Anúncios

sexta-feira, 9 de junho de 2017

A entrevista com o diretor criativo da 'The Joshua Tree Tour 2017', Willie Williams - Parte 2


O site @U2 (www.atu2.com) realizou uma entrevista por email com o diretor criativo da 'The Joshua Tree Tour 2017', Willie Williams. A banda e a equipe tiveram uma semana de folga. Algumas pessoas da equipe da banda foram para a Europa, alguns ficaram nos Estados Unidos e aproveitaram esse intervalo, e alguns ficaram trabalhando já para outros shows. E Willie aproveitou para responder essas perguntas!

Matt McGee: Vamos falar sobre o show em si. Conte para nós sobre o simbolismo de ter a banda iniciando o show no palco menor, sem imagens no telão.

Willie Williams: Como sempre, ter um sentido o setlist é vital para eu saber o que o show é. No início eu apresentei cerca de oito variações de como um show como este poderia ser executado, abrir com The Joshua Tree, fechar com The Joshua Tree, colocá-lo no meio, torná-lo cronológico, torná-lo temático, etc, etc. E todos escolheram a versão que estamos fazendo agora. Nós sentimos que nós realmente extraímos 'Boy' e 'October' na última turnê, então anteceder o evento principal com canções de 'War' e de 'The Unforgettable Fire' nos trouxe algo com mais frescor. Nós também gostamos da noção de que o U2 abriria para o U2. Iniciar o show ali no meio, sem nenhuma produção, como o U2 costumava fazer no início, depois ligar a grande tela e apresentar "A Grande Massa de The Joshua Tree", como Gavin Friday chamou isso.

Matt McGee: As últimas turnês tiveram telões incrivelmente grandes e inventivos, mas desta vez com este telão parece que vocês realmente querem que nós vejamos filmes em vez da banda. Nós não os vemos até "Bullet The Blue Sky". Existe o risco de ofuscar a banda - já que eles estão tocando em segundo plano para estes belos vídeos com esta linda tela?

Willie Williams: Claramente nós tomamos uma decisão de que isso não precisava ser um show pessoal, como fizemos no passado; "Punk Floyd" é como eu estava chamando ele. Parecia uma oportunidade única para abandonar algumas das "regras" que desenvolvemos sobre o funcionamento do U2 e, a esse respeito, achei que isso trouxe muito frescor. Dado os tamanhos relativos, é claro que os visuais ofuscam os artistas em partes do show, mas eu honestamente não acho que os visuais consigam ofuscar a música. A música será sempre maior do que as imagens.
Os momentos em que sentimos que um desequilíbrio estava acontecendo, fizemos a coisa certa para corrigir. Um bom exemplo é "Running To Stand Still". Anton fez um filme para esta canção, que foi um vídeo trazendo imagens atuais dos membros da banda. Ficou extremamente bonito - uma peça realmente corajosa e "despida" - mas quando usamos ela durante o ensaio, o filme era tão cativante que se tornou difícil de "ouvir" a música tocada pela banda. "Running To Stand Still" é agora o ponto no show onde realmente encontramos a banda pela primeira vez, que eu acho que é inteiramente apropriado.

Matt McGee: Como na face da terra, você encontrou o clipe de vídeo perfeito antes da performance de "Exit"? Havia alguns artigos de notícias sobre isso durante a eleição, mas eu não me lembro de conhecer que havia um programa de TV da década de 1950 onde tinha um cara chamado Trump tentando salvar as pessoas construindo um muro.

Willie Williams: O Bono encontrou isso. Eu acho que ele estava fazendo pesquisas durante a eleição, mas havia notavelmente poucas visualizações no YouTube. É totalmente autêntico - a edição é nossa, é claro, mas nada foi dublado ou alterado. Adoro que isso diz tudo e nada. Ele realmente resolveu um problema para nós, porque teria sido ridículo fazer este show sem qualquer menção ao presidente atual, mas não queríamos trabalhar este ponto.

Matt McGee: Vamos para o lado técnico um pouco. Nós vimos o quão incrível a tela parece quando está ligada, e quando está desligada, de alguma forma parece um papelão. É 4K ou 8K? O que mais podemos saber sobre?

Willie Williams: Os filmes foram filmados em 8K e a tela funciona para ser cerca de 7½k; é o tamanho de três telas IMAX padrão lado a lado. A combinação da escala e da resolução é o que é sem precedentes. Fiquei surpreso ao notar que a tela é mais ou menos que o mesmo tamanho da tela da Popmart, mas é 400 vezes maior de resolução. A sensação 3D é algo que eu nunca tinha visto antes. Anton nos fez rir - ele estava muito impressionado olhando para a tela pela primeira vez e disse: "Eu nunca vi o meu trabalho assim antes..." e nós respondemos "ninguém viu...!"
A tela é fisicamente pintada de prata e dourado. Nós avançamos e recuamos sobre o valor de fazer isso ao invés de usar uma tela preta padrão e recriar a árvore em vídeo. No entanto, ficou claro que fazer isto de forma real produziria a carta na manga que temos: este grande e maravilhoso outdoor de madeira compensada que ganha vida.

Matt McGee: E que outras novas tecnologias e truques vocês estão usando? Estou curioso, por exemplo, porque eu não vejo nenhum equipamento de iluminação - ou como eles são chamados - sendo erguidos acima do palco e da tela como vistos em turnês passadas.

