Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

terça-feira, 30 de junho de 2015

Bono e The Edge fazem revelações sobre a canção "Cedarwood Road"


Da Rolling Stone:

Bono e The Edge discutiram sobre o processo de composição do U2 e relembraram suas ásperas raízes do norte de Dublin, que inspiraram a letra de "Cedarwood Road" do disco 'Songs Of Innocence', em uma entrevista reveladora de 10 minutos para o podcast Song Exploder.

A música recebe o seu título e sua história a partir da rua em que Bono cresceu, mas começou — como muitas faixas do U2 — com um riff de guitarra que The Edge criou em sua casa. Ao falar sobre esses primeiros passos, The Edge observou que ele esboça as canções no sofware GarageBand e trabalha com loops de bateria, que Larry Mullen Jr. grava para o processo da demo.
"Meu trabalho é encontrar uma maneira de inspirar Adam, Larry e Bono, por isso muitas vezes não me interessa terminar uma peça totalmente", disse The Edge. "Só quero fazer uma coisa que eu acho que é um grande ponto de partida e então eu sei que tudo o que eu colocar, eles virão e acrescentarão algo melhor. Então eu só preciso ir buscá-la onde sua identidade seja clara e tenha algum tipo de vitalidade e ponto de vista interessante."

"Cedarwood Road", no entanto, levou algum tempo para chegar a sua forma final. Enquanto a demo de The Edge deu origem à uma nova introdução, coro e crescendo, a banda gravou com letras que todos concordaram que estavam faltando. Bono começou a brincar com idéias diferentes, sempre em cima da casa de sua tumultuada infância, que mudou drasticamente na década de 70, quando o projeto de habitação das Sete Torres foi construído e preenchido com muitas famílias que tinham sido forçadas à se realocarem para lá.
"Eles estavam muito infelizes, estavam contrariados, eles estavam irritados — essas eram as pessoas que nos conheceríamos como jovens adolescentes", Bono disse. "Muitas das minhas primeiras recordações da adolescência foram de violência e o enorme medo de sair de casa, pegar o ônibus." Aquela violência externa, ele acrescentou, foi agravada pelo seu vizinho e melhor amigo, o artista visual Guggi, com experiência em ter em casa um pai durão e religioso.

A letra revisada, The Edge observa, mudou completamente o significado e o contexto dos motivos musicais, enquanto Bono acrescentou que sua parte favorita da canção é o solo de guitarra: "que tem toda a dignidade daquele bairro. Alguns personagens são sombrios de fato, mas a decência geral das pessoas, a bondade, está no solo de guitarra de Edge. Eu não poderia ter alcançado isso."
The Edge acrescenta: "Bono adorou a ideia de solo e mais tarde no processo de gravação, ele não se conteve: ele começou a cantar sobre o solo."

"Cedarwood Road", Bono disse, em última análise, não se trata de exumar o passado, mas a compreensão de como ele se torna uma parte de você. "Meu eu e meus amigos lidando com um tipo de skinhead, garotos de botas, cultura da época, criando nossa própria realidade e, eventualmente, nossa própria banda de rock and roll", ele disse. "É como lidamos com o medo que sentimos. Quando eu estava escrevendo sobre Cedarwood Road, a grande revelação para mim foi que você realmente não pode deixar essas coisas para trás porque eles são quem você é, você nunca pode escapar de sua criação."

