Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

domingo, 30 de setembro de 2012

Verdade seja dita: U2 deixou de tocar "Bullet The Blue Sky" por causa de Barack Obama

Todo mundo sabe que a canção do U2 de 1987, "Bullet The Blue Sky", é uma dura crítica aos EUA. Na letra, que Bono escreveu depois de sua viagem à El Salvador em 1986, ele condena o abuso de poder e as intervenções militares americanas praticadas em países como aquele. Bono quis chamar a atenção para os danos causados pelos EUA, sentindo que os americanos não tinham conhecimento da extensão do problema.
Durante a turnê Joshua Tree, Bono freqüentemente pegava um grande holofote de luz e iluminava o rosto das pessoas na platéia, em performances em que ele fazia várias referências políticas para figuras como Ronald Reagan e Jerry Falwell.
Desde a turnê Joshua Tree, que foi onde apareceu pela primeira vez ao vivo, a canção foi tocada em praticamente todos os shows da turnês subsequentes até 2006, na Vertigo Tour. Foram nada mais, nada menos do que 757 performances ao vivo da música.

Mas curiosamente, desde a posse de Barack Obama à presidência dos EUA em 2008, na qual o U2 até tocou na cerimônia que antecedeu a sua posse, que Bono optou por não incluir mais a música em setlists do U2. Obama utilizou em sua campanha, a canção "City Of Blinding Lights" do U2, e vive declarando ser fã da banda e amigo de Bono. Foi uma troca de gentilezas?
A turnê 360°, que ocorreu entre 2009 e 2011, não teve uma performance sequer de "Bullet The Blue Sky", algo totalmente incomum, já que a música sempre foi presença constante nas turnês, ao lado de grandes hinos como "Where The Streets Have No Name", "With Or Without You", "Pride (In The Name Of Love)", etc.

26 anos depois, Bono cantou um trecho de um cover do Ramones que o U2 fazia na década de 70 ainda como The Hype

Nos primeiros anos do U2, ainda quando se apresentavam com os nomes de Feedback e The Hype, a banda tinha apenas algumas composições próprias, e então em suas pequenas apresentações, eles mesclavam músicas próprias e covers.
Sabe-se que em três shows (dois em 1978 e um em 1979), o U2 (como The Hype) tocou uma cover do Ramones, a canção "Glad To See You Go". Um áudio raro de uma destas performances, que aconteceu em 1979 no Cork Opera House, apareceu em um bootleg:

Foi graças à esta canção que o The Hype conseguiu se apresentar na rede de televisão irlandesa RTE em 1978, no programa Youngline. Bono contou como eles impressionaram um produtor da RTE com uma performance da música em uma audição conseguida por Albert Bradshaw, o professor de música da Mount Temple: "Tocamos "Glad to See You Go" dos Ramones e ele disse: “É fantástica!” Foram vocês que compuseram?” E eu disse: “Fomos.” E Adam, Edge e Larry ficaram olhando para mim, tipo “Fomos nós?” “Sim, fomos nós!” Depois tocamos outra música dos Ramones, ele perguntou: “Essa também?” E eu disse “Sim.”
Adam Clayton emendou: "O produtor disse: “São músicas fantásticas. Nem parecem criadas por gente tão jovem.” E nós: “Foi fácil!”
26 anos depois, em um show da Vertigo Tour que aconteceu em 2005 no Madison Square Garden, Bono relembrou a canção e os velhos tempos, e cantou um trecho dela no final da performance de "Vertigo".

O dueto real entre Bono e Lou Reed na 'Zoo TV Tour'

No primeiro show Outside Broadcast da turnê ZOOTV do U2, que ocorreu em 12 de agosto de 1992 no Estádio dos Giants, Lou Reed subiu ao palco b e apresentou "Satellite Of Love" com a banda. O U2 tinha lançado um cover desta canção em março, como Lado B do single de "One". No show, Lou e Bono realizaram um dueto utilizando seus estilos vocais contrastantes. Bono reafirmou a influência do cantor na banda, anunciando "todas as músicas que já escrevi foi um rip-off de uma canção de Lou Reed".
Para o próximo show e também para o restante da turnê, o U2 utilizou no telão uma gravação de Lou Reed cantando a canção, e então virou um dueto virtual entre ele e Bono.
O vídeo de Lou Reed cantando a canção, foi gravado em 13 de Agosto de 1992.

sábado, 29 de setembro de 2012

Do diário de Brian Eno: desistindo de "Davidoff" e trabalhando na inédita "Tokyo Glacier"

De 'A Year With Swollen Appendices', de 1995:

06 de Julho: "Davidoff" hoje? Trabalhamos e falhamos em "Davidoff" - apenas um ambiente de lama. Eu coloquei alguns vocais e um baixo, mas no final abandonamos o navio. É emocionalmente vazia. Em seguida, mudamos para "Tokyo Glacier" e encontramos algo simples, e sentimentos espaciais na bateria. Logo virou um inferno e de repente lá estava Adam tocando um baixo DX7, The Edge tocando guitarra, eu tratando o som, Bono cantando, Howie B. fazendo um scratch em um toca-discos, e Larry em um DX7. Todos nós na sala de controle, pendurado luzes, debaixo das mesas. Pobre Danton. Que confusão - mas tão emocionante. Todos nós no controle de sala, luzes penduradas, sob as mesas. Pobre Danton. Que confusão - mas muito emocionante. Ocupamos 48 faixas."

"Viva Davidoff" é uma faixa atmosférica quase que desconhecida, porque foi descartada do álbum 'Original Soundtracks 1' e lançada apenas como um B-Side no single de "Miss Sarajevo". A canção é também em grande parte desconhecida, porque não tem letras, e porque não pode mesmo ser realmente chamada de "música", pelo menos no sentido tradicional da palavra. Se você ouvir a canção em qualquer lugar que não tenha relação ao U2, você provavelmente nunca dirá que é uma canção em que a banda esteve envolvida. Ela é totalemnte Brian Eno.
Já a canção "Tokyo Glacier" acabou não sendo lançada no álbum do Passengers, e permancece inédita. Ela foi trabalhada com outros títulos nas sessões de 1995: "Tokyo Drift" e "Tokyo Drowning".

