Anúncios

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

A Entrevista: Larry Mullen na Modern Drummer em 1985 - Parte I


Larry Mullen em 1985 em entrevista para a Modern Drummer:

"Não há comparação da Irlanda com a América ou mesmo com a Europa. É um país muito isolado, um mundo totalmente diferente. Coisas como aborto, contracepção e pornografia não existem. Você tem que lutar -muito duramente - se você quiser fazer algo diferente. Estar em uma banda é muito, muito difícil. Não há espaço para brincadeiras. Mas é um lugar interessante e bonito, também. Eu moro na Irlanda, eu não viveria em outro lugar. Não tem as pressões do rock'n'roll. Alguém diz: "Olha o baterista do U2". Outra pessoa responde: "E daí?" Na América ou em qualquer outro lugar, você sai do Hotel, e as pessoas querem tirar pedaços de você. Na Irlanda, as pessoas têm respeito e te deixam em paz.
Eu cresci em Dublin. Você sempre tem o mar. De onde eu vivi, é cerca de 500 metros abaixo da estrada. Dublin tem cerca de um milhão de pessoas, mas se você vai apenas uma milha fora da cidade, é muito pacífica, com árvores verdes, e todas as coisas que você imagina estão na Irlanda.
Quando eu estava crescendo, não havia uma estação de rádio rock'n'roll em Dublin. Havia uma estação que tocava ocasionalmente uma música dos Beatles, mas se você quisesse ouvir rock, você tinha que sintonizar uma estação de rádio pirata ou uma estação de rádio britânica como a Radio Luxembourg. Eu tinha o meu rádio de bolso debaixo da minha cama, tentando ouvir a Radio Luxembourg para que eu pudesse ouvir as paradas. Não foi até nos últimos cinco anos que novas bandas viriam para a Irlanda. Antes disso, muitas poucas vieram. Os Stones vieram cerca de dois anos atrás, que foi a primeira vez desde 76 ou 77. Agora o rock é grande na Irlanda. É só que muito poucos podem sobreviver tocando ou fazendo qualquer coisa original.
Eu honestamente não acho que uma banda como o U2 poderia ter vindo de qualquer outro lugar. Tivemos tempo para crescer ao nosso ritmo, protegidos e longe do circo da cultura rock'n'roll. Nunca nos envolvemos nisso. Vivemos na Irlanda, gravamos lá. É o lar, é a liberdade. Podemos ser nós mesmos, estar com nossas famílias, e fazer todas as coisas que os seres humanos estão destinados a fazer. Nossa música vem de estar perto de pessoas reais no mundo real.
O título de 'The Unforgettable Fire' vem de um livro que vimos de pinturas que foram feitas por sobreviventes de Hiroshima. E se você ouvir com muito cuidado as letras de Bono em "Bad" no álbum, ele toca no enorme problema de heroína em Dublin, e tudo o que o rodeia. Estamos muito cientes dessas coisas. Mas vá para Londres, e o que algumas pessoas são influenciadas é a "cena" - roupas, garotas dançarinas, quantas drogas você pode tomar. Nós deixamos isso para trás. Não é sobre o que é essa banda.
Todo o lance de sexo e drogas no rock é tão velho, tão chato e tão pretensioso. Suponho que algumas pessoas pensam que você tem que ir junto com essa imagem antiga para ser roqueiro legítimo, mas por que devemos fingir? É um grande jogo, e nós não jogamos. As pessoas podem fazer as suas próprias ideias sobre o U2.
Eu nunca pensei na minha maneira de tocar, como um estilo até que alguém disse: "Sabe, você tem um estilo realmente único." E eu disse, "Sério, o que é um estilo único?" É difícil para mim articular o que eu faço. Outras pessoas têm que me dizer o que pensam. Uma vez, houve dois bateristas de sessão profissional na TV irlandesa que pegaram as batidas de "Pride (In The Name Of Love)", e explicaram que elas estavam em grandes termos musicais, e explicaram como essa técnica foi usada. Quero dizer, eles podem estar certos, mas eu nunca pensei nisso desta forma! Só faço o que faço. Eu me desenvolvi em algo. Às vezes as pessoas me ligam, escrevem e dizem: "Achamos que você é fabuloso. Você pode nos dar dicas sobre como tocar? A única coisa que eu posso pensar é algo que eu aprendi a mim mesmo e que é, "bata com força". Basta colocar tudo nela, não segure nada.
Eu não faço um aquecimento para entrar no palco. Eu costumava fazer alguns exercícios físicos, mas agora eu só gosto de relaxar e ficar na calma com a banda. Nós quatro nos juntamos com mais ninguém no camarim por uns 15 ou 20 minutos antes de entrarmos no palco. Nós apenas conversamos sobre o show, de maneira agradável e pacífica.
Eu não sei sobre esta coisa de chamar o rock'n'roll de uma nova religião, embora talvez seja que para algumas pessoas. Mas eu acho que a música é uma coisa muito espiritual, sempre foi assim. Você acha que os músicos são muito mais espiritualmente conscientes do que muitas outras pessoas. Espero que as pessoas possam ver o lado espiritual do U2. Espero que as pessoas vejam a nossa música como uma coisa positiva. Mas não estamos na pregação. Não posso colocar meus padrões em outra pessoa. As pessoas vêm aos shows por diferentes razões. Algumas pessoas vêm para ouvir a música para suas mentes, alguns vêm para ouvir a música para seus corações, e alguns vêm para ouvir a música para os seus pés, e isso é bom."
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...