The Crystal Ballroom - Tradução


"Eu preciso dizer uma coisa muito estranha sobre esta canção. Chama-se "The Crystal Ballroom", que costumava ser o nome do McGonagles na South Anne Street. Toda uma geração de Dubliners ia para o Crystal Ballroom para dançarem, e muitos casais se conheceram lá.
Minha mãe e meu pai costumavam dançar juntos no Crystal Ballroom, então esta canção sou eu me imaginando no palco do McGonagles com esta nova banda que eu chamo de U2 – e nós tocamos um monte de nossos importantes shows no começo da banda, lá. E eu olho para a platéia e vejo minha mãe e meu pai dançando romanticamente juntos, com o U2 no palco.
Minha mãe morreu quando ela estava no funeral do seu pai. Ela teve uma aneurisma cerebral. Eu tinha apenas 14 anos. E nesta canção eu canto 'todo mundo está aqui comigo hoje à noite, todo mundo, menos você...'
E sou eu querendo ver a minha mãe dançando novamente no Crystal Ballroom, para ela ver o que aconteceu com seu filho."

Life begins with the first glance
The first kiss at the first dance
All of us are wondering why we’re here
In the crystal ballroom underneath the chandelier

Wet the glass ’til the glasses sing
We punish our hearts ’til the heart bells ring
‘Cause where we come from
We’re not always kind
The human story is what love leaves behind

We’re the ghosts of love
And we haunt this place
We’re the ghosts of love
In every face
In the ballroom of the crystalline
Everyone’s here with me tonight
Everyone but you

Our first chance is their last dance
Our life is shaped by another’s hands
Buttoning, unbuttoning her Coco dress
Stopping and unstopping every cold caress

Born for bliss, born for this
Every human life begins with a kiss
Kissed by every kind of possibility
And everyone is here tonight with me

We’re the ghosts of love
And we haunt this place
We’re the ghosts of love
In every face
In the ballroom of the crystalline
Everyone’s here with me tonight

Everyone but you

Everybody’s here with me tonight
Everyone but you

Born for bliss, born for this
Every human life begins with a kiss

A vida começa com o primeiro olhar
O primeiro beijo na primeira dança
Todos estão se perguntando por que estamos aqui
Sob o lustre no salão de baile de cristal

Molhe o vidro até os óculos cantarem
Nós punimos nossos corações até os sinos do coração tocarem
Porque de onde viemos
Nós não somos sempre gentis
A história humana é o que o amor deixa para trás

Nós somos os fantasmas do amor
E nós assombramos este lugar
Nós somos os fantasmas do amor
Em cada rosto
No salão de baile do lustre de cristal
Todo mundo está aqui comigo hoje à noite
Todo mundo, menos você

A nossa primeira chance é sua última dança
A nossa vida é moldada pelas mãos de outros
Abotoando e desabotoando o seu vestido Coco
Interrompendo e continuando com cada carícia fria

Nascido para a felicidade, nascido para isso
Cada vida humana começa com um beijo
Beijado por todo tipo de possibilidade
E todo mundo está aqui comigo esta noite

Nós somos os fantasmas do amor
E nós assombramos este lugar
Nós somos os fantasmas do amor
Em cada rosto
No salão de baile do lustre de cristal
Todo mundo está aqui comigo hoje à noite

Todo mundo, menos você

Todo mundo está aqui comigo hoje à noite
Todo mundo, menos você

Nascido para a felicidade, nascido para isso
Cada vida humana começa com um beijo


As palavras e textos que aparecem no telão durante "Bullet The Blue Sky" na turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


Estes são os textos e palavras que aparecem no telão durante a performance de "Bullet The Blue Sky" na turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE do U2.

A sequência de fotos foi disponibilizada no Flickr por The Ross Man. As fotos foram tiradas de um vídeo de celular e milhares de frames de vídeo foram passados para a captura das imagens. Alguns textos aparecem apenas por um segundo ou menos na animação, visto em apenas um fotograma de vídeo.
Algumas destas palavras talvez não sejam vistas à partir de um celular, ou você pode ter que dar um zoom para ver as palavras.
Enquanto alguns do texto é apenas o título da canção, outros textos parece vir dos Provérbios 30:27.





