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A confusão no título de um remix do U2

O remix de "If God Will Send His Angels" incluido no single de "Mofo" do U2, lançado em 1997, causa um pouco de confusão nos fãs. O remix foi chamado de "Grand Jury Mix". No disco de B Sides da coletânea 'The Best Of U2 1990 - 2000', apareceu um remix de "If God Will Send His Angels" com o título de "Big Yam Mix".
Só que ambos os remixes são a mesma faixa. Os créditos de "Grand Jury Mix" mostra que a faixa foi produzida e remixada por Gerald Baillergeau, conhecido como "Big Yam". Este é o motivo da confusão do remix.
No CD 'Artificial Horizon', lançado para os assinantes do site U2.COM, o remix foi incluido com seu título original do single de 1997, "Grand Jury Mix".
Tanta confusão para um remix chatíssimo......

O "inesquecível" encontro entre U2 e Michael Jackson no Madison Square Garden

Do livro U2 At The End Of The World, Bill Flanagan: "Bono, Gavin Friday e eu estávamos em um PUB em 1993. Sobre o balcão está o jornal do dia, com manchetes sobre o crescente escândalo de Michael Jackson. Jackson se mantém fora dos EUA, indo de um país para outro fugindo das acusações de abuso sexual infantil. Ontem a polícia de Los Angeles entrou em sua casa com uma ordem judicial para apreensão de fitas de vídeo e fotos de uma "sala secreta". Outras crianças estão aparecendo alegando que eles foram acariciados ou abusados por Michael. O próprio cantor cancelou um show na Tailândia, alegando desidratação.
O U2 já teve um encontro com Michael, e eles nunca o esqueceram. Em 1988, The Joshua Tree havia vendido quatorze milhões de cópias e ganhou o Grammy de álbum do ano batendo o álbum Bad de Jackson (título de uma canção de Michael, e também do U2). Isso pode ter assustado Jackson, que fez um elaborado número de dança no show antes do prêmio ser anunciado. (Adam tinha saído um momento para ir ao banheiro e teve que convencer o segurança na porta para deixá-lo entrar de volta, porque tinham acabado de chamar o nome de sua banda e ele deveria estar lá em cima no pódio.) Depois disso Jackson ficou curioso sobre o U2. Convidou-os a um de seus espetáculos no Madison Square Garden para encontrá-lo em seu camarim. Eles foram, mas quando eles foram apresentados a Michael ficaram surpresos ao descobrir que tinha um cameraman presente para filmar a conversa. Isso foi muito estranho para o U2, e assim deram meia volta e saíram.
Quando voltaram à Dublin eles receberam uma mensagem: Michael queria enviar uma equipe para segui-los e filmá-los trabalhando, tocando, presumivelmente comendo e dormindo - para que ele pudesse estudá-los. Isso assustou os nossos heróis ainda mais.
Olhando para as manchetes dos tablóides agora, Bono recorda a primeira indicação que Jackson deu de que estava interessado no U2: mais de uma década atrás, colocaram no Hollywood Tower Records uma ampliação da capa do álbum do U2, War, que ficou na cobertura em exposição. Os rumores chegaram à banda dizendo que Michael Jackson havia perguntado à loja se ele poderia ficar com a imagem quando o Tower não mais fosse usá-la. (A capa de War é uma foto de um menino, na verdade, do irmão mais novo de Guggi). Bono realmente espera que as acusações contra Jackson não sejam verdadeiras. "Se este é um homem inocente que está sendo destruído pela mídia, é como The Crucible", diz ele. Bono tem medo de que Jackson se mate. Lhe digo que é algo muito sério para nem sequer pensar. Não podemos começar a adivinhar o que se passa em sua mente, ninguém sabe o que faria qualquer pessoa cometer suicídio.
"Ele é alguém que dedicou toda a sua vida tentando conquistar o amor do público", Bono diz. "Ele mudou o rosto para ganhar o amor do público. Eu acho que algo assim poderia fazer com que quisesse se matar". Bono toma um drink e diz baixinho: "Se você é daqueles que fica de joelhos, eu sugiro que faça uma oração para Michael esta noite".
Quando eu finalmente volto para o meu hotel, na hora do café da manhã, pego o jornal do novo dia. Diz que os rumores estão se espalhando de que Jackson é suicida. Ainda acredito que ninguém pode imaginar o que se passa na cabeça de Michael Jackson, mas eu admito que Bono está em uma posição onde pode ter uma ideia mais clara sobre isso do que o resto de nós."

Agradecimento: Forum UV Brasil

Retrabalhando "If God Will Send His Angels"

Quando o U2 escolheu a canção de trabalho que seria lançada como o seu próximo single do álbum POP, causou um pouco de estranheza, já que "If God Will Send His Angels" naquele momento não estava mais sendo tocada ao vivo nos shows da Popmart Tour.
Especula-se também que as referências 'Father Christmas' e 'Christmas Tree' na canção levaram a faixa à ser a escolhida para um lançamento na época de Natal (o single foi lançado em dezembro de 1997). Foram lançados dois singles simultâneos: "If God Will Send His Angels" e "Mofo", ambos nos dias 8 e 9 de dezembro. Videoclipes das duas músicas ("If God Will Send His Angels" e "Mofo (Phunk Force Mix)") foram lançados para acompanhar os singles.
E mais uma vez, como aconteceu com "Please" e "Last Night On Earth", a faixa "If God Will Send His Angels" foi regravada para o lançamento do single e difere da versão encontrada no álbum POP.
Descontentes com o andamento e a mixagem feita às pressas na versão do álbum, o U2 voltou ao estúdio em uma pausa na turnê Popmart, para mexer na música, e a versão single traz um trecho diferente no final da canção, além de uma alteração na ordem da letra em comparação à versão do álbum POP. A parte que se inicia com 'But I guess it was something to go on' é cantada antes do trecho 'So where is the hope and where is the faith'. E isso tem explicação: na versão do álbum, logo após a frase 'But I guess it was something to go on' a canção estranhamente perde o ritmo ao ir para o refrão novamente, quando claramente este trecho tinha que continuar em uma crescente juntamente com melodia.
Então quando a banda finalmente retrabalhou a canção sem toda aquela pressa para entregar o álbum para a gravadora, este pedaço foi corrigido.
O trecho que começa com 'Nobody made you do it' não existe nesta versão.
Esta versão single é menor que a do álbum, editada.
Aproveitando o tema anjos, a música foi escolhida para fazer parte da trilha sonora do remake Cidade Dos Anjos em 1998, e um videoclipe foi editado, contendo cenas do filme intercaladas com as imagens do videoclipe oficial do U2.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

