas cordas da marca inglesa Rotosound, compostas de níquel. Havia dois anúncios das cordas Rotosound, que trazia Edge.
Revistas especializadas traziam estes anúncios com uma foto de The Edge.

No anúncio da década de 80, Rotosound Starfire Superwound, vemos o título 'U2 Can Play - Like The Edge'.

As canções que não foram ao ar na participação de Bono e The Edge no programa 'Spectacle With Elvis Costello' em 2009


No ano de 2009, Bono e The Edge foram os convidados da estreia da segunda temporada de 'Spectacle: Elvis Costello With...', programa de entrevistas apresentado pelo músico britânico. O programa foi ao ar no Sundance Channel, canal norte-americano dedicado à produção audiovisual indie.
As gravações aconteceram em Toronto, Canadá, onde se localizam os estúdios da série televisiva.
Durante o programa, Bono e Edge tocaram algumas faixas menos conhecidas do repertório do U2. No final, se juntaram-se à Costello e cantaram músicas de ambos.

As canções que foram ao ar:

1. Mysterious Ways (Elvis Costello e banda)
2. Stay (Faraway, So Close!) (Bono e Edge)
3. Two Shots Of Happy, One Shot Of Sad (Bono e Costello)
4. Stuck In A Moment You Can't Get Out Of (Bono, Edge, Elvis Costello e banda)
5. Pump It Up / Get On Your Boots (Bono, Edge, Elvis Costello e banda)

Esta última, Edge não ficou feliz com o resultado do primeiro take gravado, então eles gravaram um segundo take.

O fã do U2, Márcio Guariba, compartilhou conosco um vídeo de 17 minutos, com performances que não foram ao ar, e entraram como bônus no DVD da segunda temporada do programa.
Traz uma performance de Costello para "Dirty Day" do U2 (dos três takes feitos), uma performance de "Alison" com Bono, Edge, Costello e banda (dois takes foram gravados), e Costello cantando "I Want You" com sua banda, o The Imposters.



Há um relato de fãs que estiveram na platéia, de que Costello também cantou "Please", mas ela não foi ao ar e nem apareceu como bônus no DVD.

terça-feira, 28 de julho de 2015

U2 modifica canções tocadas no sistema de som antes do início dos shows da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


Assim como o disco 'Songs Of Innocence' conta histórias, a turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE faz o mesmo, e a história já começa antes do show ter início, duas horas antes, com um setlist de músicas e discos quase na íntegra dos anos 70 e 80, tocadas no sistema de som complementando a narrativa.
Estas canções são tocadas antes de um mixtape com 45 minutos de músicas punk e new wave que influenciaram na cena musical a formação do U2.

O U2 agora realizou algumas mudanças na turnê, para os shows que estão acontecendo no Madison Square Garden em Nova York. E algumas canções do mix do pré-show foram modificadas, agora trazendo também bandas e artistas da década de 90 e 2000!

Os fãs relatam que as novas canções que estão sendo tocadas no sistema de som no Madison Square Garden são:

1979 - Smashing Pumpkins


Fake Plastic Trees - Radiohead


Last Night - The Strokes

Bullet With Butterfly Wings - Smashing Pumpkins


You Only Live Once - The Strokes

About A Girl - Nirvana


Where is My Mind? - The Pixies

Been Caught Stealing - Jane's Addiction


Even Flow - Pearl Jam


Agradecimento: U2 Wanderer

26 anos depois, U2 volta a tocar ao vivo a canção "Two Hearts Beat As One" na turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


O U2 realizou ontem o sexto dos 8 concertos no Madison Square Garden em Nova Iorque, pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE.
Em passagens de som para os shows em Chicago, o U2 ensaiou "Two Hearts Beat As One". E finalmente ela fez sua estreia na turnê, após 26 anos de sua última performance ao vivo, ainda pela turnê Lovetown em 1989.
Ela foi incluída no set na segunda canção da noite:


Bono apresentou Larry, dizendo: "Ele nos deu nosso primeiro trabalho, certifique-se de ser o nosso último", e em seguida disse: "Edge poderia ter sido um cosmólogo ... o que seria de nós sem ele?"
Agora no telão, um vídeo saudando as pessoas que são ativistas e também instituições de caridade, com uma lista com nomes de pessoas que são peças importantes na luta contra a AIDS.

No final de "Sunday Bloody Sunday", um áudio diferente de fundo na colagem de sons que precede "Raised By Wolves":


"The Troubles" foi tocada no palco principal. Sua primeira performance no Madison Square Garden.