U2 toca ao vivo pela primeira vez a canção "The Crystal Ballroom"


O U2 na noite de ontem fez o quarto de cinco shows no United Center em Chicago, pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE.
Na passagem de som, a banda novamente ensaiou "Two Hearts Beat As One", que vem sendo preparando para sua estreia nesta turnê. Outra canção ensaiada foi "The Crystal Ballroom". A banda já vinha preparando ela em outros ensaios, mas vinha sendo tocada de forma instrumental. Ontem, Bono se juntou à banda no ensaio para fazer os vocais, e 15 segundos deste ensaio foi registrado em vídeo e disponibilizado por fãs no Twitter. Era o indício que a música estava preparada para fazer sua estreia ao vivo.
Bono e The Edge também na passagem de som, estavam ensaiando uma versão de "Happy Birthday", de Stevie Wonder.
Durante a segunda canção no show, "The Electric Co.", Bono pela primeira vez cantou u trecho de "Smells Like Teen Spirit" do Nirvana.
Em "Raised By Wolves", Bono mudou a placa do carro bomba, e cantou "registration 5389WZ".
Durante o show, Larry Mullen por diversas vezes se mostrou incomodado com os seus monitores de ouvido, e durante a segunda parte do show, ele foi ajustar seu receptor.
A transmissão pelo Meerkat desta vez foi feita com "Mysterious Ways", e nenhum fã foi chamado ao palco. Era o sinal que o U2 preparava alguma surpresa para as próximas canções.
E foi o que aconteceu. Finalmente, os fãs presenciaram o U2 transformar o United Center em McGonagles (clube punk que a banda tocou alguns de seus primeiros shows, e que era chamado anteriormente de The Crystal Ballroom) por alguns minutos, quando a banda pela primeira vez tocou ao vivo a canção "The Crystal Ballroom", bonus track de 'Songs Of Innocence'.
Bono em sua introdução disse que iriam tocar uma canção que muitas pessoas vinham pedindo. Uma bola de espelhos iluminou a banda durante a performance.


Um teleprompter no palco com a letra da canção, para ajudar Bono:

Bono sentou no piano para a performance de "Sweetest Thing", e a letra da canção para acompanhamento de Bono, foi vista no instrumento.

Bono brincou: "Eu serei capaz de tocar piano após a cirurgia? Meu médico respondeu: 'você foi capaz de tocá-lo até agora?"
Ele dedicou a performance para sua esposa Ali.

O feliz aniversário ensaiado por Bono e Edge, foi cantado para o ator John Cusack, amigo de Bono.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Bono diz que "Ordinary Love" pode fazer parte de 'Songs Of Experience'


"Ordinary Love" foi um single lançado pelo U2 em vinil em novembro de 2013. Foi a primeira música inédita em três anos, e sua letra é uma ode à Nelson e Winnie Mandela.
Foi lançada também na trilha sonora do filme 'Mandela: Long Walk To Freedom'.
No primeiro show em Chicago pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE, antes de uma performance acústica da banda, Bono introduziu a canção com um agradecimento especial para Norm Winer, diretor de programação da WXRT, que apoia a banda desde 'Boy', de 1980.
Bono então falou de como a banda se concentra na composição de canções ultimamente: 'Quando você começa as canções, as músicas mais ou menos dizem o que fazer.'
Foi então que ele deu um indício que "Ordinary Love", que não foi lançada no disco 'Songs Of Innocence', pode aparecer no próximo, 'Songs Of Experience': 'Nós temos mantido uma canção para colocar ela em um álbum, e se The Edge definir a sua posição, estará em 'Songs Of Experience'. The Edge ainda está tentando re-mixar o último álbum, a propósito...'

As revelações da iNNOCENCE + eXPERIENCE, por ES Devlin - Parte 02


O palco da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE do U2 é uma dimensão reduzida do projeto da turnê 360, claro, mas isso não quer dizer muito, considerando o alcance da turnê. "Dimensão reduzida" é relativo. Desta vez, em arenas, e não em estádios, a turnê apresenta um telão extremamente dominante, passarela e estágio B - com ainda muita coisa acontecendo.