One - Tradução

"É uma história de pai e filho. Tentei escrever sobre alguém que eu sabia que estava partindo e tinha medo de dizer à seu pai. É um pai e um filho religiosos. Eu tenho um monte de amigos gays, e eu presenciei o triste desamor em situações familiares, que são coisas completamente anti-cristãs. Se sabemos algo sobre Deus, é que Deus é amor. Isso é parte da música. Então é também sobre pessoas que lutam para ficar juntas, e como é difícil permanecer juntos neste mundo, se você está em uma banda ou um relacionamento." - Bono, Rolling Stone 2005

Do álbum 'Achtung Baby', 1991
Is it getting better
Está ficando melhor
Or do you feel the same?
Ou você sente o mesmo?
Will it make it easier on you now
Isto vai se tornar mais fácil para você agora
You got someone to blame?
Que você tem alguém para culpar?

You say
Você diz
One love
Um amor
One life
Uma vida
When it's one need
Quando é o que uma pessoa necessita
In the night
Na noite
One love
Um amor
We get to share it
Nós temos que compartilhá-lo
Leaves you baby
Ele te abandona, querida
If you don't care for it
Se você não cuidar dele

Did I disappoint you?
Eu desapontei você?
Or leave a bad taste in your mouth?
Ou deixei um gosto ruim em sua boca?
You act like you never had love
Você age como se nunca tivesse tido um amor
And you want me to go without
E você quer que eu continue sem nenhum

Well it's too late
Bem, é tarde demais
Tonight
Esta noite
To drag the past out
Para trazer o passado
Into the light
À tona
We're one
Nós somos um
But we're not the same
Mas não somos os mesmos
We get to carry each other
Nós temos que carregar um ao outro
Carry each other
Carregar um ao outro
One
Um

Have you come here for forgiveness?
Você veio aqui pelo perdão?
Have you come to raise the dead?
Você veio aqui pra levantar os mortos?
Have you come here to play Jesus?
Você veio para brincar de Jesus?
To the lepers in your head?
Para os leprosos na sua cabeça?
Did I ask too much?
Eu te pedi demais?
More than a lot?
Mais do que um monte?
You gave me nothing
Você não me deu nada
Now it's all I got
E agora isto é tudo o que eu tenho
We're one
Nós somos um
But we're not the same
Mas nós não somos os mesmos
Well we, hurt each other
Bem, nós ferimos um ao outro
Then we do it again
E então faremos novamente

You say...
Você diz...
Love is a temple
O amor é um templo
Love a higher law
O amor é a lei maior
Love is a temple
O amor é um templo
Love the higher law
O amor é a lei maior
You ask me to enter
Você me pede para entrar
But then you make me crawl
Mas então você me faz rastejar
And I can't be holding on
E eu não posso me agarrar
To what you got
Ao que você tem
When all you got is hurt
Quando tudo que você tem é dor

One love
Um amor
One blood
Um sangue
One life
Uma vida
You got to do what you should
Você tem que fazer o que deve

One life
Uma vida
With each other
Um com o outro
Sisters
Irmãs
Brothers
Irmãos

One life
Uma vida
But we're not the same
Mas não somos os mesmos
We get to carry each other
Nós temos que carregar um ao outro
Carry each other
Carregar um ao outro
One
Um
One
Um

Making it, making it, making it
Tornando-se, tornando-se, tornando-se
High, high, high, high
Digno, digno, digno, digno

15 anos depois, a canção "Tomorrow" foi regravada com um verso extra

Em 1996, o U2 foi convidado para contribuir para uma coletânea que Donal Lunny estava montando, chamada Common Ground, juntando modernos artistas irlandeses. Adam Clayton e Bono trabalharam nos arranjos com Lunny, Shannon Sharon, e outros músicos para uma regravação da canção "Tomorrow". A canção foi originalmente gravada pelo U2 para o seu álbum de 1981, October.
Bono comentou sobre a letra dela em 2005: "Um grande exemplo de como você pode escrever uma música e não sabe o que está escrevendo. Uma música nossa chamada 'Tomorrow' é um relato detalhado do funeral da minha mãe. Mas eu não tinha idéia de quando eu estava escrevendo."
A regravação (mais voltada para uma canção Celta) teve um verso adicional na letra, que não está presente na versão de 1981. Ela foi rebatizada para "Tomorrow'96".

O verso extra é este:

Oh boy stop your crying
Soon it will be death that's dying
Oh boy stop your crying
Soon it'll be death that's dying
Everything, everything conquered
Soon you will be a man
Oh boy stop your crying

"A idéia inicial era de Bono fazer uma canção tradicional", revela Lunny. "Houve uma que Christy Moore tinha mencionado a ele. Christy cantou ela com Bono uma noite. Ela se chama "The Yellow Bittern" e Bono realmente gostou e ficou muito entusiasmado em fazê-la, mas os prazos foram um pouco curtos no final. Bono e Adam foram os últimos a gravarem a música para a coletânea. O U2 estava no estúdio gravando POP e, de repente, ele encontrou um dia livre. Ele percebeu que teria de gastar mais tempo em "The Yellow Bittern" do que ele tinha para participar para este álbum.
Fiquei emocionado quando ele veio com a ideia de "Tomorrow", podendo estar dentro do prazo. Foi uma solução prática e ele estava em uma área em que ele se sentiu livre. Isso realmente mostra o que ele fez com a faixa. Ela é inspiradora. Fiquei realmente impressionado.
Sem a presença de Larry e Edge, foi Adam que fez uma grande contribuição para a pista, de uma forma que eu vi Adam operar muitas vezes antes, em que ele parece permanecer periférico. Sou sempre acusado de permanecer periférico, mas Adam muitas vezes se torna "invisível". No entanto, ele faz as coisas acontecerem, e incentiva situações. Ele desempenhou um papel importante nesta regravação."
No ano de 2008, ela fez parte do CD de lados b da edição deluxe remasterizada de October. Foi novamente rebatizada: "Tomorrow (Common Ground Remix)".