No setlist impresso, a canção que fecharia o show seria " I Still Haven't Found What I'm Looking For", mas a banda fechou com "One".
Bono fez uma primeira tentativa de iniciar a canção, com o público cantando. Mas ficou descontente com o resultado, e seu esforço para levar o público a cantar a letra. Então Bono interrompeu a canção quando o público cantava as primeiras linhas, e disse "Espere um segundo, Edge." Novamente, ele interrompeu e disse: "O ritmo tem que vir do baterista", a banda reiniciou a execução da canção, e assim Bono conseguiu o efeito desejado.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Os segredos por trás dos elementos visuais da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE - Parte 2


O astrofotógrafo e artista timelapse Jeff Frost teve seu trabalho requisitado para criar elementos visuais para a turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE - visto em canções como "City Of Blinding Lights", "Miracle Drug" e "With Or Without You".
O U2 está na cidade de Nova York, em uma temporada de três semanas de duração no Madison Square Garden, então Frost contou ao The Creators Project sobre como fazer arte com o Grande Colisor de Hádrons, sua adolescência rebelde e sobre como registrou imagens da sacada do quarto de hotel de The Edge.

The Creators Project: Como foi fazer arte no CERN?

Jeff Frost: Grande Colisor de Hádrons para quem não sabe, é o maior máquina que o homem já criou. É um anel de 22 milhas de ímãs de 100 metros no subsolo que esmaga partículas juntas quase à velocidade da luz. As peças das partículas vão voando em partículas gigantescas "câmeras" (detectores), a maior das quais é de sete andares de altura. Existem milhares de cientistas de vários países que são normalmente inimigos mortais, como Índia, Paquistão, Israel e Irã, todos trabalhando juntos tentando descobrir do que o universo é feito de uma escala muito pequena. É uma manifestação de vida real dos melhores traços de humanidade em grande escala.

Uma vez que as equipes para as diversas experiências diferentes ficaram sabendo que um cara estava vindo fotografar e gravar para a turnê do U2, chegaram muitos competitivos tentando superar uns aos outros para acomodar meus pedidos loucos. Eu iria em um experimento e basicamente dizia: "Olá, você poderia parar o progresso científico da humanidade e desligar as luzes por quatro horas para que eu possa fazer algumas fotos bonitas?" Em um experimento (Aegis), localizado na fábrica de antimatéria, um jovem físico chamado Ruggero fez lasers para nós do zero, porque ele pensou que fariam as fotos ficaram melhores (ele estava certo, eles fizeram). O fotógrafo local, Max, me emprestou sua cara configuração de câmera durante a semana inteira sem um segundo pensamento. Até chamaram um certificado eletricista para desparafusar uma luz de emergência irritante que não podia ser desligada.

Em um ponto, eu estava conversando com o físico que fez essa incrível canção de metal de dados obtidos pelo experimento. Eu mencionei se era permitido ir até o maior detector, ATLAS. Ele me disse que nem sequer deixam ele mesmo ir lá por baixo. Eles realmente fizeram o máximo que podiam, e não sei como lhes agradecer. Os leigos devem assistir ao fantástico documentário Particle Fever para uma introdução sobre a loucura e a magia do CERN.

The Creators Project: Como o U2 se envolveu em todo o processo?

Jeff Frost: Realmente não sou do tipo que fica mexido na frente de uma estrela, mas quando Bono veio até mim em minha primeira reunião de criação com a banda e disse (na frente de todo mundo): "Jeff, somos fãs do seu trabalho.", eu me ouvi falar em câmera lenta: "Eu ouço vocês desde que eu era criança!" Eu provavelmente parecia um garoto. Bono não perdeu o ritmo e respondeu: "bem, como você cresceu." Outro grande momento aconteceu no ensaio onde Bono fez uma pausa para observar: "Lindo isso, Jeff Frost, lindo" do palco. É uma pena que eu perdi. Eu estava gravando! Eu também fiz várias fotos da sacada do quarto de hotel de The Edge no 67º andar. Tudo isto, quero dizer, a banda estava muito presente e envolvida.

Toda a equipe trabalhou em diversas funções e foi brilhante: Willie Williams (diretor do show), Es Devlin (designer do palco), Morleigh Steinberg (coreógrafa), Sam Pattinson, Gavin Friday e uma equipe fenomenal de editores de vídeo e designers gráficos: Ben Nicholson, Casey Hupke, Chris Shone, Luke Halls e Dave Shepherd.