A designer criativo do set, Es Devlin, trabalhando ao lado de Ric Lipson da Stufish Entertainment Architects no set e com o diretor criativo do U2, Willie Williams, enfatiza que a cenografia foi decidida nas primeiras reuniões sobre a história do show, o significado e a mensagem. "Nós focamos as nossas reuniões no que queríamos que o público sentisse e como queríamos nos comunicar com o público, e uma vez que trabalhamos o arco geral do show desse ponto de vista, as formas do palco evoluíram para caber a história", diz Devlin.

O trabalho mais recente do U2, observa Devlin, foi concebido como um díptico: Songs Of Innocence e Songs Of Experience, o primeiro, o nome do mais recente álbum da banda e o segundo atualmente sendo escrito e gravado. Aliás, William Blake publicou uma coleção ilustrada de poemas com o mesmo nome no final do século 18. "As formas do palco refletem isso: A casa e o mundo, o retângulo e o círculo, com base nas idéias da banda", diz Devlin. "Ric desenhou o gráfico para o logotipo da turnê, e o 'I' de inocência fez o seu caminho para o palco retangular, enquanto o 'e' de experiência foi impresso no palco circular. Então eles tornaram-se conhecidos como os palcos 'I' e 'e', que é mais adequado, neste caso, do que 'principal' e 'b'; porque a banda realmente gasta uma quantidade igual de tempo em todas as três fases.

O terceiro palco é a divisão, pois literalmente divide a maioria das arenas na metade. "A banda engatou a idéia de tocar com isto como uma metáfora para o que algumas ações da banda tendem a fazer com seu público: dividi-lo", diz Devlin. "E realmente é usado como um palco para a maior parte do show. A banda realmente abraçou esta área de atuação da divisão central, e Larry particularmente encontrou maneiras de tocar bateria, enquanto enfrenta ambas as direções e usa o kit que iria trabalhar nesta divisão central do palco."

Todos os membros da banda aproveitam-se do set completo durante o show. "Há muito do show, quando os quatro membros da banda abrangem todo o comprimento da arena, permitindo que cada seção da arena sinta a banda bem próxima, ao mesmo tempo, especialmente porque o inovador sistema de som de Joe O'Herlihy está fazendo a mesma coisa: tocando diretamente para cada seção da platéia ao mesmo tempo", acrescenta Devlin.

Do site: Live Design

"Gloria" faz sua estreia na turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


O U2 na noite de ontem fez o terceiro de cinco shows no United Center em Chicago, pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE, com um setlist trazendo surpresas!
Na parte da tarde, a banda fez uma passagem de som, com "The Crystal Ballroom" e "Lucifer's Hands". Mas foram outras duas canções ensaiadas que agitaram os fãs, com a possibilidade delas serem tocadas no show: "Gloria", do disco 'October de 1981, e "Two Hearts Beat As One", do disco 'War' de 1983.
E "Gloria" foi a segunda canção da noite, fazendo sua estreia na turnê. Ela não aparecia em um set do U2 há 10 anos, desde a turnê Vertigo em 2005 (mas Bono apresentou ela como não sendo tocada "há 20 anos). A canção entrou no lugar de "The Electric Co" e "Out Of Control", e ganhou um trecho no final de outra "Gloria", a de Van Morrison.

Em "Song For Someone", Bono cantou alterando a ordem dos versos. Ele dedica esta canção para sua esposa Ali, e seus filhos Elijah e John estavam presentes acompanhando o show, assim como os filhos de Edge e Larry.
Recuperado, a voz de Bono estava muito melhor que nos dois shows anteriores. Ele conseguiu atingir as notas e cantar com mais emoção as letras.
Após jogar livros para o público, no final de "Until The End Of The World" Bono leu 'A Clockwork Orange'.
Durante "Desire", para a transmissão do Meerkat, uma fã chamada Julia foi chamada ao palco. Bono cantou trecho de "La Bamba" e também de "Julia" (só não se sabe se é a canção dos Beatles ou algo improvisado por Bono). Um fã tocou violão junto com a banda.
Bono trouxe ao palco também um fã chamado Kevin. Ele sobreviveu a um câncer e teve seu primeiro bebê este ano. Ele também participou de "Desire", cantando junto com a banda.
Depois, a banda tocou pela segunda vez nesta turnê a canção "Lucifer's Hands".