Tomorrow ('96 Version): Arranged by Adam Clayton, Paul Hewson and Donal Lunny. Bono: Vocals. Adam Clayton: Bass. Donal Lunny: Bouzouki, bodhran and keyboards. Sharon Shannon: Button accordian. Oisin Lunny and Stephen Daley: Beats and programming. Nollaig Ni Chathasaigh: Fiddle. Recorded at Hanover Quay, Dublin by Tim Martin. Assisted by Rob Kirwan. Mixed by Tim Martin, Donal Lunny, Bono and Adam Clayton at Windmill Lane, Dublin. Edited by Ciaran Byrne.

Regravando "Please" em um estúdio na Holanda durante a turnê Popmart

O U2 nunca escondeu o descontentamento com o álbum POP, que segundo os integrantes, foi finalizado às pressas e o resultado final poderia ter sido outro, se eles tivessem tido mais tempo para terminá-lo. As mixagens e cortes foram feitos às pressas, e algumas canções trazem falhas de estúdio. 'Last Night On Earth' teve o vocal final gravado enquanto os engenheiros de som esperavam do lado de fora do estúdio, para levarem as fitas e entregarem à gravadora horas depois.
Depois do lançamento de POP, a banda retrabalhou meses depois, em intervalos da turnê Popmart, as mixagens das canções 'Please', 'If God Will Send His Angels' e 'Last Night On Earth' para serem lançadas nos singles de trabalho, com um acabamento melhor.
No verão de 2002, ao preparar a coletânea 'The Best Of 1990 - 2000', o U2 mexeu em 'Staring At The Sun', 'Gone' e 'Discothèque'. Bono aproveitou e regravou os vocais da canção "If You Wear That Velvet Dress" para o álbum " More Friends Small World Big Band Vol. 2.", juntamente com Jools Holland, sua 'Rhythm and Blues Orchestra' e o trompetista britânico de jazz, Guy Barker.
Em 2003, a canção "The Hands That Built America" tinha sido anunciada para ser um single, com "The Playboy Mansion" como lado B (em uma versão diferente da lançada no álbum Pop, refeita e denominada de '2003 Mix'). Como a canção não levou o Oscar naquele ano, eles cancelaram o lançamento do single.
Esta versão de "The Playboy Mansion" permanece inédita, mas foi mais uma canção de POP que o U2 descontente, resolveu mexer.
Em abril de 1997, o U2 reservou secretamente por 4 dias o estúdio de gravação Signature Sound em San Diego, para regravar e mixar 'Last Night On Earth' para ser lançada como single. Estas sessões aconteceram antes e depois do show da banda no Jack Murphy Stadium em San Diego, pela turnê mundial Popmart.
Em julho de 1997, o U2 iniciou a parte européia da turnê Popmart, e os três primeiros concertos foram na Holanda, Bélgica e Alemanha.
Definido que a próxima música de trabalho seria 'Please', e a banda não gostou do resultado final dela, o U2 alugou o Wisseoord Studios em Hilversum, Holanda, para retrabalhar a faixa, com o auxílio de Hans Bedeker e Evelien Tjebbes.
A primeira idéia de uma banda ao escolher uma canção como faixa de trabalho e tocá-la nas rádios, é editar a música para deixá-la com uma duração menor, mais pro lado comercial certo? O U2 fez o inverso.
A versão de "Please" no álbum POP tem 5 minutos e 10 segundos de duração. Para a versão do single, a canção foi estendida e ficou com 5 minutos e 36 segundos de duração (nas rádios norte americanas ela foi editada, e esta versão saiu em um promo da banda).
A versão do álbum parece uma versão gravada ao vivo em estúdio. Ela se inicia com a bateria de Larry sendo aumentada gradativamente, e um efeito sonoro. Na versão single, ela ganhou uma nova introdução, e a bateria de Larry quando surge, já está equalizada em um único nível.
O músico instrumentista Craig Armstrong fez um novo e excelente arranjo de cordas para esta nova versão, dando mais vida à ela e tornando mais poderosa a mensagem de Bono.
Bono refez o vocal, cantando novas linhas e alterando algumas passagens. O refrão ficou muito melhor nesta versão. Os pedidos de 'por favor' aparecem muito na versão do álbum, e na versão do single a palavra please foi utilizada bem menos.
O trecho 'So love is hard and love is tough /But love is not what you're thinking of' do álbum foi modificado na versão single para 'Cause love is big and love is tough/ But love is not what you're thinking of'.
A mixagem final foi feita por Rene Weis e Philippe Bouvier no Le Voyageur II, na França e finalizada na Alemanha. É uma mixagem muito melhor, mais limpa, mais cuidadosa.
O single da música com a "nova" 'Please' (batizada de Single Version) foi lançado em outubro de 1997, e o videoclipe traz o aúdio da nova versão.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Bono grava canção para o novo álbum de K'Naan

O MC hip-hop, cantor, compositor e ativista K'NAAN, anunciou o lançamento de seu terceiro álbum, 'Country, God or The Girl' que será lançado em 16 de outubro de 2012 pela A & M / Octone.
O disco conta com várias participações especiais, incluindo Bono, na faixa "Bulletproof Pride".
A canção já foi apresentada ao vivo em outubro de 2011, quando antes de apresentar o set com The Edge no concerto da Fundação Clinton, Bono apareceu no palco durante a apresentação de K'Naan, e juntos cantaram a canção, que somente agora, depois de 1 ano, será lançada oficialmente em sua versão de estúdio.