Willie Williams: Como você é observador. Eu não falei muito sobre a tecnologia nesta turnê, porque a maioria dos avanços reais são invisíveis, em vez de expostos. No entanto, já que você tocou neste assunto....
Tem havido um monte de comentários sobre como "puro" e "completa" a estética parece. Isto tem muito a ver com o fato de que todos os alto-falantes, luzes e outras parafernálias de estrada foram colocadas na parte de trás da tela e penduradas mais alto do que a tela. O resultado é que não há nenhuma das típicas torres de iluminação e som na frente da tela, dando uma visão completamente limpa e desobstruída da imagem para grande parte do público. Como uma comparação, dê uma olhada na internet no palco do 'Desert Trip'. É uma tela de escala semelhante, mas a imagem é obstruída por um gigante "bus shelter" que tampa parte de sua visão.

A ausência de "equipamentos de iluminação" é devido ao nosso uso de um novo tipo de follow spot (canhão de luz) que eu ajudei a PRG (fornecedora de iluminação) desenvolver. Desde os anos 80, houve tentativas de desenvolver um holofote que poderia ser controlado a partir do chão, eliminando a necessidade de içar homens corpulentos em camisetas amarelas no alto. Alguns destes envolveram controles joystick ou dispositivos de rastreamento anexados aos artistas, muitas vezes resultando em momentos de muita comédia.
O controle de solo PRG tem uma unidade de holofotes dummy no chão que se comunica com a luz no alto. Há uma câmera na luz e uma tela na unidade de controle para que o operador veja o POV da luz, como se ele estivesse lá em cima. O operador está usando algo que se sente familiarizado e funciona da mesma maneira que um canhão de luz padrão funciona, então o aprendizado é tranquilo. O U2 teve as duas primeiras unidades na turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE, e sendo considerado um sucesso, a produção completa entrou em vigor. Eu adoro eles porque isso significa que você pode ter holofotes humanos controlados em locais onde você não poderia colocar uma pessoa. Você também pode ter um maior número de holofotes do que os operadores, mas eu não vou entrar em detalhes, porque você já deve estar cochilando com este assunto. Basta dizer que as possibilidades de design são enormes.

Matt McGee: Estou feliz em saber o por que de você não estar levantando homens grandes no ar 20 minutos antes do início do show! Mas deixe-me voltar ao show. Você mencionou anteriormente que nunca houve uma conversa sobre dividir o álbum. Em algumas entrevistas no início deste ano, no entanto, The Edge não estava 100% certo de que eles tocariam o álbum inteiro e em sequência. O que você lembra sobre as discussões sobre como lidar com essas 11 músicas?

Willie Williams: Eu certamente nunca participei em uma conversa séria sobre nada além de apresentar o álbum inteiro e na ordem. Francamente, do meu ponto de vista, se pudermos deixar fechado a metade do set antes de sairmos de Dublin, então eu serei um homem muito feliz. Parece que o Sr. Edge colocou alguma distração lá.

Matt McGee: Houve alguma discussão sobre como o álbum assumiria a frente no show?

Willie Williams: Houve uma preocupação de que poderia haver uma calmaria durante o Lado Dois, mas eu apontei várias vezes que essas músicas não são estranhas para a maior parte do público. Como atuar em Hamlet, o público conhece as linhas melhor do que a metade do elenco. Naturalmente, houve um pouco de preocupação em como apresentar as canções do Lado Dois. Fielmente? Reinventar? Banda completa? Acústico? Mas uma vez que passaram algum tempo conhecendo novamente as canções, eles realmente envolveram todas elas.

Matt McGee: Um membro de nossa equipe, Tim Neufeld, fez o que eu pensei que é uma observação muito inteligente e eu me pergunto se você concorda. Em uma turnê típica do U2, ele disse, vocês têm uma narrativa que você quer contar e você pode escolher as músicas e a ordem das música para caber nessa narrativa. Mas nesta turnê, é o oposto: você já tem as músicas e a ordem e o desafio é encaixar uma narrativa ao seu redor.

Willie Williams: É sempre uma dança entre as duas abordagens, para ser honesto. Com qualquer turnê, cerca de dois terços do setlist inclui canções que têm de ser incluídas (um terço sendo material de um novo álbum e um terço sendo canções cuja omissão incitaria tumulto), então a narrativa tem de abranger ambos esses aspectos. O restante é livre, que é sempre divertido, mas que ainda precisa funcionar no contexto de todo o set. É preciso muita escuta, tanto para as músicas individuais, mas também para o que eles parecem produzir como um todo. Isso muitas vezes pode ser bastante surpreendente e, em qualquer caso, você nunca sabe realmente o que você tem até que você adicione um público.
A coerência deste show foi a parte mais satisfatória; esse é o fato de sentir como se The Joshua Tree fosse seu novo álbum. Talvez uma grande parte da razão para que toda esta empresa não se sinta nostálgica é que é simplesmente um show muito melhor do que era em 1987!

Matt McGee: Em outra conversa nossa, você mencionou o suspiro audível que você conseguia ouvir a primeira vez em que Bono aparecia dentro da tela em "Cedarwood Road". Do local que você atualmente fica nesta turnê, você pode ouvir isso novamente em "Where The Streets Have No Name", quando a tela faz a transição do vermelho e nos coloca no meio da estrada solitária? Em todos os três shows que eu vi, as pessoas ao meu redor praticamente se perderam naquele momento.

Willie Williams: Agora que minha equipe realmente caminha a passos largos, eu posso deixar a posição do Mix com mais freqüência, então eu vi "Pride (In The Name Of Love)" para "Where The Streets Have No Name" no meio da pista no campo na segunda noite do show em Chicago. Confesso que fiquei surpreso com o sentimento na multidão, aquela grande luz e a descida da estrada realmente fez homens crescidos caírem em lágrimas. Parece ser um pouco de um show "de choro", que deve ter a ver com a qualidade da combinação de emoção e memórias daquelas músicas.
Eu nunca aceito isso em um primeiro momento, mas golpeou-me profundamente mais uma vez o grande privilégio que é fazer parte de algo que faz tantas pessoas tão felizes.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...