Bono contou ao público que a primeira vez que seu pai veio aos EUA acompanhar um show do U2, ele apenas disse: "muito profissional". Ele disse que seu pai parecia muito emocionado, que era o inverso dele: "eu acho que em seu mundo, foi um grande elogio e eu captei isto."
A banda tocou pela segunda vez nesta turnê, "All I Want Is You". Bono apresentou a canção dizendo: "você pode dizer a minha esposa que está aqui esta noite" e durante a performance mencionou que ele estava "sentindo o espírito de Johnny Cash e June Carter Cash no local" antes de passar uma mensagem para o filho deles que estava presente também.

No início, Bono mencionou que havia "um tema de casamento esta noite", que tinha sido sustentado ao longo das duas músicas anteriores para reconhecer a decisão histórica da Suprema Corte dos Estados Unidos em favor da igualdade de casamento.
Uma bandeira de arco iris foi arremessada no palco durante "Pride (In The Name Of Love)", e em "Beautiful Day" uma linha foi modificada para "rainbow colours right in front of you". "Two Hearts Beat As One" acabou não sendo tocada na íntegra, e somente um trecho dela foi cantado por Bono em "Beautiful Day".

domingo, 28 de junho de 2015

A faixa perdida de Red Rocks: "I Fall Down"


O antológico concerto 'Under A Blood Red Sky: U2 Live At Red Rocks' foi lançado em duas edições diferentes: VHS e DVD.
O VHS lançado na época, é uma versão reduzida do concerto, com cerca de 60 minutos de duração.
A edição de 2008 do concerto em DVD teve sua película completamente remasterizada e canções deixadas de fora no lançamento anterior foram reinseridas.
Mas uma única canção tocada no concerto de 1983 que está faltando neste concerto remasterizado, e que não existe também na versão em VHS e nem no CD do show, é a faixa "I Fall Down" (originalmente tocada entre "Cry / The Electric Co" e "October").
No encarte do DVD, é explicado que um mau funcionamento da câmera na época da gravação causou um problema técnico na filmagem, que impossibilitou a inclusão da faixa em qualquer um dos lançamentos em vídeo e áudio.

Um bootleg do concerto em Red Rocks traz o registro da performance desta "faixa perdida":

sábado, 27 de junho de 2015

U2 teria batizado uma de suas canções influenciado pelo Television?


Na turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE do U2, antes dos shows começarem, há um mixtape de músicas punk e new wave tocadas no sistema de som. São canções que influenciaram na cena musical, a formação do U2.
Antes deste mixtape, nas arenas são tocados também álbuns completos ou parciais, ainda destes artistas e bandas.

Uma das bandas que tem suas canções utilizadas no pré-show é o Television, formado em 1974 na cidade de New York, a primeira banda de punk rock a tocar no CBGB abrindo a cena para outras grandes bandas como Ramones, Patti Smith, Blondie e Talking Heads.
O U2 utiliza canções do álbum 'Marquee Moon', de 1977 (lançado 1 ano após a formação do U2).
The Edge é um grande fã do Television, e em trabalhos do U2, ele simula o som da banda com um pedal de efeitos.

O curioso é que uma das faixas deste álbum, que está sendo ouvida no sistema de som, é "Elevation". E o U2 batizou uma de suas canções com este mesmo título, em 2000.
Apenas coincidência?