Please (Single Version) - Tradução

Pouco antes de POP sair as notícias falavam de um disco radical do U2, com a banda mergulhando de cabeça na música tecno com um disco produzido pelo DJ Howie B.
Quando o videoclipe de Discothèque foi lançado, mostrando os quatro integrantes travestidos de Village People, os boatos foram ainda maiores. O disco enfim foi lançado e como talvez fosse de se esperar, foi recebido com certa frieza. Não que eles tenham feito um disco de tecno. Na verdade POP tinha muito do "bom e velho U2" em faixas como "Gone", "Last Night On Earth", "Staring At The Sun" e "Please" (essa ainda melhor na versão regravada para o single, com adição de um som orquestrado, novos vocais de Bono e trechos modificados na letra).


Do single de 'Please', 1997
Então você nunca conheceu amor
So you never knew love
Até que você cruzasse a linha da graça
Until you crossed the line of grace
E você nunca se sentiu desejada
And you never felt wanted
Até que você tivesse alguém batendo no seu rosto
'til you'd someone slap your face
E você nunca se sentiu viva
And you never felt alive
Até que você quase desperdiçasse
Until you'd almost wasted away
Você tinha que vencer
You had to win
Você não poderia deixar passar
You couldn`t just pass
O mais inteligente
The smartest ass
No topo da classe
At the top of the class
Suas cores vitoriosas
Your flying colours
Sua árvore genealógica
Your family tree
E todas as suas lições na história
And all your lessons in history

Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Levante-se de joelhos agora
Get up off your knees now
Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Deixe-o
Leave it out

Então você nunca soube
So you never know
O quão baixo você se inclinou para fazer aquela chamada
How low you`d stoop to make that call
E você nunca soube
And you never knew
O que estava no chão, até que eles fizessem você rastejar
What was on the ground until they mad you crawl
Então você nunca soube
So you never knew
Que aquela paz que você guarda, você roubou
That the heaven you keep, you stole

Sua tristeza católica
Your catholic blues
Seus sapatos de convento
Your convent shoes
Sua marca em tatuagens
Your stick on tattoos
Agora elas estão fazendo a notícia
Now they`re making the news
Sua guerra santa
Your holy war
Sua estrela guia
Your northern star
Seu sermão na montanha
Your sermon on the mount
Do porta malas do seu carro
From the booth of your car

Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Levante-se de joelhos agora
Get up off your knees now
Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Deixe-o
Leave it out

Porque o amor é grande e o amor é difícil
'Cause love is big and love is tough
Mas o amor não é o que você está pensando
But love is not what you`re thinking of

Setembro
September
Ruas reviradas
Streets capsizing
Transbordando
Spilling over
Para fora dos esgotos
Down the drains
Cacos de vidro, estilhaçados como a chuva
Shards of glass splinters like rain
Mas você só pode sentir
But you could only feel
Sua própria dor
Your own pain
Outubro
October
Conversa não leva à lugar nenhum
Talk getting nowhere
Novembro
November
Dezembro
December
Lembre-se
Remember
Estamos apenas começando tudo de novo?
Are we just starting again

Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Levante-se de joelhos agora
Get up off your knees now
Por favor
Please

Porque o amor é grande, é maior que nós
'Cause love is big, is bigger than us
Mas o amor não é o que você está pensando
But love is not what your thinking of
É o que os amantes enfrentam
It`s what lovers deal
É o que os amantes roubam
It`s what lovers steal
Você sabe que o que eu achei é difícil de receber
You know I`ve found it hard to receive
Porque em você, meu amor, eu jamais poderia acreditar
`Cause you my love I could never believe

Os segredos da canção "Wild Irish Rose"

Para um especial produzido em 1989, chamado 'Sound And Vision - The Influence Of Irish Music' (conhecido também como Bringing It All Back Home), o U2 gravou uma canção para fazer parte do documentário que só foi ao ar na TV BBC em 1991 e foi produzido pela Hummingbird Productions. A música "Wild Irish Rose" foi escrita por Bono e The Edge e produzida pelo músico irlandês Donal Lunny especialmente para o programa.

Bono começar a escrever a letra em 1987 depois do U2 gravar no Million Dollar Hotel o videoclipe de "Where The Streets Have No Name".
Bono, The Edge e Donal Lunny gravaram a canção em um take apenas em County Clare, Irlanda, em 1990. A canção traz Bono no vocal, The Edge na guitarra e Donal Lunny tocando tin whistle (uma flauta utilizada em canções celtas). O backing track de apoio traz sintetizadores e uma bateria eletrônica.
Bono comentou sobre a canção: "Vou falar sobre uma canção, "Wild Irish Rose", que eu comecei em Los Angeles, e eu tentei terminar no último dia. É uma tentativa de contar uma história em uma canção. Normalmente nós pintamos quadros, acho que mais do que contamos histórias. Você sabe, apenas de imagem para imagem . Ela é baseada no tempo em que passavamos no Million Dollar Hotel, em Los Angeles. Era um lugar que abrigava vagabundos e loucos. Eu observava que o licor barato que os bêbados e vagabundos bebiam era chamado de Wild Irish Rose (Rosa Irlandesa Selvagem). Então eu comecei a escrever a linha: 'A cidade dos anjos/trouxe o diabo pra fora de mim'.
A rosa na Irlanda, é o sinônimo do romantismo no amor, obviamente; mas também é a imagem da Irlanda por ela própria. É uma imagem que eu espero que vai ser boa para subverter."
É claro que o passado cultural da Irlanda exerce uma poderosa influência sobre o desenvolvimento da música irlandesa contemporânea. Bono reconhece o lugar. O passado é para ser encontrado nos remotos cantos da antiga Irlanda. E o rock and roll, expressões idiomáticas da nova Irlanda. O presente traz consigo, elementos do passado. Suas raízes desacompanhadas em cantos e músicas. Da geração que foi antes.
Para acompanhar o documentário, foi lançado um livro, um disco triplo, um CD duplo, e uma trilha sonora em cassete. Nenhum destes registros em áudio traz a canção "Wild Irish Rose" .
O CD duplo, apesar de não trazer a faixa, possui duas músicas onde Adam Clayton e The Edge tocam com outros músicos irlandeses: -"April 3rd" com Donal Lunny e amigos (incluindo The Edge), e "The Bucks Of Oranmore" com o The Hughes Brothers (incluindo Adam Clayton).
"Wild Irish Rose" se tornou uma faixa inédita e nunca lançada em nenhum album oficial do U2 ou qualquer coletânea musical. Ela apareceu em bootlegs, com um áudio muito bom, retirado do especial de TV, ou seja, com a canção trazendo a entrevista entre a performance, e alguns cortes.