Willie veio até mim com as canções que precisam de um conteúdo, me deu notas sobre o que poderia possivelmente ser trabalhado, e então me deixou com meus próprios dispositivos para esboçar e construir. Depois que uma cópia de trabalho foi criada, os visuais foram testados em ensaios. Então notas foram dadas, direções foram mudadas (às vezes radicalmente) e aperfeiçoamentos foram feitos. Este processo foi repetido em quase todos os dias durante semanas. Foi um ótimo ambiente, porque todos deixaram seu ego de fora e todos ajudamos uns aos outros.

The Creators Project: Como é que as fotos interagem com a música?

Jeff Frost: "Where The Streets Have No Name", há algum tipo de energia estranha no trabalho no deserto. Ele permeia o meu trabalho lá como que permeia o álbum inteiro de The Joshua Tree. Os visuais consistem em cenas no deserto e ilusões de ótica, que pintei em casas abandonadas. A maioria das pinturas foram feitas na mesma área geral, como a capa do álbum The Joshua Tree. A canção termina com um clipe de timelapse de círculos concêntricos criado por pintura de luz com as estrelas no céu. Ele combina perfeitamente com o hipnótico ecoando na guitarra outro da música. Acho que esta é a gravação que Bono observou nos ensaios.





Para "City Of Blinding Lights", eu tenho trabalhado em uma técnica que eu chamo de 'pintura de luz reversa' nos últimos dois anos para um novo curta-metragem, Circuit Board Species. Em vez de ondular as luzes ao redor na frente de uma câmera, você ondula com uma câmera ao redor na frente das luzes. Ideia simples, mas a execução pode ser incrivelmente difícil. Não só estou criando uma única imagem. Estou criando um lapso de tempo de milhares de imagens. A banda viu uma prévia não concluída deste filme, que contou com abstrações de Los Angeles e parecia ser um ajuste óbvio. Esta é a canção que apresenta as fotos que eu fiz na varanda do hotel The Edge.





The Creators Project: Você viu as conexões entre a estrutura e o U2 enquanto você estava tirando fotos, ou foram colocados juntos depois de pronto?

Jeff Frost: Os dois. Parte do conteúdo foi adaptado de meus filmes de arte, que foram passados em torno de um bit. Outros trabalhos foram gravados por solicitação ou para incluir certas músicas ("City Of Blinding Lights", "Miracle Drug"). A beleza de tudo isto é que eu vou ser capaz de usar esse mesmo conteúdo juntamente com uma montanha de material que não acabará sendo usado para a turnê, para completar meu próprio filme.


Do site: The Creators Project

Os segredos por trás dos elementos visuais da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE - Parte 1


O astrofotógrafo e artista timelapse Jeff Frost teve seu trabalho requisitado para criar elementos visuais para a turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE - visto em canções como "City Of Blinding Lights", "Miracle Drug" e "With Or Without You".
Os elementos visuais para a turnê estão fora deste mundo. A história é a de que o U2 tinha visto fotos de Frost — "Jeff, somos fãs do seu trabalho", Frost diz ao The Creators Project sobre primeiro encontro com os músicos — e gostaram bastante para alistá-lo no seu processo de design de turnê, ao lado do diretor do show Willie Williams, a designer do set Es Devlin e a coreógrafa Morleigh Steinberg. Eles mandaram Frost para o Large Hadron Collider (Grande Colisor de Hádrons) do CERN na Suíça, para que ele pudesse capturar imagens para evocar o tema de inocência e experiência da turnê: a "rede neural da humanidade".

Para Frost, incorporar imagens do CERN, um domínio de servidores, e seu trabalho passado em timelapse e astrofotografia, ele tinha que se reconectar com a música da banda de uma forma que ele não sentia desde que ele era um garoto. "Quando fui contactado para este show, eu comecei a ouvir todos os discos antigos de novo, e eu me espantei que eu tinha perdido o contato com essa música", diz ele. Ele compartilha um momento favorito com a cineasta Aoife McArdle, cuja obra prima inspirada pela música do U2, estreou no The Creators Project em fevereiro: ""Every Breaking Wave" tornou-se minha música predileta do U2", confessa Frost. " É linda, é desoladora e sou eu."