As revelações da iNNOCENCE + eXPERIENCE, por Ric Lipson - Parte 01


Ric Lipson da Stufish Entertainment Architects trabalhou como cenógrafo para a turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE do U2, compartilhando funções com Es Devin, mas observando de sua sede própria no Reino Unido que "nós tentamos evitar créditos pessoais, que é um esforço de equipe da Stufish. Eu estava listado na equipe criativa da Stufish porque eu estava pessoalmente envolvido com a criação, mas o estúdio é referenciado no crédito da equipe criativa e também listado mais adiante nas empresas envolvidas com o show."

Trabalhando sob a direção criativa de Willie Williams, como Es Devlin, colaborador de longa data do U2, Lipson veio a bordo no começo de 2013, quando o falecido Mark Fisher ainda estava vivo. "Eu fui trazido por Mark, tendo trabalhado com Willie em alguns outros shows, e começamos os projetos", diz Lipson. "No começo nós planejávamos fazer três noites separadas e projetamos um palco que se transformaria em formações diferentes para os três shows. Nós trabalhamos em um monte de ideias antes mesmo de Mark falecer, mas depois, com o atraso subseqüente da turnê, desenvolvemos um monte de ideais durante o fim de 2013 e 2014 até chegar ao projeto final no final de 2014."

Lipson observa que o show é baseado em torno de uma forte narrativa desenvolvida com Willie, Es Devlin, a banda, bem como outros membros da equipe criativa, incluindo o músico Gavin Friday e a coreógrafa Morleigh Steinberg. "Uma vez que o esboço das ideias foram desenvolvidos, eu então voltei para o estúdio da Stufish para trabalhar com minha equipe para fazer os desenhos CAD em escala real, animações e renderizações", ele diz. "Es Devlin depois iria trabalhar com sua equipe para pegar as imagens e estender os vários elementos estilísticos e o conteúdo narrativo de orientação, em fotos. Apresentações para a banda tendiam a ser um híbrido dos resultados dos trabalhos dos estúdios Stufish/Devlin. Uma vez que o projeto total foi assinado, Es Devlin tendia a trabalhar com Willie mais no fluxo do conteúdo e narrativo do show, onde, temos trabalhado com [o gerente de produção] Jake Berry e a Tait para certificar-se de que todos os detalhes, materiais de acabamentos, protótipos e entrega técnica foram totalmente trabalhados.

Enquanto as renderizações reais foram feitas pela Stufish, Lipson observou que o estúdio de Devlin desenvolveu o que ele chama de "as imagens mais artísticas que descreve a narrativa. Nossas animações e renderizações serviram para ajudar a vender a experiência dentro da arena toda juntamente com o entendimento muito importante de como o telão, a longa passarela e o sistema de som, afetaria o visual e como o show poderia ser vendido em conformidade. Nossas renderizações desempenharam um papel enorme para ajudar a decidir como funcionariam os ingressos."

O envolvimento dos membros da banda na criação realmente influenciou o show final, e Lipson diz que algumas das ideias da narrativa do show das primeiras reuniões, têm-se mantido constante. "A idéia da lâmpada, a divisão, a narrativa dos problemas na Irlanda, a Cedarwood Road onde Bono cresceu e os carros-bomba, tudo veio de idéias da banda", diz Lipson. "Eles foram muito claros, que eles queriam quebrar a quarta parede ao público e concentrar-se na intimidade do show de arena para encontrar uma nova maneira de se aproximarem mais das pessoas."