Um tempo atrás, apareceu uma versão de estúdio digital completa da canção, com excelente qualidade de áudio, e sem os cortes de entrevistas.

Foi lançado um DVD com o documentário 'Bringing It All Back Home', mas provavelmente a versão digital na íntegra de "Wild Irish Rose" foi retirada do DVD "The Roots Of Irish Rock", que é uma versão americana editada de 'Bringing It All Back Home'.

Do diário de Brian Eno: "Tenterhook", o mix inicial de "Miss Sarajevo"

De 'A Year With Swollen Appendices', de 1995. No livro, há duas menções de "Tenterhook" ("Is there a time..."). A definição de Brian Eno para a canção que estava nascendo é: "o concurso de beleza Miss Sarajevo."

24 de maio: Um dia de muito trabalho. Estamos trabalhando numa canção chamada "Tenterhook".

27 de maio: Essa foi uma noite interessante. Voltei de uma festa, que foi muito agradável - um sentimento terno, mas muita risada também. Edge, Bono e eu conversamos sobre a nossa relação (bastante longa) até agora, e como nós meio que esquecemos de dizer um ao outro o quanto nós todos curtimos esta jornada. Bono disse que eles aprenderam muito comigo, mas eu disse que achava que eu tinha feito melhor fora do negócio, sendo capaz de vê-los trabalhando e lidando um com o outro. The Edge depois colocou o braço em volta de mim e disse: "Brian, você tem um espírito jovem. Eu sempre gosto de te ver e aguardamos sempre as suas visitas. Você é um homem muito doce." Eu fiquei muito emocionado com isso. Eu acho que eu realmente não esperava ser querido.
Dormi, não por muito tempo, e depois nadei uns metros. No estúdio sentindo como geléia quente, fiz uma mixagem de "Tenterhook" ("Is there a time..."). E então voltei para Killiney com Adam, apreciando o passeio com ele.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Please - Tradução

"É essencialmente sobre o fundamentalismo, político ou religioso. Fundamentalismo religioso é onde você começa à encolher Deus; você refaz Deus em sua própria imagem, ao contrário da outra maneira ao redor. Ela me deu um pouco de medo."- Bono, Rolling Stone 2001

Do álbum 'POP', de 1997
Então você nunca conheceu amor
So you never knew love
Até que você cruzasse a linha da graça
Until you crossed the line of grace
E você nunca se sentiu desejada
And you never felt wanted
Até que você tivesse alguém batendo no seu rosto
'til you'd someone slap your face
Então você nunca se sentiu viva
So you never felt alive
Até que você quase desperdiçasse
Until you'd almost wasted away
Você tinha que vencer
You had to win
Você não poderia deixar passar
You couldn`t just pass
O mais inteligente
The smartest ass
No topo da classe
At the top of the class
Suas cores vitoriosas
Your flying colours
Sua árvore genealógica
Your family tree
E todas as suas lições na história
And all your lessons in history

Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Levante-se de joelhos
Get up off your knees
Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please

(One, two, three, four)

Então você nunca soube
So you never know
O quão baixo você se inclinou para fazer aquela chamada
How low you`d stoop to make that call
E você nunca soube
And you never knew
O que estava no chão, até que eles fizessem você rastejar
What was on the ground until they mad you crawl
Então você nunca soube
So you never knew
Que aquela paz que você guarda, você roubou
That the heaven you keep, you stole

Sua tristeza católica
Your catholic blues
Seus sapatos de convento
Your convent shoes
Sua marca em tatuagens
Your stick on tattoos
Agora elas estão fazendo a notícia
Now they`re making the news
Sua guerra santa
Your holy war
Sua estrela guia
Your northern star
Seu sermão na montanha
Your sermon on the mount
Do porta malas do seu carro
From the booth of your car

Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Levante-se de joelhos
Get up off your knees
Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Me tire fora dessa confusão
Leave me out of this mess

Então o amor é duro e amar é difícil
So love is hard and love is tough
Mas o amor não é o que você está pensando
But love is not what you`re thinking of

Setembro
September
Ruas reviradas
Streets capsizing
Transbordando
Spilling over
Para fora dos esgotos
Down the drains
Cacos de vidro, estilhaçados como a chuva
Shards of glass splinters like rain
Mas você só pode sentir
But you could only feel
Sua própria dor
Your own pain
Outubro
October
Conversa não leva à lugar nenhum
Talk getting nowhere
Novembro
November
Dezembro
December
Lembre-se
Remember
Estamos apenas começando tudo de novo?
Are we just starting again

Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Levante-se de joelhos lá
Get up off your knees there
Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please
Por favor
Please

Então o amor é grande, é maior que nós
So love is big, is bigger than us
Mas o amor não é o que você está pensando
But love is not what your thinking of
É o que os amantes enfrentam
It`s what lovers deal
É o que os amantes roubam
It`s what lovers steal
Você sabe que o que eu achei é difícil de receber
You know I`ve found it hard to receive
Porque em você, meu amor, eu jamais poderia acreditar
`Cause you my love I could never believe

Ao vivo com o U2, diretamente do espaço sideral

Revista Rolling Stone - Edição 55 - Abril de 2011
Por trás dos segredos da turnê 360º, a maior já feita pelo U2 – e por qualquer outra banda na história - Parte Final

Seja em Zagreb, Londres ou Chicago, todos os shows começam mais ou menos do mesmo jeito: um trecho de "Kingdom Of Your Love" ("Soon") - uma música inédita do U2, com batida pulsante e vocais de coral - toca bem alto e Mullen entra sozinho no palco.
Um único holofote brilha sobre o baterista enquanto ele toca uma longa sequência de caixa, tambor e prato que serve de introdução à "Breathe", faixa de No Line, uma espécie de valsa turbinada com versos à la Dylan e um refrão envolvente como só o U2 pode fazer. Os companheiros de banda de Mullen se juntam a ele, um por um - Bono entra por último, arrastando seu pedestal de microfone como se fosse uma manivela que faz a banda funcionar. "É demais entrar quando o público está esperando Bono", diz Mullen enquanto janta arroz com legumes em uma mesa de piquenique do lado de fora da tenda do catering antes de um dos shows de Zagreb. "Faz 35 anos que eu estou esperando o solo de bateria. Eu nunca ia ficar esperando em pé, mas isto é o mais próximo possível."