Desde que a turnê começou em maio, Frost começou a capturar o seu trabalho do modo que era para ser visto, ou seja, em um estádio enorme na frente de milhares de pessoas. O U2 está na cidade de Nova York, em uma temporada de três semanas de duração no Madison Square Garden, então Frost contou ao The Creators Project sobre como fazer arte com o Grande Colisor de Hádrons, sua adolescência rebelde e sobre como registrou imagens da ponta da varanda da casa de The Edge.

The Creators Project: Há quanto tempo você ouve U2?

Jeff Frost: Cresci ouvindo U2, REM, Depeche Mode e outros. Me lembro de conseguir todo o catálogo do U2 em CD até 'Rattle And Hum'. Quando fui contactado para este show, eu comecei a ouvir todos os discos antigos de novo, e eu me espantei que eu tinha perdido o contato com essa música. As músicas são tão relevantes como quando foram lançadas. "Every Breaking Wave" tornou-se minha música predileta do U2.

The Creators Project: Como você conseguiu contato com o pessoal do U2 e do CERN?

Jeff Frost: O diretor do show, Willie Williams, veio até mim e me disse que ele estava tentando descobrir uma forma de representar a 'rede neural da humanidade'. Eu disse: "Ótimo! Me envie ao CERN e um domínio de servidores." Não pensei que realmente fariam isso, mas o U2 tem uma história de ser muito pro-ciência. Sua última turnê contou com um link ao vivo para os astronautas na Estação Espacial Internacional, que assim conversavam com público. Neste show novo, tem uma mensagem gravada de Stephen Hawking. Acontece que as pessoas no campo de U2 conhecem as pessoas de longe (Obrigado, Smasher!), e eu fui para a Suíça e a França. Ainda não acredito que isso aconteceu.

Do site: The Creators Project

Lady Gaga faz performance surpresa com o U2 em show no Madison Square Garden pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


O U2 realizou ontem o quinto dos 8 concertos no Madison Square Garden em Nova Iorque, pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE.
Havia rumores que Lady Gaga faria uma participação especial no show, e logo ela foi vista no meio do público.


E então aconteceu: Lady Gaga subiu ao palco "e" para tocar piano e cantar junto com o U2, a canção "Ordinary Love", com um arranjo um pouco diferente do que vinha sendo apresentado na turnê.

Ela estava com suas gigantes botas McQueen.




O U2 retornou ao setlist antigo, com "Bullet The Blue Sky" sendo tocada após "Every Breaking Wave", e "City Of Blinding Lights" abrindo o encore, com a introdução de Stephen Hawking.
O remix de "The Fly" foi utilizado no intervalo.
Uma mudança relatada na noite, foi um áudio de fundo diferente durante a explosão da bomba antes do início de "Raised By Wolves".
Bono disse ao apresentar a banda: "Na banda da casa hoje à noite, Adam Clayton, o primeiro cara que acreditou que essa coisa toda poderia ser possível, Larry Mullen na bateria, para todo o sempre eterno, Larry Mullen Jr. e The Edge, que, com seu irmão, construiu a sua primeira guitarra elétrica e, em seguida, com seu irmão, explodiu o abrigo do jardim que nós deveríamos usar para ensaiar. Ainda assim causando reações químicas instáveis, nas guitarras e tudo mais, The Edge."
Bono cantou um trecho da canção "Stairway To Heaven" antes de "Cedarwood Road".

domingo, 26 de julho de 2015

A nova animação em "Even Better Than The Real Thing" na turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


Na quarta noite dos 8 concertos o U2 no Madison Square Garden em Nova Iorque, pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE, a banda apresentou uma novidade.

Uma nova animação foi vista no telão durante a performance de "Even Better Than The Real Thing".
Os 4 integrantes agora são vistos em novas imagens com eles girando em 360° na vertical e horizontal durante o refrão da música, como no videoclipe original.

Já dá pra ter uma noção que ficou muito mais interessante a performance com estas imagens.



Abaixo, um outro link enviado pelo fã Guilherme Silva, onde podemos ver a animação gravada bem na frente. As imagens parecem ser as do videoclipe de "The Miracle (Of Joey Ramone)".
Bono segura uma guitarra! Será que o reencontro no palco entre os dois acontecerá em breve? 


ASSISTA AQUI UM TRECHO EM ÓTIMA QUALIDADE!

U2 en España esteve no backstage do show do U2 em Nova York pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE e mostra fotos exclusivas


O U2 en España teve a oportunidade de visitar o backstage da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE no Madison Square Garden em New York no dia 18 de Julho.

Confira as fotos disponibilizadas na página do Facebook:






















Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...