Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

sábado, 12 de agosto de 2017

A Entrevista: Larry Mullen na Modern Drummer em 1985 - Parte III


Larry Mullen em 1985 em entrevista para a Modern Drummer:

"Entrei no estúdio de gravação com toda a inocência. Você sabe: primeiro álbum, "eu posso fazer o que eu quero". À medida que você obtém um, você começa a relaxar. Você não quer ser muito experimental, você quer "manter o backbeat" ou seja o que for. No meio disso, adquiri um estilo. Eu gosto de 'October' e 'War', mas eu construí minhas próprias pequenas paredes nesses álbuns. Era uma coisa de segurança, porque não tinha certeza da minha posição de baterista. Mas agora estou saindo disso, e espero ficar com a coisa experimental. Sou livre, e a banda também é muito livre.
Windmill Lane não é como outros estúdios de gravação. Não há sinais de dólar por toda parte. Há apenas uma boa vibração no lugar. Há estúdios em Nova York ou Londres que são melhores do ponto de vista técnico, mas isso é secundário. E agora que vimos outros estúdios, levamos algumas ideias de volta ao Windmill Lane. Nós não temos medo de fazer algumas mudanças.
Haviam pessoas pagando dinheiro para entrar e ver uma banda, mas eles não estavam vendo uma banda. Eles estavam vendo três membros e um baterista nas sombras. Quando tocávamos em teatros, as luzes estavam colocadas muito baixas e me queimavam. Eu disse: "esqueça isso. Eu não preciso de holofotes apontados para mim".
O que temos é um ego de banda, não é uma coisa individual, e nunca foi. Se alguém em nossa banda recebe mais entrevistas e fotos no jornal, não é uma questão de seu ego ser maior. É que ele é o melhor nesse trabalho. Todos fazemos o que podemos. Eu sei que, em muitas bandas, há muitas reclamações acontecendo. Eu conversei com alguns músicos de rock e ouvi-los discutir com colegas da banda é algo triste. Nós somos realmente bons amigos. No que diz respeito a entrevistas, eu vou ficar no fundo, mas na medida em que a música for a causa, eu pretendo ter um maior interesse. É muito fácil se tornar apenas o baterista. Eu estava caindo naquela armadilha. O resto dos caras estavam se movendo, e eu estava meio que ficando para trás. Quero seguir em frente. Não é como se me pagassem um salário. Eu sou um membro da banda, eu tenho que carregar meu próprio peso. Se eu não fizer isso, o resto dos caras começam a gritar, e isso é justo o suficiente.
Eu quero ser uma força contínua no U2. Por isso, graças a Deus, finalmente tenho um lugar para mim, que nunca tive antes. Assim que esta turnê terminar, vou para casa onde terei tempo para mim. Eu vou conseguir um sistema de gravação de quatro faixas, trazer instrumentos, e tocar para o conteúdo do meu coração. Quero aprender a tocar guitarra. Eu quero fazer composições. Eu vou aprender coisas - aprender a tocar com outras pessoas - não necessariamente outras bandas, mas apenas pessoas que conhecem a música. Estou aberto a qualquer coisa. Eu realmente quero trabalhar com outros músicos, porque eu nunca fiz isso antes. Eu adoraria entrar em um estúdio, resolver as coisas de uma nova maneira, e ser um baterista de sessão. Eu acharia incrivelmente desafiador.
Eu prefiro ir como um convidado e trabalhar com as pessoas sobre a escrita das músicas. Eu não quero trabalhar com pessoas que chegam e dizem: "toque isso". Se eles só querem dizer o que fazer, eles podem muito bem usar uma bateria eletrônica. Outra coisa que eu gostaria de fazer um dia é construir o meu próprio estúdio para as minhas especificações. Eu teria uma sala grande. Tudo seria grande e ambiente - madeira e concreto. Embora eu não seja um grande fã do Led Zeppelin, sou um fã do John Bonham, e sei que todos os discos do Zeppelin foram feitos em salas grandes. Muitos dos primeiros discos Stones - sons excelentes, ótimos sons do ambiente."
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...