Ele não é o integrante da banda que os fãs esperam ver primeiro - e aquela também não é a música que eles devem estar aguardando. Depois de "Breathe", há três músicas seguidas de No Line (a faixa-título, "Get On Your Boots" e "Magnificent") - e mais três canções do álbum aparecem, incluindo a balada épica "Moment Of Surrender", que fecha o show. A ênfase dada às novidades é ainda mais ousada quando se considera que 'No Line On The Horizon' mal vendeu um milhão de exemplares nos Estados Unidos - colocando-o entre os álbuns do U2 que menos venderam - e que o trabalho até agora não produziu nenhum single de sucesso. "Eu chego lá e canto "Breathe" toda noite para um monte de gente que não conhece a música", diz Bono. "Eu sou um artista de performance - não vou me ater a uma música que não comunique ou não adicione alguma coisa. As músicas são ótimas ao vivo, e acho que o álbum é ótimo. Acho que no futuro será visto assim: 'Caramba, esse é um dos álbuns mais desafiadores deles'." Mas, no caminho de Chicago, Clayton está preocupado com o fato de que os norte-americanos talvez sejam mais impacientes do que os europeus: "Estou um pouco temeroso para ver se podemos ou não abrir com quatro músicas novas", ele diz. "Isso pode ser complicado." E, depois do segundo show em Chicago, Bono observa que o show "ainda precisa de uma certa mexida". Então, na segunda semana da parte norte-americana da turnê, o U2 tenta tirar "Breathe" do set list - começando a apresentação com "Magnificent" em vez dela e reduzindo o número de músicas novas no começo do show para três.
A música nova que qualquer público de fato conhece é o primeiro single de No Line, "Get On Your Boots" - que a banda toca com arranjo mais direto e mais pesado ao vivo, tirando os elementos eletrônicos. O U2 adora tocar essa canção, mas três dos quatro integrantes hoje reconhecem que foi a escolha errada para o primeiro single (The Edge continua a defendê-la). "É interessante o fato de estar dando certo ao vivo", diz Clayton. "Mas eu acho que o que aconteceu foi um problema comum do U2. Acho que nós provavelmente trabalhamos tanto, tanto, tanto nela que, em vez de executar bem a ideia, acho que provavelmente colocamos cinco idéias na música, e isso só serviu para confundir as pessoas. Elas não sabiam bem o que estavam ouvindo." Bono tem ideias próprias. "Olha, às vezes o nosso público não é tão animado quanto nós gostaríamos que fosse", ele diz com um sorriso. "'Get On Your Boots', do jeito como foi lançada, é uma espécie de cruzamento, meio dance, meio indie rock. As pessoas não ficam muito seguras com o lado dance do U2. Elas querem "Vertigo". E, quando fizemos isso da última vez - com "Discothèque", de Pop, as pessoas também não gostaram."

O sistema de som da turnê 360° talvez seja o mais alto já construído - mas, no meio da elevação das vozes nesta noite em Zagreb, a multidão de algum modo está quase conseguindo abafá-lo. O show atinge seu ponto máximo com "One", que Bono apresenta com muito cuidado: "Esta próxima canção significa muitas coisas diferentes para muitas pessoas diferentes", ele diz, e uma tradução em croata apareceu na tela de vídeo. "Hoje, vamos tocá-la para todas as pessoas desta região cujo coração foi partido por ideias frias." Primeiro um silêncio se instalou enquanto o público absorvia as palavras; depois, uma explosão de aplausos. Na noite seguinte, Bono ainda pensava naqueles momentos. "Os Bálcãs inventaram uma certa obstinação, uma certa teimosia", ele diz. "Assim, seria necessário uma canção de amor amarga e distorcida como esta para que todos eles conseguissem se identificar: 'Did I disappoint you?' [Eu te decepcionei? ] A raiva, o amargor, a melancolia da canção fazem com que fique tudo certo. Nós não somos um. Nós somos um, mas não somos iguais. Nós não somos iguais. Essas pessoas abriram mão de tudo por causa de uma diferença. Cada pessoa tem uma visão diferente a respeito daquela música, e ela muda para mim a cada noite. Mal consigo respirar quando canto. Mal consigo proferir as palavras."

Pela primeira vez na meia dúzia de encontros que tive com Bono, os óculos escuros estão apoiados em cima da testa, e seus olhos azuis desnudos ardem com intensidade - ou ele ainda está nadando na adrenalina dos shows ou eles são sempre assim sem as lentes escuras. Ele está no jatinho, no caminho de volta para o quartel-general, no sul da França. Do outro lado do corredor está a mulher de Bono, Ali Hewson - estonteante -, que lê jornais e saboreia seu jantar, e os dois filhos pequenos deles, ambos enrolados para dormir depois de passar a maior parte da noite correndo de um lado para o outro no backstage, enquanto o pai fazia a mesma coisa em cima do palco. "Amor é uma palavra muito grande para jogar de qualquer jeito por aqui", Bono prossegue, ganhando fôlego, sobrepondo-se ao barulho do motor. "Carregar a faixa da não violência, à primeira vista, parece bonito para um irlandês, mas nós morávamos a 160 quilômetros dos problemas. Então, de certo modo, não foi nenhum ato de grande coragem para nós tirar a cor da bandeira e pregar a não violência."
Bono está usando uma camiseta preta e jeans, e está no auge da forma física, parecendo alguns quilos mais magro do que no começo do ano. Ele já não bebe muito na estrada, mas também não é exatamente abstêmio. Embaixo da mesa, seus pés pálidos estão descalços e ele chutou para longe um par de chinelos nada rock and roll. Ele chega a uma conclusão inesperada, defendendo a ideia de que sua banda se guia pelas melhores ideias daquele tempo. No final, talvez a espaçonave do novo show seja uma máquina do tempo - cujo destino é 1967. "A gente pensa nos Beatles e pensa em 'All You Need Is Love', e naquela explosão de ideias, e no renascimento que foi a década de 60", ele diz. "O núcleo daquilo era essa ideia de amor, da qual saiu o movimento feminista, o movimento gay, o movimento antiguerra. Tudo se baseava em uma ideia judaico-cristã muito simples, a filosofia de ter que amar o seu vizinho, mas não como conselho; como ordem, como decreto: 'Ame o seu vizinho'." Bono sorri pela primeira vez desde que começou a falar de tortura e ódio. "É bem estranho", ele diz, "quando a gente tira essas coisas de um show de rock".