Explorando os temas do crescimento na Irlanda na década de 1970, os membros da banda queriam representar o tema do "punk" no design da turnê, bem como a ideia de um túnel de uma estrada "como um lugar de perigo com fortes luzes fluorescentes elétricas", diz Lipson." As idéias para materiais reais com sentimento forte e urbano, embora não sendo uma pastiche, era importante. Este é o acabamento para as luzes de metrô, e a escada rolante como o chão do palco estriado que tem linhas prata e pretas. Era muito importante que o telão pudesse desaparecer. O produto [PRG Nocturne] V-Thru desempenhou um papel enorme nisto, mas também desenvolvemos toda a estrutura com a Tait para a tela ser tão transparente quanto possível com barras de grades no chão, piso com aberturas, e a estrutura e cabeamento foi tudo cuidadosamente pensado para ajudar a manter o telão visível através dele, o mais monolítico quanto possível. A cor amarela chegou bem cedo, como algo que o U2 usou antes, mas queríamos reutilizar como uma marca. A Stufish projetou o logotipo da turnê do logotipo de U2.ie, como está escrito. Esta contínua pincelada de amarelo brilhante formou o logotipo, que foi então marcado na superfície do palco para explorar a ideia da Inocência e Experiência dos palcos. Nós trabalhamos duro com a Tait para encontrar uma solução que permitiria uma linha contínua de LED Plexiglas aceso amarelo que iria correr o logotipo pelo chão. Isso foi muito eficaz e criou uma estética muito forte para o show."

Do site: Live Design

sexta-feira, 26 de junho de 2015

A segunda noite de shows no United Center em Chicago pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


O U2 na noite de ontem fez o segundo de cinco shows no United Center em Chicago, pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE.
A banda realizou uma passagem de som onde ensaiaram por duas vezes a canção "The Crystal Ballroom". Mas novamente, ele não fez sua estreia na turnê. Mas isto está cada vez mais próximo de acontecer.
O destaque da noite foi a performance de "Beautiful Day", porque Bono no final cantou um longo trecho da canção "Moment Of Surrender", do disco de 2009, 'No Line On The Horizon'.

Em "Angel Of Harlem", Bono.....

Confira também o vídeo:


Antes de "Every Breaking Wave", Bono cantou "Also Sprach Zarathustra", tema do filme '2001: Uma Odisséia No Espaço'.
Novamente, foi perceptível no show os problemas na voz de Bono. Ele deixou de fazer alguns vocais, pulou algumas linhas, e em "One" praticamente entregou a canção pro público.
Ele dedicou à canção para Paul McGuinness, que novamente estava presente no local: "Esta é para Paul McGuinness, que ainda olha por cima de nossos ombros".
Segundo o operador de câmera dos shows da turnê, a filmagem oficial para a gravação de um DVD / Blu Ray da turnê acontecerá em Paris, no Palais Omnisport.

The Edge incorpora Jimi Hendrix em show da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


O segundo ato dos shows do U2 nesta nova turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE, reserva uma parte bem descontraída e com participação do fãs, onde a banda se solta mais, improvisa e onde também utilizam um celular que é preparado com o aplicativo Meerkat, onde fãs sobem  no palco e gravam a performance que é transmitida online em tempo real para os seguidores da banda no Twitter.
No primeiro dos cinco shows no United Center em Chicago, duas noites atrás, quem entrou no clima e roubou a cena foi The Edge!
No final da performance de "Elevation", Bono se ajoelhou perto do guitarrista, para que ele tocasse o riff final da canção. Mas o que Bono não imaginava é que The Edge incorporasse Jimi Hendrix, se ajoelhando também e inclinando o corpo para trás para tocar guitarra, deixando o vocalista incrédulo! Bono, sorrindo e sem acreditar, olhou para o público e para Adam, e se divertiu com a cena!

Confira à partir de 2 minutos e 40 segundos do vídeo:

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Video: a primeira aparição de TV do U2 na Escandinávia em 1981


Um vídeo em alta qualidade da performance ao vivo do U2 no programa de TV "Måndagsbörsen" da Suécia em 09 de Fevereiro de 1981.