Versões alternativas de canção de Bono e Edge não puderam ser inseridas em filme de 007

A música-tema do filme de 007, "GoldenEye", foi escrita por Bono e The Edge, para uma performance de Tina Turner e produzida pelo produtor / remixer / compositor Nellee Hooper. Como os produtores do filme não tiveram uma colaboração com Bono e The Edge na composição, versões alternativas da música não aparecem ao longo do filme 'GoldenEye' de 1995, como aconteceu em todos os filmes anteriores da franquia.
Geralmente, a música de abertura dos filmes de James Bond, aparecem em formas instrumentais, remixadas e alternativas durante os longas, com exceção de 'GoldenEye'.
Comercialmente, o DJ David Morales realizou um club remix da canção, enquanto o produtor Dave Hall deu um 'sabor mais urbano' em seu remix, e ambas as versões foram incluídas no CD single europeu de 4 faixas.
"GoldenEye" foi lançada primeiramente na trilha sonora do filme e no ano seguinte foi incluída no álbum de Tina Turner, 'Wildest Dreams'.

A banda de rock alternativo End of You gravou um cover da canção em 2008 em seu álbum 'Mimesis'.

O grupo sueco Ace of Base também esteve envolvido em um ponto para a música tema de 'GoldenEye', produzindo uma canção também chamada de "GoldenEye". Com a escolha de Bono e Edge para a composição, a canção do Ace Of Base foi lançada em 2002 com letras ligeiramente modificadas, como "The Juvenile" no álbum Da Capo.
Esta seria a abertura do filme com a canção do Ace Of Base:

A demo da canção que trazia GoldenEye é esta:

Cantora venezuelana Lizzie Blazquez grava clássico do U2 em espanhol

Nascida em Caracas, Venezuela, Lizzie Blazquez é uma cantora e compositora bilíngue que foi criada em uma família de músicos. 
Com quatro anos de idade ela já estava tocando em grupos musicais de crianças, apresentando-se em diversos eventos como shows, festas da comunidade, programas de jovens talentos e até mesmo algumas estações de rádio locais. 
Aos sete anos começou à tocar guitarra, e mais tarde ela já estava escrevendo músicas. Lizzie gravou em espanhol uma versão de "With Or Without You" do U2. Sua versão é intitulada "Contigo O Sin Ti".
Ela utilizou uma base instrumental muito parecida com a versão original do U2, inclusive com um efeito de infinite guitar:

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Ao Vivo do Espaço Sideral: a passagem de som de Edge em Zagreb, Croácia

Revista Rolling Stone - Edição 55 - Abril de 2011
Por trás dos segredos da turnê 360º, a maior já feita pelo U2 – e por qualquer outra banda na história - Parte 03

Um mês antes de Chicago, o U2 já tinha feito 17 apresentações na turnê europeia, e The Edge tem exatamente dez minutos para brincar de turista na parada mais exótica de todas. Ele entra no banco de trás de uma van que está parada na frente de seu hotel para dar uma volta pela capital da Croácia, Zagreb, até o estádio Maksimir, lar do maior time de futebol do país - e do show do grupo daquela noite. "Esta vai ser a minha experiência em Zagreb", diz ele, com um sorriso irrompendo nos cantos de seu cavanhaque. "Esta é a coisa mais estranha das turnês - a gente não consegue ver nada." Como sempre, ele está vestido de preto - camiseta com estampa geométrica, jeans, Converse All Star de couro, touquinha na cabeça. Em uma corrente prateada ao redor do pescoço dele está pendurada uma lâmina de barbear com as palavras "don't mess" [não sacaneie] gravadas. É o primeiro show que o U2 faz em Zagreb, e a primeira vez que eles tocam na região acometida pela guerra desde um show emocionante em Sarajevo, em 1997. The Edge se acomoda no assento de couro e começa a tirar fotos pela janela. A van estaciona na área de carregamento do local, ao lado de tendas brancas gigantescas montadas para as instalações da produção e o serviço de alimentação - parece que um festival de bom tamanho foi organizado na cidade. Apertando mãos pelo caminho, The Edge atravessa um corredor de concreto, passa por cima de um feixe de cabos elétricos grossos e sobe na escadinha de aço que chacoalha e faz barulho para chegar ao alto do palco do U2, que parece quase cômico de tão berrante à luz do dia. Ele cumprimenta Dallas Schoo, seu técnico de guitarra, coloca em cima do ombro a primeira de uma série de guitarras e começa sua passagem de som de um homem só. Schoo entrega uma Rickenbacker ao músico, e ele toca a introdução de "Mysterious Ways". Enquanto ele começa a mexer nos ajustes da guitarra e a apertar os 36 botões na barra de teclados a seus pés, Schoo saca uma câmera digital e fotografa a posição das alavancas e dos interruptores da guitarra. Mas o guitarrista sempre volta para seus próprios controles à direita do palco e mexe nos ajustes. Não é nada fora do comum quando The Edge cria novas combinações de efeitos no meio de uma música, na frente de um estádio lotado, diz Schoo, um pouco impressionado. "Eu sou detalhista em relação aos sons de guitarra porque é a identida de da música em muitos casos", diz The Edge. Ele meio que sorri, meio que faz uma careta no momento de falta de modéstia tão incomum para ele, e revê a própria afirmação: "É uma boa parte da identidade da música".

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...