A introdução é de Staffan Schmidt. A banda tocou "11 O Clock Tick Tock" e "I Will Follow":



Ex empresário Paul McGuinness assiste ao U2 em Chicago pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE


O U2 na noite de ontem fez o primeiro de cinco shows no United Center em Chicago, pela turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE.
Foi a primeira vez na turnê que o U2 tocou um setlist idêntico à outro show (12 de Junho em Montreal).

Após o show em Montreal, Bono concedeu uma entrevista ao Chicago Tribute, e disse que não estava se sentindo muito bem, que sua garganta estava pegando fogo. E na noite de ontem, parece que ele ainda não estava totalmente recuperado. O clima não ajudou muito, e Bono ainda estava um pouco doente. Algumas pessoas que conversaram com ele antes do início do show, disseram que sua voz soava um pouco rouca.
Em "The Electric Co.", Bono fez a tradicional apresentação da banda e desta vez disse: "Nós éramos conhecidos como The Hype, e agora somos o U2!"
Mais uma vez nesta turnê, Larry Mullen se confundiu e tocou a bateria de "Out Of Control" por engano, antes do início de "Vertigo".
Bono durante "Pride (In The Name Of Love)", lembrou do tiroteio dias antes em uma igreja frequentada pela comunidade negra de Charleston, na Carolina do Sul, que deixou nove mortos. Ele disse: "Dr. King, precisamos de você agora mais do que nunca em Ferguson, em Baltimore, em Charleston!"
Bono dedicou "Elevation" ao Chicago Blackhawks, campeão da Stanley Cup da Liga de Hóquei. O jogo aconteceu dias antes no mesmo United Center.
Entre os convidados, uma presença ilustre: pela primeira vez, Paul McGuinness assistiu à um show da banda após deixar de empresariar o grupo com quem trabalhou por mais de três décadas.
Bono disse: "A influência mais profunda sobre essa banda é, naturalmente, um homem que está vendo o show a primeira vez hoje à noite, e sem este homem não estaríamos aqui esta noite, por isso é uma noite muito importante para nós. Paul McGuinness está aqui esta noite, ainda olhando por cima do nosso ombro..."

Mick Jagger foi outro convidado presente acompanhando o show.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

O vídeo na íntegra da performance do U2 de "Life On A Distant Planet" em 1979


Um vídeo com a performance na íntegra do U2 da canção jamais lançada oficialmente chamada "Life On A Distant Planet" em 1979, no programa 'Pop On The Box', com introdução de John Keogh (do Full Circle).
Esta transmissão na televisão aconteceu em 1991, e é a única gravação realmente completa, em que podemos ver os primeiros segundos onde aparece o logotipo da banda e Adam e Larry na tela, dividida em 4.

Video: "Until The World Ends" - Mark Pellington (1992)


O artista de vídeo Mark Pellington dirigiu os filmes utilizados de fundo nas telas da turnê do U2 'ZOOTV' de 1992/1993.
Em sua conta no Vimeo, ele disponibilizou um vídeo inédito intitulado "Until The World Ends", um dos que ele criou para acompanhar a performance de "Until The End of The Wold" na turnê.


Agradecimento pelo vídeo do You Tube: U2 Argentina

"A Sort Of Homecoming" em remix da dupla D:Fuse & Hiratzka


Quando se fala que há um remix utilizando samplers de uma canção do U2, sempre se ouve elementos dos hits mais óbvios: "With Or Without You", "Beautiful Day", "New Year's Day". Então é sempre difícil de se ouvir um remix assim até o final.
Mas a dupla D:Fuse & Hiratzka fez algo diferente e saiu do óbvio, pegando uma canção do U2 que não foi hit, mas que muitos fãs apreciam : "A Sort Of Homecoming".
D:Fuse (Dustin Fuselier) e Mike Hiratzka disponibilizaram o remix gratuitamente no site Big Shot Magazine em 2011, com o título de D:Fuse & Hiratzka vs. U2 - "Homecoming".

Márcio Fernando da U2 Songs fez um upload da canção. Confiram o resultado:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...